Print Friendly and PDF
only search openDemocracy.net

Os dias de privacidade acabaram?

As mensagens instantâneas tornaram-se o principal instrumento digital para o activismo social e político. Ao mesmo tempo que a sua implementação aumenta, também o fazem as dúvidas sobre a sua confidencialidade. English, Español

Manifestação contra o PRISM em Berlim, organizada pelo Partido Pirata, durante a visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Mike Herbst / Wikimedia Commons. Alguns direitos reservados.

Este artigo é um extrato de um artigo original publicado no eBook El ecosistema de la Democracia Abierta e pode ser encontrado aquí.

Estamos num momento de transformação, uma transformação que merece ser analisada, tanto do lado positivo, que traz consigo um poder relacional emergente (mais interativo, direto e aberto), bem como do seu lado menos evidente e mais escondido. O lado que questiona a privacidade.

O problema reside em um aspecto básico: a Internet é uma rede que foi projetada para compartilhar informações sem pensar em como ela cresceria ou qual seria o seu uso atual.

Por esse motivo, encontramos um grande problema em relação ao gerenciamento da privacidade de seus usuários, uma vez que, atualmente, é muito fácil para uma pessoa ver tudo o que escrevemos ou fazemos à partir dos nossos dispositivos, seja o celular, o computador ou tablet, desde que se tenha uma conexão com a Internet.

Nesse sentido, falar sobre comunicação num nível virtual torna-se um problema complexo uma vez que, embora desde alguns anos atrás a maioria das aplicações de mensagens estão sendo criptografadas, ainda é muito fácil nos espionarem.

Após a Segunda Guerra Mundial, foi criada a aliança dos ‘Cinco Olhos’, composta pelos Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia, Canadá e Reino Unido (UKUSA). Este acordo estipula um pacto de inteligência que espia todos os internautas de maneira constante, sistemática e cumulativa.

No texto, encontraremos vários casos de empresas, indústrias tecnológicas e eletrodomésticos onde diferentes maneiras de espionar internautas são explicadas, mesmo que seus dispositivos estejam desligados.

Além disso, é elucidado como os meta-dados são usados ​​para obter informações que ajudam a determinar o grau de vigilância que deve ser aplicado de acordo com nossos comportamentos.

Finalmente, é descartada a importância de entender a criptografia como sendo a única maneira de proteger nossas comunicações e nossos arquivos, razão pela qual alguns de nossos próprios servidores e serviços não intrusivos são recomendados, o que nos permitirá proteger nossa esfera privada.

About the author

Eduard Martín-Borregón es periodista de datos especializado en seguridad digital. Actualmente es Coordinador de Tecnologías para la Transparencia en PODER, organización cofundadora de Méxicoleaks y Perúleaks, que promociona la creación de nuevas plataformas de filtración anónima y segura en la región.

Eduard Martín-Borregón is a data journalist who specializes in digital security. He is currently Coordinator of Technologies for Transparency at PODER, an organization that co-founded Méxicoleaks and Perúleaks, and promotes the creation of new anonymous and safe whistleblowing platforms in the region.


We encourage anyone to comment, please consult the
oD commenting guidelines if you have any questions.