Print Friendly and PDF
only search openDemocracy.net

O paradoxo brasileiro

A atual administração brasileira não aborda as deficiências políticas anteriores de forma construtiva. Aqui está o Preâmbulo do novo livro de Lena Lavinas: A financeirização da política social: o caso brasileiro. Español English

Foto: Lula Marques/Agência PT (Flickr), CC BY 2.0. Alguns direitos reservados.

A financeirização da política social: o caso brasileiro explora três questões estreitamente relacionadas, em diferentes níveis de análise: primeiro, neoliberalismo e financeirização, tanto como características definidoras do capitalismo contemporâneo quanto como catalizadores da reprodução social. Em segundo lugar, a financeirização no Brasil, com foco nas políticas macroeconômicas e financeiras implementadas pelas administrações federais lideradas pelo Partido dos Trabalhadores (PT, no poder entre 2003 e 2016). Em terceiro lugar, o papel único e singularmente significativo de política social na financeirização brasileira. Ao fazer isso, O caso brasileiro oferece uma acusação incômoda do modelo socialista ou "neo-desenvolvimentista" associado aos presidentes Luís Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

O neoliberalismo é a fase atual do capitalismo global e a financeirização é o núcleo econômico do neoliberalismo. Em país após o país, o neoliberalismo e a financeirização reorganizaram os processos de produção, intercâmbio, distribuição e acumulação de valor e levaram ao surgimento de modos distintivos de reprodução social, incluindo modos específicos de governança, ideologias e subjetividades. Neste contexto, a financeirização da vida cotidiana intensificou a sujeição das famílias aos mercados e processos financeiros em quase todos os lugares.

Essas declarações geralmente são corretas, mas carecem de conteúdo histórico: embora o neoliberalismo e a financeirização sejam analiticamente distintivos, não estão sendo homogêneos. Em vez disso, eles promovem a diversidade e a diferenciação, com cada país e região seguindo uma rota original para o novo sistema de acumulação. Enquanto os EUA, o Reino Unido, a França, a Alemanha, a Itália, o Japão e o Canadá oferecem estudos de caso interessantes, mas relativamente familiares, as transições em outros países geralmente não são amplamente conhecidas.

A financeirização da vida cotidiana intensificou a sujeição das famílias aos mercados e processos financeiros em quase todos os lugares

O caso da Austrália é particularmente relevante neste contexto. Na Austrália, os governos e os sindicatos liderados pelo Partido Trabalhista concordaram com um conjunto de reformas neoliberais em meados da década de 1980, que culminou com uma dramática reestruturação da economia e da sociedade da Austrália, a desintegração desses governos e a demolição da esquerda organizada.

O caso brasileiro é semelhante; mas é peculiar na forma como as administrações, os sindicatos, as finanças e a indústria do lado esquerdo se uniram em torno de um programa neoliberal de reestruturação econômica e social que foi velado por um "novo" projeto nacional: o modelo social-desenvolvimentista lançado pelo PT.

O social-desenvolvimentismo foi validado pelo argumento de que combinava os pontos fortes da macroeconomia neoliberal, que deveria gerar eficiência econômica e credibilidade do mercado, com as vantagens de políticas sociais e de renda progressivas que promovam a justiça social e impulsionam o mercado interno. Este modelo de desenvolvimento proporcionou, então, um "acordo para o crescimento com inclusão social": traria um círculo virtuoso de crescimento econômico e igualdade social, tornando o Brasil a um país social-democrático ocidental feliz, moderno e próspero. Lena Lavinas demonstra que esta era uma miragem extremamente dispendiosa. Em particular, esse "acordo" baseou-se em um padrão de consumo de massa financiado e insustentável mantido pelas transferências governamentais, subsídios e dívidas pessoais permanentemente aumentadas. 

O que é inovador é a exposição detalhada de Lavinas sobre o crescimento da financeirização durante as administrações lideradas pelo PT, partido abertamente de esquerda

A rota brasileira para a financeirização incluiu duas pistas que se reforçam mutuamente. Por um lado, a financeirização foi parasitária e ajudou a destruir o sistema anterior de acumulação baseado na industrialização de substituição de importações. O processo de financeirização se intensificou no final da década de 1980, quando o Brasil iniciou uma transição por atacado ao neoliberalismo. Este processo foi fortemente apoiado pela política governamental, especialmente durante as administrações lideradas pelos presidentes Fernando Collor (impichado por a corrupção em 1992) e Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Isso não é controverso. O que é inovador é a exposição detalhada de Lavinas sobre o crescimento da financeirização durante as administrações lideradas pelo PT, partido abertamente de esquerda. Nesse sentido, o argumento de Lavinas não é que o PT "tenha fracassado" em reformar as estruturas econômicas e sociais do Brasil ou que não tenha feito "o suficiente" para construir uma sociedade coesa. 

