democraciaAbierta

A Colômbia não admite mais que seu exército assassine menores

A renúncia do ministro da Defesa é uma boa notícia em um país que se prepara para uma greve nacional de protesto generalizado na próxima semana. Eventos recentes no Equador e no Chile aconselham o uso proporcional da força. Español

DemocraciaAbierta
13 November 2019
Performance: Corporação colombiana de teatro. "Não atire, não sou falso positivo".

A opinião pública colombiana está emperrado em um estado de descrença e indignação. A revelação causada por essa descrença foi feita pelo senador Roy Barreras no debate sobre a moção de censura ao ministro da Defesa, Guillermo Botero.

O senador disse que, durante uma operação militar contra um campo de dissidentes das FARC em 30 de agosto em Caquetá, o Exército colombiano matou 8 menores em um atentado. Entre os menores, havia uma menina de apenas 12 anos, Ángela María Gaitán. Morreu junto com Aibimiller Morales, 17, Wilmer Alfredo Castro, 17, Diana Medina, 16, José Rojas, 15, e Jhon Edison Pinzón, 17.

Alguns dos outros corpos ainda não foram identificados e suspeita-se que ainda mais menores possam ter morrido, mas que seus corpos foram deixados em um estado que não será fácil determinar sua identidade nem sua idade.

Quando as revelações foram divulgadas, Botero, que já estava no meio de um processo de censura contra seu governo como ministro da Defesa do Presidente Iván Duque, decidiu renunciar. Ele queria evitar ser o primeiro ministro da história da Colômbia a ser demitido por uma moção de censura.

Botero pode ser responsável por vários escândalos, como os novos "falsos positivos" revelados pelo New York Times em maio deste ano. O jornal de Nova York detalhou como o exército ordenou recentemente dobrar o número de alvos mortos, incentivando assim o aumento de mortes de civis para fazê-los passar por guerrilheiros, como aconteceu no governo de Álvaro Uribe (2002 - 2010).

Acrescenta-se a isso os assassinatos desenfreados ​​de líderes sociais em todo o país, que foram mais de 200 no primeiro ano de gestão de Botero.

Portanto, informamos os dados sobre o recente bombardeio. Além disso, falaremos sobre o que poderíamos esperar nas próximas semanas da greve nacional, durante a qual vários grupos da oposição se unirão para denunciar algumas das ações recentes de Duque e seus ministros, consideradas escandalosas.

O assassinato de menores em bombardeios do exército

Em setembro deste ano, o comandante do Exército Nacional, Nicasio Martínez, afirmou que metade dos integrantes das dissidências guerrilheiras do país consiste em menores de idade, e que isso demonstra que existe uma grave violação dos direitos das crianças que, ainda hoje, estão sendo recrutadas na Colômbia.

O ombudsman da Colômbia alertou, em maio passado, sobre grupos criminosos que recrutavam menores colombianos e venezuelanos para participar de atividades ilegais no país

Durante uma operação militar em setembro, o Exército descobriu que alguém de codinome 'Alonso', um líder dissidente das FARC, operava um acampamento no setor de Cauca, onde treinava menores. No acampamento, foi encontrada uma escola onde as crianças eram treinadas, confirmando que o recrutamento forçado de menores não acabou após a assinatura dos Acordos de Paz em setembro de 2016.

O Procuradoria Geral da Colômbia também alertou, em maio passado, sobre grupos criminosos que estavam recrutando menores colombianos e venezuelanos para participar de atividades ilegais no país. Emitiu até 105 avisos prévios nos primeiros meses do ano, denunciando o maior número de casos em que as crianças corriam o risco de serem recrutadas, geralmente por atores do conflito armado.

Essa informação deixa claro que o Exército estava ciente da probabilidade de que houvesse crianças no campo de Caquetá ao decidir bombardear, mas seguiram em frente com a ordem.

Além disso, a decisão de ocultar o relatório de Medicina Legal sobre as idades dos mortos causou indignação nos setores da sociedade civil na Colômbia. O fato de o Exército ter recebido o relatório em 2 de setembro, mas optou por não publicá-lo para evitar um escândalo, tornou o escândalo duplamente maior.

A boa notícia é que o limiar de tolerância da sociedade colombiana diante das autoridades de guerra diminuiu, a ponto de obrigar um ministro da Defesa a renunciar, o que em tempos de guerra era inconvebível.

Greve nacional

Em 21 de novembro, a Colômbia fará uma greve nacional nas principais cidades do país. As manifestações reunirão importantes setores sociais, como agricultores, indígenas, professores, estudantes, comunidades afro-colombianas, trabalhadores, comunidades LGBT+, sindicatos e outras organizações da sociedade civil.

Habrá que estar atentos a la respuesta gubernamental al paro del 21 de noviembre, para saber si el derecho democrático a la protesta será respetado o si será reprimido

Os grupos protestarão contra a linha do atual governo, que inclui políticas de segurança intoleráveis, como as do ex-ministro Botero, e os assassinatos pandêmicos de líderes sociais e membros de comunidades indígenas em todo o país.

Revelações recentes sobre o bombardeio em Caquetá certamente aquecerão a greve, que será a maior manifestação antigovernamental desde que Duque assumiu o poder há um ano e meio.

Os manifestantes também poderiam se inspirar em eventos recentes no Equador e no Chile, onde ondas de protestos conseguiram gerar mudanças significativas nas políticas econômicas do governo, forçando-os a abandonar iniciativas neoliberais que afetam negativamente as classes mais pobres do país.

Após os recentes protestos estudantis que foram reprimidos com o uso da força pela polícia de choque, o ESMAD (Esquadrão Móvel Anti-distúrbios), podemos esperar que o governo aja novamente com força desproporcional durante a parada planejada.

É importante recordar que os membros da ESMAD usaram bombas e gás lacrimogêneo para reprimir os estudantes que saíram às ruas contra a corrupção nas universidades públicas. Depois de uma longa semana de protestos que deixou uma dúzia de feridos, A Colômbia foi incluída na no watch list do CIVICUS junto a China e Egipto por seu ataque desmedido aos direitos civis.

Será necessário estar atento à resposta governamental à greve de 21 de novembro para saber se o direito democrático de protestar será respeitado ou se será reprimido como nas últimas semanas.

Aconteça o que acontecer, podemos ter certeza de que não há democracia plena em um país que reprime desproporcionalmente os protestos e onde, acima de tudo, menores são mortos em operações militares que oculta os relatórios de Medicina Legal.

Felizmente, já vimos a demissão de um ministro da Defesa. É um bom sinal, porque a guerra e os abusos policiais na Colômbia já deveriam ser coisas do passado.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram