democraciaAbierta: Opinion

Ativismo climático para a nova década

A luta contra as mudanças climáticas entrou em uma nova fase. Que estratégias nos ajudarão a deter a catástrofe? English Español

Alfons Pérez Samuel Martín-Sosa
9 March 2020
Wiktor Dabkowski/Zuma Press/PA Images

2019 foi sem dúvida um alarme para abrir os olhos para a emergência climática. As advertências meio ambientais se intensificaram. Toda essa informação começou a fazer parte da conversa para um público mais amplo, não apenas para pequenos grupos de nerds ou especialistas. Essas conversas fazem parte da mudança que está acontecendo. Para tirar o máximo proveito desse ponto de inflexão, precisamos começar um debate sobre qual deve ser o caminho a seguir no ativismo climático nos próximos meses e anos. Aqui, apresentamos algumas sugestões de maneiras principais pelas quais podemos intensificar a luta pelo clima na próxima década..

Força nas ruas

2019 testemunhou um número sem precedente de manifestações pelo clima em todo o mundo, com os números nas ruas crescendo à medida que o ano avançava. A mudança climática finalmente levou as massas a protestar. Este é um momento que precisamos aproveitar. Devemos deixar claro que o caminho para uma profunda mudança política é através do aumento da pressão pública, idealmente até que a resistência se rompa. Pressão pública: declarações de emergência climática começaram a crescer rapidamente em vários níveis do governo, do local ao nacional. No entanto, os números estão longe de serem suficientes no momento. A mobilização de seções maiores da população dará legitimidade à nossa luta aos olhos de números cada vez maiores, criando assim um círculo virtuoso.

Escalada das táticas

Além disso, precisamos de outras táticas para esta nova era de emergência. Precisamos viver experiências de desobediência como parte de nossa jornada pessoal em transformação ecossocial, e fazê-lo dentro de uma forte rede que apoia as pessoas que, como resultado de suas ações, são consideradas violadoras da lei. Precisamos criar novas formas de desobediência, pensando fora da caixa e mostrando onde a culpa realmente se encontra, lembrando a necessidade de manter a simpatia do público do nosso lado.

Formar grandes alianças, ampliar nossas redes

Também temos que concordar que o tempo para sugerir alternativas está, em certo sentido, no passado. Propostas para agricultura camponesa, transporte público terrestre, transição justa, ou energias renováveis descentralizadas e de pequena escala com base em projetos de autoconsumo já são amplamente conhecidos. Agora é hora de simplesmente agir.

Nesta conjuntura histórica, parece importante formar alianças muito mais fortes e unificar abordagens alternativas com um discurso sistêmico comum. Temos a tarefa de ouvir ativamente as demandas de diferentes movimentos e mantê-las em mente nos momentos de ação e mobilização. Movimentos sindicais, movimentos pelos direitos à moradia, antifascismo, mundo rural, movimentos pela justiça social, pela justiça racial... A rebelião climática deve provar ser capaz de reunir as lutas de todos aqueles que, de uma maneira ou de outra, lutam pela justiça climática. E deve encontrar uma maneira de comunicar o fato de que o sistema que está colocando em risco a vida humana agora também está destruindo a possibilidade de nossa existência continuada neste planeta..

Jovens, os líderes do movimento

Estamos vendo um movimento geracional que atravessa as classes e, portanto, é algo único. Além disso, essa geração é a primeira a se rebelar usando argumentos especificamente ambientais, porque querem ter um futuro. Passar sua mensagem e suas demandas para as gerações futuras é uma tarefa para todos, não apenas dos jovens. Por esse motivo, é necessário que Fridays for Future seja apoiado por coletivos e organizações com antecedentes positivos nessa área. No entanto, esses coletivos e organizações devem garantir que a natureza de seu apoio respeite sempre plenamente a autonomia dos jovens envolvidos.

Ligando a luta sistêmica à realidade cotidiana

É necessário manter a discussão sistêmica sobre o planeta de acordo com os lugares em que vivemos, no tangível, no cotidiano. Precisamos aumentar nossa consciência de como o discurso climático afeta certas realidades cotidianas (por exemplo, o mundo rural, situações de marginalização social, as classes trabalhadoras) e avançar no debate sobre como podemos vinculá-lo a essas realidades. A luta para defender o território contra grandes projetos de desenvolvimento também é uma luta contra a emergência climática, e os envolvidos nessa luta podem sentir que também estão lutando pela justiça climática.

Trabalhando interseccionalmente

O movimento feminista, que nos ensinou que as greves não se resumem apenas à produção econômica, nos mostra o caminho para adotar uma perspectiva sutil que reconhece diferenças e privilégios relacionados a gênero, etnia, classe, orientação sexual, idade, deficiência etc. Dessa forma, populações indígenas e nativas são exemplos vivos de sociedades não capitalistas, onde o respeito e o cuidado com a natureza ainda informam sua visão do mundo, apesar de mais de 500 anos de colonização. Portanto, construir um futuro de justiça social e climática genuína exige que reunamos uma variedade de perspectivas em nossas propostas.

Saúde emocional e consciência coletiva collective diante da emergência

Também devemos nos preparar psicologicamente (tanto individual quanto coletivamente), para os tempos adiante. Fenômenos como “ecoansiedade” estão se tornando cada vez mais comuns e precisamos de estratégias para lidar com os sentimentos de impotência, raiva, medo, angústia e dor gerados pela crise socioecológica. Precisamos ir além da dicotomia do triunfo e do fracasso, a fim de continuar construindo o movimento juntos, mesmo quando os tempos são difíceis.

O ambientalismo desta nova década deve ser capaz de enfrentar todos os desafios, criar novas formas de hegemonia e se projetar no futuro com uma visão positiva que, apesar da gravidade da situação, permita que cada um de nós contribua da melhor forma que podemos.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData