democraciaAbierta: Opinion

Após a pandemia, retornaremos ao 'business as usual'?

A nova normalidade pós Covid-19 será business as usual ou uma oportunidade de começar a mudar o paradigma da nossa civilização? Español

IMG-0249.JPG
Francesc Badia i Dalmases
30 April 2020
Foto aérea de Manhattan, em Nova York, tirada em outubro de 2019.
|
Li Muzi/Xinhua News Agency/PA Images

Os meteorologistas alertam que este ano está caminhando para ser o mais quente da história desde quando se tem registros. A crise climática continua, cujas consequências no médio prazo serão devastadoras. Enquanto isso, nós olhamos, com estupefação e incerteza sobre o futuro que nos espera, os números que a Covid-19 nos deixa diariamente, e sonhamos em retornar à normalidade perdida.

É verdade que o hiato global da atividade social e econômica, o fechamento de fronteiras e espaços aéreos e o confinamento da população deixaram o céu limpo e abriram uma janela mínima de oportunidades para a regeneração da fauna e da flora.

Também é verdade que as longas horas em quarentena, sem distrações, abriram outra janela de oportunidade: a de repensar o ritmo acelerado e predatório do estilo de vida em que estamos imersos, pessoalmente e como sociedade. Quais devem ser nossas prioridades existenciais? Vamos fazer algo coerente quando recuperarmos a liberdade de circular e consumir bens e serviços?

A pressão social e econômica para retornar à normalidade o mais rápido possível é insustentável para os governos, que viram a catástrofe econômica se instaurar

Mas parece que essas janelas serão efêmeras. Precisaríamos de anos nesse nível de inatividade para reparar parte dos danos à natureza e ao meio ambiente acumulados desde a Revolução Industrial, que estabeleceu uma economia baseada em combustíveis fósseis e na exploração ilimitada dos recursos naturais.

No entanto, a pressão social e econômica para retornar à normalidade o mais rápido possível é insustentável para os governos, que viram a catástrofe econômica se instaurar e arrastar milhões de trabalhadores em todo o mundo para o desemprego. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) acaba de alertar que, como consequência do impacto econômico e sanitário da Covid-19, quase metade da força de trabalho formal do planeta – cerca de 1,6 bilhão de pessoas – poderia perder o emprego.

A pressa de retornar à atividade é compreensível. No entanto, o próximo passo é um dilema. Se quisermos garantir o controle da pandemia, ainda devemos ficar em casa o máximo possível, aprender a viver separados e a trabalhar de casa o máximo possível, mas isso nos arruinará econômica e socialmente. Para evitar a ruína econômica, devemos retornar imediatamente às ruas e fazer o que fazíamos antes. Mas se isso reativar a pandemia, voltaremos ao ponto de partida.

De todas as formas, cada opção tem consequências pessoais diferentes, dependendo das nossas circunstâncias: idade, sexo, condições de trabalho, saúde, tipo de moradia, localização geográfica, renda e rendimentos disponíveis, serviços disponíveis, qualidade da conexão de internet, até mesmo ideologia, ou crenças religiosas. Como é evidente, estamos diante de um paradoxo existencial complexo, embora a variável dependente seja a desigualdade.

O que fazer? Nos comportamos como indivíduos egoístas e apostamos no salve-se quem puder, sabendo que nesse cenário ganham os mais poderosos? Nos comportamos como uma comunidade fechada e salvamos o que é nosso, a nossa família e vizinhos, nossa paróquia, nossa pequena tribo? Ou nos comportamos como espécie e buscamos solidariedade, o bem comum e o cuidado mútuo, mesmo que isso signifique grandes sacrifícios pessoais, e também no nível da nossa tribo?

Embora saibamos qual é a resposta moralmente correta de acordo com nossos valores, a decisão emocional é difícil para todos.

Olhar além

Se essa pandemia tem alguma virtude, é que nos permite olhar além do turbilhão diário do nosso antigo dia a dia e refletir sobre qual futuro queremos para nós, para nossa sociedade e para toda a espécie. Mas, para fazer esse exercício, seria necessário ter alguma certeza sobre qual será nosso futuro imediato. E o futuro é hoje dominado pela incerteza da Covid-19. Existem muitas incógnitas e poucas certezas.

Entre as certezas está a convicção de que esse vírus chegou para ficar

Entre as incógnitas está o comportamento do vírus a médio prazo. Ainda não sabemos que tipo de imunidade nosso corpo gera, nem por quanto tempo. Não sabemos se a ciência encontrará uma vacina eficaz, quanto tempo levará e se será universal ou estará apenas ao alcance de uma parcela limitada da população. Mas será de pouca utilidade se a imunidade for curta. Também não sabemos, e talvez isso seja o que mais nos preocupa agora, se e quando o vírus sairá do controle novamente em um segundo surto, que deve ser muito mais letal para as pessoas e para a economia, como aconteceu com a gripe espanhola há um século.

Entre as certezas está a convicção de que esse vírus chegou para ficar. E que é muito contagioso, muito mais do que a gripe clássica. E que, na ausência de uma vacina eficaz para todos, somente com medidas estritas de distanciamento social e higiene contínua muitas infecções poderão ser evitadas e a taxa de mortalidade radicalmente reduzida. Também temos a certeza de que, de qualquer forma, estamos enfrentando uma catástrofe econômica sem precedentes, que não temos um modelo alternativo viável no momento e que somos instados a voltar ao que era antes.

Ainda assim, muitos de nós também sabemos que, para garantir que a saída seja sustentável ao longo do tempo, teríamos que mudar nosso estilo de vida. E que essa mudança implica o que é chamado de mudança de paradigma, um "reset", como Manuel Castells recentemente o chamou. E é aí que a resistência começa.

Mudança de paradigma?

Sabemos desde a década de 1950 que nosso modelo baseado nos valores do capitalismo industrial, individualismo extremo e crescimento contínuo é insustentável. Agora também sabemos que atingiu um ponto de saturação tão alto que se tornou altamente tóxico para o planeta e altamente destrutivo para o nosso habitat e o de quase todas as outras espécies.

Mudar o paradigma significaria frear a taxa de crescimento e entrar em uma dinâmica de decrescimento ou "degrowth"

Mas, para mudar o paradigma, fazer um "reset", teríamos que abrir mão de muitas coisas. Embora agora declaremos, fisicamente e psicologicamente derrotados pelos efeitos da pandemia, que estamos prontos a fazê-lo, assim que voltarmos à (nova) normalidade, nosso amado capitalismo de consumo, lazer e mobilidade perpétua também voltará. E então, ansiosos para "reincorporar" e "reabrir", teremos esquecido nossas promessas e votos, feitos em um momento de fraqueza em que fomos forçados a refletir, porque tínhamos medo de pegar a Covid-19.

Mudar o paradigma significaria, entre outras coisas, frear a taxa de crescimento, tão destrutiva para o clima e a biosfera, e entrar em uma dinâmica de decrescimento ou "degrowth", como muitos sociólogos e economistas já argumentam. Isso implicaria em mudar o modelo industrial e minimizar o consumo de abusos supérfluos, dispensáveis ​​e acabar com a economia financeira, começando pelos paraísos fiscais. E, ao mesmo tempo, significaria acabar com tremendas desigualdades, não apenas aumentando o nível daqueles que não têm nada, mas reduzindo significativamente o nível daqueles que têm muito.

Cifras vertiginosas

Como a evidência da dimensão catastrófica da mudança climática se tornou inegável, alguns programas tímidos de transição de modelos foram lançados, com a intenção de abandonar gradualmente as emissões de gases de efeito estufa e avançar para um crescimento não baseado na exploração de recursos, como o Pacto Verde Europeu.

Mas até o início de março, bilhões de veículos com motores de combustão continuavam circulando. Dezenas de milhares de aviões ainda voavam sobre o planeta.

Em 2019, 90,3 milhões de carros novos foram vendidos no mundo, mesmo que tenha sido 4% inferior a 2018, com 94,4 milhões. Na manhã de 20 de novembro de 2019, por exemplo, havia 11.500 aviões voando simultaneamente no mundo. Que sentido faz existir, entre Sydney e Melbourne, uma média de 154 vôos diários, de acordo com dados de 2017? E qual é a lógica por trás de 83,7 milhões de turistas que chegaram à Espanha em 2019, mais de 80% deles a bordo de aeronaves? Os 65,7 milhões de turistas que visitaram Nova York em 2018 não são excessivos? E as dezenas de novos aeroportos, as incontáveis ​​milhas de rodovias, os bilhões de animais abatidos, os infinitos acres de floresta desmatada?

Embora esses números devam causar vertigem, são tidos por todos como "normais". É a essa "normalidade" que aspiramos retornar, quanto mais cedo melhor.

Quem, entre a classe rica e a classe média, abrirá mão repentinamente de viajar de avião, de suas casas na praia, suas piscinas, seus cruzeiros? E quem, entre os despossuídos, deixará de sonhar em largar a vida em empregos de miséria para um dia alcançar um desses privilégios que o sistema promete, embora quase nunca cumpra?

Nosso sistema está cheio de contradições, mas Schumpeter já dizia que a natureza do capitalismo é a destruição criativa. Talvez muitos tenham aproveitado a quarentena para fazer perguntas profundas, embora eu não ache que a Covid-19 tenha força suficiente para mudar tudo. Mais de uma pessoa deve ter feito algumas promessas, e espero que isso tenha alguma influência em seu futuro comportamento político. Em nossas democracias, veremos se vencerão os que apostam seriamente em uma mudança de modelo, ou os nacionalistas e populistas que apostam em aprofundar o que temos, confiando em Deus e nas fronteiras.

O que é quase certo é que, assim que nos permitirem, todos iremos à praia. Afinal, somos membros de uma orquestra que continuará tocando enquanto o navio afunda. Mas após a catástrofe do coronavírus, vale a pena perguntar honestamente: a nova normalidade será business as usual ou uma oportunidade de começar a mudar o paradigma da nossa civilização?

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData