Print Friendly and PDF
only search openDemocracy.net

A evolução e a inovação humana andam de mãos dadas?

A inovação não é uma opção: é uma necessidade - para melhorar o que fazemos e ter um papel a desempenhar no contexto da economia líquida. English, Español

Fab Barcelona Lab do Instituto de Arquitetura Avançada da Catalunha (IAAC). Na imagem, o artista e designer Olafur Eliasson dá uma palestras à rede fab.

Este artigo é um extrato de um artigo original publicado no eBook El ecosistema de la Democracia Abierta e pode ser encontrado aquí.

Ao longo da história, houve múltiplos marcos que transformaram populações, cidades, processos, formas de proceder e até mesmo os modos de interação e relacionamento entre seres humanos.

Se olharmos para trás, podemos ver que o surgimento da agricultura foi um desses marcos que mudou inúmeros hábitos das pessoas e da constituição organizacional das sociedades, eliminando a figura do caçador-coletor e transformando os indivíduos em acumuladores de bens que finalmente conseguiram se concentrar em lugares específicos, que mais tarde se tornaram aldeias.

Isso causou uma mudança drástica; começamos a habitar o planeta de uma maneira completamente diferente.

Por outro lado, a chegada do dinheiro, como forma de troca de produtos e serviços a um nível abstrato, marcou o início de uma nova forma de economia, que se estende até ultimamente.

Neste sentido, algumas questões são geradas em relação às mudanças sociais, econômicas e políticas decorrentes da tecnologia e da internet, como também às relações de poder que existem por trás delas.

No texto, várias variáveis ​​são analisadas e são propostas algumas questões que deveríamos nos fazer em relação a elas, tais como: para que e para quem as tecnologias são úteis? Quem decide o que fazer com elas? Ou, quanto sabemos realmente sobre elas?

Também destaca a necessidade de propor e construir novas formas de usar a tecnologia e a Internet através da participação de indivíduos, comunidades e organizações que desenvolvam caminhos alternativos conjuntamente, com o objetivo de colocar todos esses avanços tecnológicos ao serviço dos seres humanos e do planeta.

Afinal, Barcelona é exibida como uma cidade com um ecossistema perfeito para encontrar e experimentar essas novas ideias sobre a produção nas cidades, de forma justa e transparente, para que elas possam ser replicadas e adaptadas em outras partes do mundo.

About the author

Tomás Díez is a Venezuelan city planner specialised in digital production and its implications for the future of cities and society. A founding member of the Fab Lab Barcelona at the Institute for Advanced Architecture of Catalonia (IAAC), he currently manages the Fab City Research Laboratory and the Fab Foundation European project and several projects with the global network of Fab Labs. He is also a tutor in Product Design at the London Royal College of Arts, where he co-directs the Exploring Emergent Futures platform, and was singled out by The Guardian and Nesta as one of the top 10 digital social innovators in 2013.

Tomás Díez es un urbanista venezolano especializado en la producción digital y sus implicaciones para el futuro de las ciudades y la sociedad. Miembro fundador del Fab Lab Barcelona del Instituto de Arquitectura Avanzada de Cataluña (IAAC), dirige actualmente el Fab City Research Laboratory y el proyecto europeo Fab Foundation. Es también tutor de Diseño de Producto en el Royal College of Arts de Londres, donde co-dirige la plataforma Exploring Emergent Futures, y fue seleccionado por The Guardian y Nesta como uno de los 10 mejores innovadores sociales digitales de 2013. 


We encourage anyone to comment, please consult the
oD commenting guidelines if you have any questions.