É muito pior: Lavinas mostra que as políticas do PT não eram nem equivocadas nem meramente infelizes. Elas eram perversas, pois ajudaram a consolidar o neoliberalismo e a acelerar a financeirização da economia e da sociedade brasileiras. Isso aconteceu através de vários canais; Entre eles, destacou-se o crescimento explosivo do crédito ao consumo e a expansão das transferências (estreitamente relacionadas), que estavam no cerne das políticas sociais emblemáticas do PT. Essas transferências foram destinadas não só a aliviar a pobreza extrema, mas também a fornecer garantias para empréstimos pessoais, cartões de crédito, seguros e a venda de outros serviços e ativos financeiros para mercados virgens, povoados por dezenas de milhões de trabalhadores, que foram ilusoriamente chamados da ‘nova classe média’. A captura desses grupos sociais em estruturas e processos financeiros durante as administrações do PT foi intensificada por empréstimos bancários ‘consignados’, pagos através de deduções provenientes diretamente dos pacotes salariais, pensões e pagamentos de benefícios. Este tipo de empréstimo foi promovido por uma aliança profana, incluindo o governo federal, sindicatos liderados pelo PT, indústria, prestadores privados de saúde e educação e, claro, bancos e companhias de seguros. Os empréstimos consignados reduziram drasticamente os custos bancários; o crédito tornou-se mais barato, mais seguro e amplamente disponível, e o empréstimo foi normalizado para milhões de pessoas. A financeirização do cotidiano avançou rapidamente sob o PT.

 O PT sofreu um cataclismo sem precedentes, mas não totalmente imprevisível

Lavinas mostra detalhadamente como e por que esse modelo de crescimento foi falho. Por exemplo, enquanto os ventos globais eram favoráveis, a rota para a financeirização brasileira foi financiada pelas crescentes exportações primárias do país. No entanto, as políticas macroeconômicas neoliberais do governo também alimentaram fluxos de capital internacionais perversos, a sobrevalorização da moeda e um processo de desindustrialização prematura que reduziu drasticamente a margem de geração de renda para apoiar empregos, transferências, reembolso de empréstimos e uma maior distribuição de salário. Isso foi mais do que ignorância e mais perverso do que a negligência: Lavinas mostra que os governos do PT mantiveram o curso apesar das evidentes insuficiências do modelo social-desenvolvimentista, o alarme manifestado pelos seus próprios partidários e a rápida perda de dinamismo da economia desde 2011. Como o mundo ficou atolado na maior crise desde a Grande Depressão, o modelo de crescimento associado ao PT teve que depender cada vez mais de subsídios do setor público, descontos e transferências fiscais que corromperam o saldo fiscal e empréstimos pessoais que aceleraram a financeirização da vida cotidiana. Desta forma, o governo perfurou suas próprias bases. A economia brasileira entrou na mais longa e profunda crise em sua história registrada; A oposição tornou-se feroz, e Rousseff foi cassada sob falsas acusações. O PT sofreu um cataclismo sem precedentes, mas não totalmente imprevisível.

Não há nada que sugira que a atual administração tomará medidas para reabordar as deficiências políticas anteriores de forma construtiva, reequilibrar a economia, distribuir a renda de forma mais eficiente ou reverter a financeirização. Pelo contrário. O paradoxo brasileiro identificado por Lena Lavinas permanece firmemente no lugar, agora com novas camadas de complexidade e iniquidades ainda maiores. Este livro é essencial para entendê-los e para descobrir como o Brasil entrou em sua situação atual. Essas realidades dolorosas não podem ser abordadas sem uma compreensão adequada. Este livro, portanto, não é apenas brilhante; É também uma leitura essencial para nossos tempos sombrios. 

_________________________________________________ 

Lena LAVINAS

Professora de Política Social e Economia no Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 

The Takeover of Social Policy by Financialization. The Brazilian paradox.

New York: Palgrave Macmillan 2017.

(http://www.palgrave.com/br/book/9781137491060)

About the author

Alfredo Saad-Filho is Professor of Political Economy in the Department of Development Studies, SOAS, University of London

Alfredo Saad-Filho es Profesor de Economía Política en el Departamento de Estudios de Desarrollo, en SOAS, Universidad de Londres


We encourage anyone to comment, please consult the
oD commenting guidelines if you have any questions.