democraciaAbierta

A transição venezuelana está dominada por homens. Por enquanto.

Apesar da evidência que destaca a importância da participação de mulheres nos processos de democratização, essas descobertas não estão sendo aplicadas no processo político na Venezuela. Español Inglês

Maryhen Jimenez Morales Julia Zulver
8 April 2019
A líder da oposição, Maria Corina Machado, visitou a cidade de Valencia, Carabobo, no Dia Internacional da Mulher de 2018, Venezuela, 8 de março de 2018.
|
Juan Carlos Hernandez/Zuma Press/PA Images. Todos os direitos reservados.

No dia 23 de janeiro, os venezuelanos iniciaram uma nova tentativa em sua luta pela recuperação da democracia. Seu novo líder, Juan Guaidó, que conseguiu unir novamente a oposição, pode ser o homem que levará o país à democratização.

Por enquanto, surpreenderam os níveis de organização e profissionalização da nova política de oposição e, por isso, podemos pensar que Guaidó está certo em dizer que estamos indo bem. No entanto, pelas imagens que vemos e notícias que lemos, há um padrão que sempre assusta: a ausência de liderança feminina.

Todos os estrategistas e principais porta-vozes nacionais e internacionais são homens: Julio Borges, Leopoldo López, Antonio Ledezma, Carlos Vecchio, David Smolanksy, Henrique Capriles, Henry Ramos, Lester Toledo e Luis Almagro, para citar alguns. As únicas exceções notáveis a esta tendência são Maria Corina Machado e Delsa Solorzano, que nos últimos anos desempenharam um papel muito importante na política nacional. Apesar disso, seus papéis ainda parecem secundários em comparação com os de seus colegas do sexo masculino.

A pouca representatividade de mulheres torna vulnerável a nascente "primavera venezuelana". Vejamos como.

Por que vemos que as mulheres continuam pouco representadas nas transições contemporâneas?

Em 2000, a Resolução 1325 do Conselho de Segurança das Nações Unidas especificamente "reafirmou o importante papel das mulheres na prevenção e resolução de conflitos, negociações de paz, construção da paz, manutenção da paz, resposta humanitária e na reconstrução pós-conflito e ressaltou a importância de sua participação igualitária e plena participação em todos os esforços para a manutenção e promoção da paz e da segurança ".

Da mesma forma, a literatura sobre processos de democratização e negociações de paz mostra que as mulheres desempenham um papel essencial na configuração dos resultados políticos. Se este é o caso, por que vemos que as mulheres continuam pouco representadas nas transições contemporâneas?

O caso da Venezuela é um exemplo perfeito para ilustrar como, apesar do fato das mulheres desempenharem um papel crucial diário na mobilização e organização contra o regime, são os homens que dominam os debates, o discurso, a liderança e os debates públicos e as nomeações para cargos-chave dentro da oposição.

O trabalho da socióloga venezuelana Verónica Zubillaga sobre as respostas das mulheres à violência urbana militarizada em Caracas destaca as várias maneiras pelas quais os grupos de base desenvolvem uma agência resistente em contextos de alto risco. Seu trabalho documenta um bairro onde uma organização de mulheres negociou com sucesso um cessar-fogo com grupos armados locais. Não vemos razão para que essas lições não possam ser extrapoladas e expandidas para aplicá-las à atual dinâmica política do país.

Podemos aproveitar um grande número de exemplos fora do contexto venezuelano que revelam a importância de incluir mulheres em transições e contextos pós-conflito.

Na Irlanda do Norte, mulheres como Monica McWilliams e May Blood tiveram um papel fundamental nas negociações que levaram ao Acordo da Sexta-Feira Santa. Elas criaram a Coalizão de Mulheres da Irlanda do Norte que influenciou diretamente o conteúdo do Acordo, expandindo a agenda para incluir questões sociais. Elas também foram capazes de perfurar divisões políticas e religiosas, criar confiança pública e "dar um rosto humano ao conflito".

No país vizinho, Colômbia, também vimos uma participação ativa de mulheres em Havana: na mesa principal de negociações, na Subcomissão de Gênero, como representantes das vítimas do conflito e como líderes de organizações de mulheres. Phumzile Mlambo Ngcuka, diretora da ONU Mulheres, observou que na Colômbia: "o sucesso [e a participação efetiva] das mulheres ressalta as evidências de que a participação das mulheres aumenta a possibilidade de alcançar um Acordo de Paz".

Na Libéria, Guatemala, Burundi, Somália e Sudão, as organizações de mulheres têm sido fundamentais para exigir a assinatura de acordos de paz. Uma investigação da ONU Mulheres destaca que a participação das mulheres nas negociações de paz aumenta a probabilidade de uma paz duradoura.

A incorporação de uma perspectiva de gênero tem o potencial de transformar representação, participação, comportamentos políticos, atitudes e percepções culturais, mas também é necessária para criar uma sociedade mais pacífica e estável a longo prazo.

Por outro lado, a experiência empírica mostra que a falta de uma representação equilibrada pode ter consequências negativas para uma sociedade pós-conflito. Podemos ver isso nas possíveis negociações de paz no Afeganistão, onde as mulheres temem que sua falta de participação na mesa de negociações leve a um retrocesso em seus direitos e "anunciem uma nova guerra contra as mulheres".

A questão da participação de mulheres não pode mais ser considerada uma questão posterior à luta pela democratização, pois representa um componente crucial nesse processo.

A incorporação de uma perspectiva de gênero tem o potencial de transformar representação, participação, comportamentos políticos, atitudes e percepções culturais, mas também é necessária para criar uma sociedade mais pacífica e estável a longo prazo.

Não estamos defendendo que mulheres participem da transição para representar os interesses das mulheres, embora reconheçamos que essas questões também são relevantes para uma Venezuela democrática. Em vez disso, o que argumentamos é que o processo de transição seja inclusivo e representativo, de modo que, dessa maneira, se estabeleçam bases para uma sociedade pós-transição mais participativa e igualitária.

A igualdade de gênero e a igualdade de representação não são "questões de mulheres" que podem ser abordadas depois que as "questões difíceis" sejam negociadas. A igualdade de gênero, como mostram os estudos realizados a esse respeito, leva a melhores políticas públicas, a uma economia mais vibrante, a uma força de trabalho baseada nos talentos de toda a população, entre outras vantagens.

Se a oposição quiser ser coerente com seu discurso de criação de uma Venezuela próspera, essa nova liderança política emergente deve promover a representação igualitária em todas as esferas.

A participação de mulheres no estabelecimento da agenda política trará muitos benefícios para o país. É por isso que não se deve deixar de lado esse aspecto essencial da transição.

Mas para que isso aconteça, as mulheres têm que ocupar posições de liderança e de tomada de decisão agora, como expressão da luta que lideraram e continuam liderando contra o regime.

Se a oposição quiser ser coerente com seu discurso de criar uma Venezuela próspera e uma "Venezuela que funcione para todos, independentemente de cores, raça ou crenças políticas", como o presidente interino Guaidó tem dito constantemente, essa nova liderança política emergente deve promover uma representação igualitária em todas as esferas, desde a política, economia, indústria, educação e outras.

A Venezuela que está emergindo da transição deve e tem que ser mais igualitária.

Uma versão deste artigo foi publicada no Al Navío. Leia o conteúdo original aqui.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram