Print Friendly and PDF
only search openDemocracy.net

Kumamoto enfrenta o PRI: #SinVotoNoHayDinero

O Congresso de Jalisco reduzirá o financiamento aos partidos políticos. O movimento liderado por Pedro Kumamoto agora está buscando que a campanha #SinVotoNoHayDinero (Sem voto não há dinheiro) seja também uma realidade nos outros estados do México. Español English

Foto: Tercero Díaz, Cuartoscuro. Todos os direitos reservados.Este artigo é um produto da aliança entre o SinEmbargo e a DemocraciaAbierta. Leia o conteúdo original aqui.

"Estamos no pior dos mundos, damos muitos recursos, as partes não nos representam, as pessoas não participam e nos dizem que temos que permanecer iguais. Eu acho que não está certo ". Assim se expressou Pedro Kumamoto, membro do movimento Wikipolítica, o primeiro deputado independente a ganhar uma eleição para ocupar uma posição de representação popular no Congresso do Estado de Jalisco, com mais votos do que qualquer partido político. 

Mas em San Lazaro, sede do Congresso do México, o projeto é interrompido pelo Partido Revolucionário Institucional (PRI) e seus aliados. O coordenador dos deputados do PRI, César Camacho Quiroz, assegura que seu partido tenha sua própria proposta que geraria maiores economias. Mas para o representante independente de Jalisco, as palavras do deputado é apenas uma simulação e desafia o político mexicano a não permanecer na conversa fiada e avançar sua proposta. 

"As propostas não apresentam mudanças fundamentais, mudança de regime, não apresentam mudanças no modelo de desenvolvimento, políticas e econômicas, e o que acaba acontecendo é que as pessoas estão irritadas com a classe política que temos. Isso melhorará quando os partidos e a classe política forem completamente substituídos e aqueles que fizeram negócios privados com as instituições públicas saiam ", diz Kumamoto. 

Este dinheiro pode ser reduzido no futuro a menos da metade se o Congresso aprovar a iniciativa conhecida como #SinVotoNoHayDinero.

O Instituto Nacional Eleitoral (INE) aprovou a decisão que permitirá que os partidos recebam 6,78 bilhões de pesos a serem gastos em 2018. A este dinheiro também será adicionado os fundos que os institutos locais concedem aos institutos políticos. O endosso desses recursos milionários recebeu críticas fortes das organizações sociais, da mídia e até mesmo da Arquidiocese do México. 

Este dinheiro pode ser reduzido no futuro a menos da metade se o Congresso da União aprovar a iniciativa conhecida como #SinVotoNoHayDinero. No entanto, seu principal promotor afirma que, devido à falta de "vontade política" do PRI, Encontro Social (PES), Nova Alianza (Panal) e Verde Ecologista de México (PVEM), o projeto não pôde avançar em abril a nível federal, porque eles destruiram a sessão para que ela não fosse discutida na Comissão de Pontos Constitucionais da Câmara dos Deputados, onde está congelada desde janeiro deste ano.

Mas a iniciativa tornou-se relevante novamente depois que a Suprema Corte de Justiça da Nação (SCJN) declarou emendas constitucionais ao artigo 13 da Constituição de Jalisco, que havia sido desafiado pelo Movimento Regeneração Nacional (Morena), Panal e PVEM a nível local. Em termos gerais, a mudança que causou a dissidência desses partidos foi que a fórmula para a entrega de recursos aos partidos foi substituída, o que imediatamente reduz significativamente os milhões para os institutos políticos locais.

O dinheiro atualmente distribuído aos partidos é calculado multiplicando o cadastro eleitoral (pessoas que solicitaram sua credencial de eleitor pelo menos uma vez) por 60% de uma Unidade de Medida e Atualização (47,476 pesos). A proposta que está na Câmara dos Deputados e a modificação da Lei que será aplicada para Jalisco altera a fórmula para que, em vez de multiplicar o padrão, se multiplique a votação válida emitida (votos totais, menos votos nulos e em branco) por 65% de uma UMA. 

"O que estamos procurando com o #SinVotoNoHayDinero é que as pessoas possam avaliar, não os encorajamos a não votar".

A declaração de constitucionalidade que o SCJN deu ao #SinVotoNoHayDinero não é exatamente bem vista. Umas das principais críticas é que a iniciativa incentiva a abstenção e pode levar os partidos a procurarem fontes ilegais de financiamento. 

"O que estamos procurando com o #SinVotoNoHayDinero é que as pessoas possam avaliar, não os encorajamos a não votar. Pensamos que é importante que as pessoas saiam para votar, mas, definitivamente, o que acontece hoje é que, se alguém não concorda com os partidos atuais, não tem forma, nem qualquer tipo de incentivo para puni-los ", diz Kumamoto. No México, o nível de abstenção é alto, cerca de 50%. No entanto, Kumamoto ressalta que o Chile, a Colômbia e o Brasil contam com um mecanismo similar de alocação de recursos que será uma realidade em seu estado "e as taxas de participação são muito maiores". 

No final de agosto, o coordenador adjunto do PRI, César Camacho Quiroz, disse que seu partido está pronto para participar da discussão e até mesmo apontou que eles têm uma proposta que irá reduzir os recursos para os institutos políticos. 

Mas para o legislador de Jalisco, o partido oficial faz propostas porque sabe que uma modificação não será possível neste momento. "Infelizmente, o PRI é um partido que se caracterizou por sua enorme demagogia e por fazer-se de tonto. Foi precisamente o que o PRI, o PVEM, o Social Encounter e a Nueva Alianza mostraram quando impediram que esta iniciativa fosse votada em abril, que era o último prazo para aprová-lo para 2018. "

O PRI e seus aliados poderiam matar a iniciativa #SinVotoNoHayDinero através da Comissão de Pontos Constitucionais e assim impedir que ela chegue ao plenário, mas não o fazem "pelo custo político" que isso implicaria, diz Kumamoto.

Kumamoto ressalta que o Chile, a Colômbia e o Brasil contam com um mecanismo similar de alocação de recursos "e as taxas de participação são muito maiores".

Mas a decisão da SCJN promoveu a iniciativa cidadã, estabeleceu um precedente e pode avançar nos estados em que já foi apresentado: Querétaro, Puebla, Durango e Michoacán. Kumamoto está otimista, porque, embora reconheça que é possível que os representantes dos partidos possam freiá-la, "poderia acontecer o que aconteceu em Jalisco: que a pressão dos cidadãos seja tão grande que não lhes sobre opção a não ser impulsioná-la". 

Não só isso: Kumamoto diz que a rede que trabalha na promoção do #SinVotoNoHayDinero já opera em 23 estados e que a participação cidadã é o suporte mais importante da iniciativa: "Nos deixa muito satisfeitos ver a pressão através do telefone, redes sociais, através de diferentes meios. Isso nos ajuda a dizer ao país, e especialmente aos legisladores, por que é importante impulsionar esta iniciativa".


We encourage anyone to comment, please consult the
oD commenting guidelines if you have any questions.