democraciaAbierta

6 vozes que lutam contra a violência de gênero na América Latina

Apresentamos ativistas pouco conhecidas que lutam de norte a sul do continente para dar voz às mulheres e defender sua dignidade. Español English

democracia Abierta
28 November 2018

O mundo ainda está longe de eliminar a violência de gênero. Estima-se que 35% das mulheres no mundo tenham sofrido alguma forma de violência física e sexual, uma figura alarmante em uma comunidade internacional que planeja acabar com a violência contra mulheres e meninas até 2030, segundo o quinto Objetivo de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

O Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres é fundamental para tornar essa realidade visível, embora o eco necessário para dar voz aos ativismos invisíveis em regiões como a América Latina, que mantém o perverso recorde de liderar a taxa global de feminicídio

Portanto, além das tendências e hashtags empregadas por celebridades, organizações de mulheres e mídia convencional, é importante e necessário destacar vozes invisíveis que, de lugares incomuns, lutam para mudar essa complexa realidade cultural na América Latina.

Apresentamos 6 ativistas pouco conhecidos que lutam de norte a sul do continente para dar voz às mulheres e defender sua dignidade:

1) Maria da Penha: deu nome a lei contra a violência doméstica e familiar no Brasil

mariadapenha2_YwHtArG.width-800.jpg

Maria foi baleada pelo marido enquanto dormia, deixando-a paraplégica e em uma cadeira de rodas pelo resto da sua vida. Ele também tentou eletrocutá-la depois que via que ela havia sobrevivido o primeiro ataque.

Seu caso permaneceu em espera devido a um sistema judicial ineficiente e altamente sexista, enquanto o marido permaneceu livre.

Anos depois, sua luta incansável abriu caminho para a Corte Interamericana de Direitos Humanos responsabilizar o governo brasileiro por seu caso, obrigando o Estado a criar uma lei para acusar os autores de atos de violência doméstica.

Esse caso ganhou atenção significativa da mídia no Brasil e o governo respondeu criando a lei Maria da Penha em 2006, que tratava da questão da violência doméstica.

Essa lei garantiu os direitos de 3 milhões de mulheres que receberam assistência desde então e garantiu a acusação de cerca de 331.000 agressores.

2) Hermelinda Tiburcio: uma forte voz indígena contra a violência sexual

hermelindatiburcio_0_TBy3xBB.width-800.jpg

No México, em Costa Chica, Guerrero, Hermelinda representa as vozes de mulheres indígenas que sofrem violência caracterizada por exclusão e desigualdade social.

Sua luta incansável a levou a ser ameaçada e perseguida a ponto de sofrer três tentativas de assassinato. Ela foi a primeira mulher indígena a denunciar publicamente um caso de estupro em 1999, quando soldados mexicanos atacaram duas mulheres de sua comunidade.

Ao denunciar o governo e o exército, ela foi ameaçada até receber proteção da ONU. Desde então, sua história se tornou um símbolo da luta para chamar a atenção para a exclusão, a violência e a discriminação sistemática das mulheres indígenas em particular.

3) Susana Chávez: inspirou o movimento #NiUnaMenos contra o feminicídio

susanachavez_0_cgn0Iqo.width-800.jpg

Esta ativista e poeta de Chihuahua, México, combinou suas palavras com ativismo em defesa dos direitos humanos e movimentos sociais, a fim de trazer à luz os horríveis e sistemáticos feminicídios que ocorreram em Ciudad Juárez nos anos 90.

Sua luta mais tarde se tornaria um movimento poderoso que se espalharia pela América Latina e pelo mundo. O hashtag #NiUnaMenos vem de um poema que ela escreveu.

No entanto, em janeiro de 2011, após denunciar membros do “Clan Azteca” como autores de um caso de feminicídio, Susana se tornou sua próxima vítima. Ela tinha apenas 36 anos.

Graças à luta de Susana, o feminicídio é agora um fenômeno reconhecido em todo o México e em toda a região da América Latina, e sua poesia se tornou uma força motriz de uma das mais poderosas mobilizações feministas do mundo.

4) Taya Carneiro: a brasileira que luta para proteger mulheres trans

tayacarneiro_0_vHss3oT.width-800.jpg

Taya, mulher da periferia de Brasília, é uma das vozes que falam pelas mulheres trans e pela violência que elas sofrem em todo o mundo.

Em 2017, e com apenas 24 anos de idade, Taya tornou-se presidente da União Libertária de Travestis e Mulheres Transexuais do Distrito de Brasília, liderando uma campanha para combater preconceitos negativos, como a ideia de que trans é um distúrbio médico.

Seu ativismo tem se concentrado na investigação e criação de coletivos que promovem os direitos da comunidade LGBTI e melhoram o entendimento geral da identidade trans como forma de prevenir a violência de gênero, um problema significativo no Brasil.

Devido ao seu ativismo e sua pesquisa, ela apresentou seu caso de violência contra mulheres trans em Nova York durante o Dia Internacional da Juventude da ONU.

5) Dora Coledesky: uma figura-chave no movimento da 'maré verde' na Argentina

doracoledesky_PNIWQww.width-800.jpg

Na Argentina, Dora é uma das figuras mais importantes dentro do movimento maré verde este ano, que mobilizou milhões na Argentina e em todo o mundo para exigir o aborto legal no Cone Sul.

Desde muito jovem, sua luta para legalizar o aborto a levou aos holofotes dos ativistas para mudar a lei na Argentina por meio da mobilização cidadã. Seu objetivo era garantir gradualmente mais direitos e garantias constitucionais para as mulheres.

Ela liderou a primeira organização de todos os tempos na Argentina que propôs a legalização do aborto, a Comissão pelo Direito ao Aborto em 1987, e sua luta levou à articulação de leis que gradualmente garantiam mais direitos sexuais e reprodutivos para as mulheres na Argentina, embora ainda haja um longo caminho a percorrer.

6) Bellanir Montes: a face do feminismo na periferia de Bogotá

bellanir_0_wQKiVhc.width-800.jpg

Bellanir Montes é líder comunitária na cidade de Ciudad Bolívar, nos arredores de Bogotá, que trabalha desde os anos 90 na luta pelos direitos das mulheres.

Ela trabalha incansavelmente para promover a causa feminista e fez parte de inúmeros atos que exigem o fim da violência e a construção da paz em sua comunidade.

Após o trágico feminicídio de sua filha Nayibe Reyes Montes, em 2011, que foi morta tentando defender uma mulher abusada, sua luta só se tornou mais forte. Hoje, Bellanir faz parte do Colectivo Nayibe, uma das 13 organizações que compõem a Rede de Mulheres pelo Poder e a Paz de Ciudad Bolívar.

Nesta rede, as mulheres lutam para reverter os papéis prejudiciais de gênero que as mantêm em uma posição submissa e advogam pelo reconhecimento das mulheres nas esferas política e pública.

Elas reforçam o valor das mulheres como agentes ativos de transformação, participação e construção da paz, enquanto redefinem os papéis de gênero no espaço público e privado para mitigar atos de violência.

Essas 6 histórias de ativistas que lutam com paixão e coragem do México, Brasil, Colômbia e Argentina e ajudaram a criar movimentos internacionais que definem a nova direção dos direitos das mulheres na região e no mundo inteiro.

Não há dúvida de que suas contribuições, juntamente com milhares de outras mulheres corajosas que arriscam suas vidas para lutar por seus direitos, foram vitais para avançar nos domínios dos direitos das mulheres e na luta contra a violência de gênero na América Latina. .

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData