democraciaAbierta: Opinion

A reação dos EUA aos refugiados do Haiti é espantosa, mas previsível

A insistência na mesma estratégia de exploração econômica e interferência continuará a produzir os mesmos efeitos colaterais

democracia Abierta Manuella Libardi
30 Setembro 2021, 12.00
Migrantes do Haiti em um abrigo na fronteira dos EUA
|
Edgard Garrido/REUTERS/Alamy Stock Photo

Imagens de agentes da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos a cavalo perseguindo haitianos com rédeas horrorizaram a todos – com razão –, mas não deveriam surpreender. Considerando que, durante a crise de refugiados haitianos de 1991 a 1993, o governo de George H.W. Bush enviou 12 mil haitianos para a prisão de Guantánamo, o país já deixou claro qual é sua estratégia para lidar com as vítimas das inúmeras crises no país caribenho.

Os 15 mil haitianos que chegaram à fronteira EUA-México e as deportações em massa pelo governo Biden não são um episódio novo ou inesperado, mas o resultado de mais de um século de crises geradas por inépcia, exploração e fracassos de intervenções internacionais passadas e presentes.

A atual crise no Haiti é complexa e certamente se deve em grande parte à incompetência e à falta de governança no país. Mas ignorar as múltiplas maneiras em que os Estados Unidos contribuíram para a desestabilização do Haiti seria um desserviço histórico. Não é preciso ir muito longe, apesar de que elas certamente acontecem desde sempre.

As conexões entre as agências americanas e o assassinato do presidente Jovenel Moïse são indiscutíveis. Um dos cidadãos americanos detidos em conexão com o crime é um suposto informante da agência antidrogas dos Estados Unidos (DEA), cargo que ocupava há 20 anos. E a DEA atua ativamente no Haiti, onde exerce amplo poder político na ilha, como o "incidente dos narco-sobrinhos" e a captura de Guy Philippe o demonstram.

Poucos dias após o assassinato, o próprio governo haitiano pediu uma intervenção das tropas americanas para proteger a infraestrutura do país diante do caos resultante, declarações que polarizaram o país e a comunidade internacional, dado o legado desestabilizador das intervenções americanas no Haiti.

A ocupação de 1915-1934 ocorreu em circunstâncias semelhantes

Não faz 100 anos que as tropas americanas se retiraram do Haiti, que havia sido a colônia mais lucrativa do mundo, após uma ocupação de quase duas décadas. Não é de estranhar que a ocupação (1915-1934) tenha ocorrido sob a justificativa de que a presença dos Estados Unidos era necessária para estabilizar o Haiti após anos conturbados que resultaram em vários assassinatos, golpes e exílios forçados de líderes – um período de instabilidade que já havia sido influenciado por interesses econômicos estrangeiros.

A morte, em 27 de julho de 1915, do impopular e autoritário Jean Vilbrun Guillaume Sam, que tinha o apoio do governo dos Estados Unidos, gerou uma série de levantes antiamericanos. A ascensão de Rosalvo Bobo ao poder e o sentimento antiamericano na ilha pavimentaram o caminho para uma possível invasão alemã, levando o presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson, a agir com rapidez para preservar sua influência política e os interesses econômicos do país na ilha.

Merced_Sun-Star_-_Killing_of_Haitians_is_Admitted.jpg

Em vez da estabilização, como prometido, a presença e subsequente retirada das tropas americanas deixou o país imerso em uma crise institucional que marcou sua história no século 19 – e continua influenciando sua dificuldade de governança até hoje. Em 2015, por ocasião do 100º aniversário da chegada das tropas americanas na ilha, o escritor haitiano-americano Edwidge Danticat argumentou que a désocupation dos Estados Unidos, de fato, nunca aconteceu.

As ocupações dos anos 1990 e 2000 criaram ainda mais desestabilização

Mais recentemente, os Estados Unidos invadiram o Haiti novamente em 1994, após capturar refugiados haitianos que fugiam do país após o golpe militar de 1991 e enviá-los para Guantánamo, um símbolo internacional de injustiça, abusos e violações dos direitos humanos. Apesar disso, os soldados americanos foram recebidos com aplausos e vivas em setembro de 1994, quando o governo Clinton foi forçado a "restaurar a democracia no Haiti" em face de sua incapacidade de lidar com o fluxo de refugiados.

Depois de restaurar Jean-Bertrand Aristide ao poder, os Estados Unidos voltaram a interferir quando o presidente foi deposto novamente em 2004, um golpe que Aristide acusa o governo George W. Bush de orquestrar.

Guantanamo_Haitian_refugee_camp.jpg
Campo de refugiados haitianos em Guantánamo | Domínio Público

O historiador Robert Fatton argumenta que ambas as intervenções são responsáveis ​​por muitas das crises que assolam o Haiti desde os anos 1990. Isso ocorre, entre outros motivos, porque o retorno de Aristide ao poder negociado pelos Estados Unidos se deu baixo a condição de que o presidente assinasse um acordo com o FMI que resultaria na importação de quase todos os alimentos do país, criando dependência e minando sua produção nacional.

“[Após a intervenção], o Haiti se tornou um país dependente de organizações financeiras internacionais para seu financiamento, seu orçamento – estava e ainda está à mercê do que a comunidade internacional está disposta a dar”, argumenta Fatton.

A ajuda do terremoto de 2010 nunca teve como objetivo estabilizar o Estado haitiano

Essa dependência ficou escancarada após o terremoto de 2010. Considerado um "Estado falido" incapaz de autogoverno, a reconstrução da ilha após uma das piores catástrofes urbanas recaiu sobre a ajuda humanitária, ajuda que, como argumenta o jornalista Jonathan Katz, "nunca foi destinada ao consumo haitiano". Pelo menos 93% dos bilhões de dólares foram reinvestidos na ONU ou em outras organizações não governamentais. Apenas 1% do valor foi para o governo do Haiti, afirma.

O ciclo vicioso é infinito. A solução é incerta. Mas a resposta dos Estados Unidos aos refugiados haitianos em sua fronteira, que se soma à onda migratória da América Central que já enfrenta, deve levar em conta seu histórico de intervenções e influência no Haiti. A insistência na mesma estratégia colonizadora atual de exploração econômica e interferência eleitoral continuará a produzir os mesmos efeitos colaterais.

Assine nossa newsletter Acesse análises de qualidade sobre democracia, direitos humanos e inovação política na América Latina através do nosso boletim semanal Inscreva-me na newsletter

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData