Print Friendly and PDF
only search openDemocracy.net

A distribuição em massa de tudo

A inovação não é uma opção: é uma necessidade - para melhorar o que fazemos e ter um papel a desempenhar no contexto da economia líquida. English Español

Fab Barcelona Lab do Instituto de Arquitetura Avançada da Catalunha (IAAC). Na imagem, o artista e designer Olafur Eliasson dá uma palestras à rede fab.

Desde há uns anos que assistimos ao aparecimento do poder relacional, da transversalidade, da participação. Este é o fundamento que dá sentido e protagonismo à tecnopolítica, base sobre a qual se conceitualiza e se adopta uma nova visão da democracia: mais aberta, mais directa, mais interactiva. Um marco que supera a arquitectura fechada sobre a qual se cimentaram as praxis da governança (fechadas, hierárquicas, unidireccionais) em quase todos os âmbitos. Esta serie sobre “O ecossistema da democracia aberta” pretende analisar os diferentes aspectos desta transformação em movimento.

Centenas de anos atrás, a agricultura tornou possível o excesso de produção, o que levou à acumulação de propriedade, à concentração da população nas cidades e à extinção do caçador-colector. Centenas de anos mais tarde, foi criado um sistema para organizar o intercâmbio de serviços e produtos a um nível abstracto: o dinheiro. A economia actual é baseada no fluxo de dinheiro real e fictício, através do qual se simplifica o valor dos activos, as habilidades, pessoas, recursos, e quase todos os elementos da nossa realidade. O dinheiro tornou-se um meio e um fim.

Se antes a agricultura transformou radicalmente a forma como os seres humanos habitam o planeta, a monocultura do dinheiro está a ameaçar hoje a própria vida. A nossa economia pressupõe que temos à nossa disposição um planeta ilimitado, para que possamos concentrarmos num único objectivo: cultivar dinheiro – tanto dinheiro quanto sejamos capazes de cultivar. O que torna possível a monocultura do dinheiro é, por um lado, o controlo sobre o acesso à informação (a Internet está a ser sequestrada, no caso de que ainda não se tenha apercebido) e, por outro, a concentração dos meios de produção: a energia, a agriculturas e os objectos/ferramentas que permitem aos seres humanos sobreviver e interagir com o seu habitat. A gestão (o sequestro) de activos físicos e os recursos naturais são organizados através de outras abstracções: sistemas legais, leis e modelos económicos apoiados por governos e corporações nacionais. Se democratizássemos os meios de produção e os tornássemos acessíveis, e se dispuséssemos e protegêssemos a nossa informação digital, estaríamos a desafiar os fundamentos das estruturas económicas, políticas e sociais que regem o mundo hoje em dia.  

Propósito, significado e propriedade são palavras-chave para ter em mente quando se discute o futuro. Não é a realidade virtual e a inteligência artificial, nem a linguagem ML, nem a robótica, a computação quântica, a automação, ou a biologia sintética. O que devemos perguntar-nos é: porquê e para quem é que essas tecnologias são úteis? Quem decide o que fazer com elas? E quanto sabemos realmente sobre as mesmas?

Estas são as questões que motivam os indivíduos, comunidades e organizações a trabalhar juntos para propor e construir novas formas de possuir e usar a tecnologia e colocá-lo ao serviço do ser humano e do planeta, não só para sobreviver, mas para conviver em harmonia com os nossos sistemas vivos. Esta é, pelo menos, a aspiração. Queremos inventar o futuro, não tanto para o prever, mas para o tornar mais acessível e para enfrentar os grandes desafios do nosso tempo, que são principalmente sociais e ambientais. Na rede Fab Lab há mais de dez anos que investigamos o papel da tecnologia na sociedade, criando novos programas e desenhando projectos destinados a desenvolver um novo modelo económico e produtivo para a sociedade.

O primeiro Fab Lab fora do MIT foi criado Mel King, há mais de uma década no South End Technology Center de Boston (SETC), em colaboração com Center for Bits Atoms no MIT. A visão que tinha Mel era a de usar a tecnologia que podia oferecer o laboratório para recuperar a vida dum bairro que tinha vindo a sofrer há décadas os efeitos da segregação racial e pobreza em benefício do mercado imobiliário. Algumas décadas antes, Jane Jacobs já tinha alertado sobre as terríveis consequências do desenvolvimento urbano massivo, impulsado exclusivamente por razões económicas, em Nova Iorque. Jane Jacobs enfrentou Robert Moses, na que acabou por ser uma das batalhas mais famosas da história do urbanismo, do activismo e da sociologia. Jacobs defendia a ideia que as cidades devem ser criadas para os seus cidadãos e que a tirania do carro e das vias de circulação rápida, a eliminação das identidades comunitárias construidas ao longo de gerações, a dinámica do mercado e o progresso foram matando o ADN das cidades.

As crianças no South End de Boston foram vítimas do novo modelo urbano que hoje continua a impulsionar o desenvolvimento das cidades. A comunidade local e Mel decidiram agir, tornando a tecnologia acessível e colocá-la ao serviço da construção do futuro das crianças do bairro que que estavam a ficar para trás, porque não encaixavam no sistema de ensino "normal", e para criar mecanismo para criar alternativas ao tipo de trabalhos que acabam por desempenhar muitas vezes as crianças negras e latinas. O SETC actua há 15 anos, oferecendo às crianças em Boston workshops gratuitos e conselhos para desenvolver a sua criatividade. O laboratório de Mel tem inspirado centenas de laboratórios em todo o mundo, nos quais o essencial é a dimensão social da tecnologia. Muitas vezes ouvimos que os Fab Labs são elitistas, ou muito focados no MIT, ou até mesmo um lugar para entusiastas da computação, mas o mundo deveria informar-se melhor sobre Mel King, o homem que, há 50 anos, organiza almoços em sua casa aos domingos, onde as pessoas cantam, discutem e debatem questões que afectam a comunidade, ou simplesmente se reúnem para ler poesia.

Mas, pode um Fab Lab ajudar a reconstruir comunidades e atrair novas oportunidades económicas? O Fab Lab Barcelona, ​​o primeiro Laboratório de Fab na Europa, abriu há 10 anos no Poblenou, um bairro pós-industrial com uma forte história de produção e mão de obra, que era conhecido como o Manchester da Catalunha. A comunidade local tem vindo a sofrer as consequências da desindustrialização que atingiram a maioria das cidades durante o último quarto do século XX e da devastadora crise económica que, entre outras coisas, tem posto em causa o plano para a renovação urbana 22@ (que lançou a Camara Municipal de Barcelona para estimular o investimento na área). A crise de 2008 reduziu o capital opções de investimento em Barcelona, ​​e o mercado imobiliário do Poblenou não cresceu como esperado, mesmo que algumas faculdades e departamentos da universidade em si se tenham mudado para a área, como algumas grandes corporações imunes à crise. Então, o bairro começou a abraçar novas indústrias criativas - estúdios de design, pequenas escolas de arquitectura e design empresas de produção digital - que, juntamente com galerias de arte e edifícios ocupados, começaram a criar uma nova identidade de bairro, como em Brooklyn, Wynwood ou Mitte, dando lugar a importantes questões relacionadas com a gentrificação.

Sessão de co-criação do Maker District. O projecto visa apoiar o ecossistema local para permitir a transição para um bairro produtivo utilizando as novas tecnologias.

O Poblenou está-se a tornar num ecossistema no qual diferentes iniciativas estão a construir uma nova identidade, não planeada, que surge como resultado da crise económica, mas também devido à obsolescência de planeamento urbano tradicional. O bairro agora tem uma associação de iniciativa privada (Poblenou Distrito Urbano), que reúne a maioria destas indústrias criativas, e que mantem um continuo fluxo de comunicação entre os seus membros, organiza eventos e promove o potencial da área na cidade e mais além da mesma. No Poblenou, o Fab Lab Barcelona e o Fab Lab City encontraram o contexto perfeito para se estabelecer e trabalhar no futuro da tecnologia e no seu potencial impacto social. No Poblenou, o recentemente criado Maker District (como parte do Plano Digital de Barcelona) está a procurar acrescentar una nova dimensão à dinâmica existente no bairro.

O Maker District foi concebido como um processo colaborativo e de co-criação que visa levar a cabo, juntamente com a comunidade local e uma rede global, a visão do projecto Fab City, criando um espaço de experimentação para projectar, construir, testar e mapear novas formas de governança, comércio e produção local (bairro) usando tecnologias avançadas para acelerar o processo de obtenção de cidades mais resilientes e inclusivas. A escala da cidade, Fab Lab Barcelona lidera o desenvolvimento da rede pública de Fab Labs: aconselha o Conselho Municipal na construção da primeira fornada de infra-estruturas na Fab City, como descrito no projecto Livro Branco. O recém-chamado Ateneus de Fabricação terá então de escolher entre dois modelos operacionais: a) ser burocratizado pela maquinaria da Cidade, ou b) tornar-se numa força de vanguarda da inovação nas políticas públicas. Por enquanto, esta questão ainda está por responder.

Mais além da intervenção pública no ecossistema de inovação em Barcelona, ​​iniciativas privadas têm ido florescendo e criando oportunidades mais além do movimento maker, tanto que em Barcelona e na Catalunha, através de espaços como o Makers of Barcelona, TEB (parecido ao SETC de Boston), Tinkerers Lab, Beach Lab, Green Fab Lab – para citar apenas alguns. Estes espaços tornam a tecnologia acessível às pessoas de maneiras diferentes, conectando-se com actividades de trabalho de colaboração, iniciativas de acção social e programas educacionais. Este é um modelo a interessante, que propusemos a diferentes administrações públicas, o das parcerias público-privadas para criar novos laboratórios colaboração: em vez de que a Câmara Municipal concentre a inovação e gaste milhões de euros em novos edifícios, menos de 30% desse investimento poderia ser redirigido para iniciativas privadas que já existem na cidade. Estas iniciativas, por sua vez, poderiam oferecer programas de treino oficinas abertos e livres, ajudando a resolver o problema do desemprego através do ensinamento de competências e habilidades novas.

O investimento público e privado em novas tecnologias de produção digital em Barcelona está a adquirir uma dimensão mais ampla com o surgimento da Indústria 4.0, que pretende digitalizar os processos de fabricação a grande escala. A indústria 4.0 é erroneamente equiparada à Internet das Coisas e à impressão 3D, que são algumas das tecnologias emergentes apelidadas de processos de produção do conhecimento. A nova industrialização das cidades deve olhar mais além da visão tecnocentrica e investir mais em aproximar a tecnologia às pessoas. Ao mesmo tempo, as indústrias devem abandonar a abordagem económica tradicional do modelo extractivista, o que os torna "tomadores" em vez de "facilitadores", para assim permanecer relevante no contexto da produção distribuída. Além disso, o sector público poderia experimentar novas maneiras de promover negócios, emprego e inovação controlada, sem ter que gastar milhões em infra-estruturas, competindo com modelos de iniciativas privadas. Neste sentido, o governo catalão lançou a iniciativa CatLabs para criar mecanismos que permitam a criação de um ecossistema territorialmente mais extenso, a compreensão da ideia de "laboratório" como uma forma permanente de funcionamento. No nosso mundo em mudança, a inovação não é uma opção: é uma necessidade - para melhorar o que fazemos e como o fazemos e ter um papel a desempenhar no contexto da economia líquida.

Barcelona tem um ecossistema único que pode servir como um protótipo para novas formas de produção nas cidades, o que também está a acontecer em Paris, Santiago, Amsterdão, Shenzhen ou Detroit, ou em países como o Butão e a Geórgia, lugares que adoptaram e replicaram à sua maneira o conceito da Cidade Fab, ligada em rede como parte da comunidade global comprometida com a construção de um novo modelo produtivo e económico para o futuro. Com o surgimento de novas formas de fazer política no contexto da chamada democracia líquida, poderíamos estar perante um ponto de viragem interessante para o governo das cidades, habituado a uma forte presença do público em quase todos os sectores, unicamente desafiado por governos centrais ou grandes corporações.

Numa nova replicação da democracia, a participação não deve ser limitada a dar um parecer ou a delegar poderes em representantes eleitos, mas sim criar e co construir bairros e cidades. O risco aqui é que, com as lutas de poder a alto nível (cidade, região, país, empresas), aos outros actores (os cidadãos, as comunidades, as pequenas empresas) não reste outra opção que não seja a de navegar em águas desconhecidas, com regras de jogo incertas, e sujeitos à personalização do poder.

Sem infra-estruturas institucionais que permitam novos modelos de produção da cidade, corremos o risco de repetir os mesmos erros que a economia extractivista impulsada pelo mercado cometeu. Temos a oportunidade de experimentar novas formas de governança, com todas as partes interessadas, de forma justa e transparente, utilizando tecnologias que podem fazer a transição para uma nova economia - a transição para a distribuição massiva de tudo (incluindo a democracia, a participação, a responsabilidade e a governança).

About the author

Tomás Díez is a Venezuelan city planner specialised in digital production and its implications for the future of cities and society. A founding member of the Fab Lab Barcelona at the Institute for Advanced Architecture of Catalonia (IAAC), he currently manages the Fab City Research Laboratory and the Fab Foundation European project and several projects with the global network of Fab Labs. He is also a tutor in Product Design at the London Royal College of Arts, where he co-directs the Exploring Emergent Futures platform, and was singled out by The Guardian and Nesta as one of the top 10 digital social innovators in 2013.

Tomás Díez es un urbanista venezolano especializado en la producción digital y sus implicaciones para el futuro de las ciudades y la sociedad. Miembro fundador del Fab Lab Barcelona del Instituto de Arquitectura Avanzada de Cataluña (IAAC), dirige actualmente el Fab City Research Laboratory y el proyecto europeo Fab Foundation. Es también tutor de Diseño de Producto en el Royal College of Arts de Londres, donde co-dirige la plataforma Exploring Emergent Futures, y fue seleccionado por The Guardian y Nesta como uno de los 10 mejores innovadores sociales digitales de 2013. 


We encourage anyone to comment, please consult the
oD commenting guidelines if you have any questions.