democraciaAbierta

Covid-19 e ativismo climático: cinco lições em comum

A pandemia é um campo de testes para lidar com a crise climática e vice-versa. Español English

Nadia Colburn
1 April 2020
Explosão da coroa do sol, 31 de agosto de 2012.
|
Flickr/Originalwana via Wikipedia. CC BY 2.0.

Ninguém quer pensar em uma crise no meio de outra, mas é exatamente agora, quando vemos em primeira mão a rapidez com que as coisas podem mudar, que é hora de pensar em preparação para crises em geral. À medida que a pandemia de coronavírus se desenrola, o trabalho dos ativistas climáticos pode nos ajudar a responder a esse momento – assim como esse momento é um período de aprendizado crítico para futuras crises climáticas.

Uma manchete recente do New York Times expressa o que os ativistas climáticos sabem muito bem: "Antes do surto do vírus, uma cachoeira de avisos foi ignorada". E porque não prestamos atenção a esses avisos, veremos crescentes crises sociais em larga escala: pandemias; deslocamentos em massa devido a inundações, incêndios e secas; convulsão social; e crise econômica. Tudo isso se torna mais provável em uma época de mudanças climáticas e colapso ecológico.

Essa pandemia nos recorda que a vida pode mudar repentinamente de maneiras quase inimagináveis.

Mas os ativistas climáticos, que vêm pensando em como se preparar e ajudar a prevenir ou mitigar esses momentos, podem oferecer orientações valiosas. As quatro "demandas" da Extinction Rebellion, a rede de ativistas voluntários a qual me uni no ano passado, são princípios úteis para lidar com o coronavírus – ou qualquer crise. Pensem neles como "pilares" que podem nos guiar para um futuro mais seguro.

Essa pandemia nos recorda que a vida pode mudar repentinamente de maneiras quase inimagináveis

1) Dizer a verdade

O primeiro ingrediente necessário para lidar com qualquer situação com sucesso é dizer a verdade. Como o governo autoritário da China reteve informações sobre a verdade do surto do novo vírus em Wuhan, o surto não foi contido desde o início.

Da mesma forma, em todas as fases do desenvolvimento do vírus, a negação nos coloca em maior risco – como vimos na Itália e nos EUA. A negação e a obstrução total da administração Trump à verdade sobre o coronavírus e a crise climática e ecológica colocam todos nós em grave perigo.

Políticos, líderes empresariais e cidadãos não são especialistas em assuntos como pandemias e colapso ecológico. Os cientistas são. Devemos ouvir os cientistas, relatar suas descobertas e seguir sua liderança.

2) Agir agora

Como vimos com o coronavírus, as crises podem se desenvolver repentinamente e, se não estivermos preparados desde o início, correremos mais riscos. Quanto mais pró-ativos os países forem com o coronavírus, menos danos sofrerão. Cingapura, que começou a se preparar para a crise da Covid-19 no início de janeiro, teve muito poucas mortes, embora esteja ao lado da China.

Por outro lado, em 2018, Trump cortou financiamento para o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos. Seu argumento era que, desde que não houvesse uma pandemia ativa, os trabalhadores do CDC eram supérfluos. Para economizar dinheiro, em outras palavras, ele priorizou a "eficiência" dos negócios em vez da resiliência social; ele falhou em agir no presente para se preparar para o futuro. Como resultado, os Estados Unidos estavam perigosamente mal preparados.

Mas mesmo em nossa resposta tardia e apressada ao Covid-19, podemos nos preparar para futuras crises. Este é um momento único em que o governo estará investindo dinheiro na economia e o consenso científico é claro: devemos agir hoje sobre a crise climática e ecológica.

Em vez de reinvestir em infraestrutura de combustíveis fósseis, como companhias aéreas ou ampliação de estradas, deveríamos fazer a transição para energia, transporte e agricultura verdes. Temos apenas alguns anos, no máximo, para impedir que as temperaturas globais ultrapassem os dois graus de aquecimento – um nível cujos ciclos de resposta alterarão fundamentalmente a vida na Terra. Nosso tempo está se esgotando.

3) Ir além da política partidária

O coronavírus infecta republicanos, democratas, liberais, conservadores e socialistas. Não conhece fronteiras internacionais ou estatais. Para lidar com a pandemia – assim como a crise climática – precisamos ir além das linhas partidárias e nacionais. Devemos ouvir os cientistas especialistas, cujo conhecimento não adere a divisões partidárias. E devemos ir além dos congestionamentos que tais políticas podem criar para que o governo possa tomar as medidas necessárias.

Como vimos tanto na pandemia quanto na crise climática, a ação individual por si só é insuficiente para lidar com a situação. Somente a direção do governo em larga escala é capaz de criar os tipos de mudanças que precisamos.

O perigo, no entanto, é que essa ação reduza as liberdades individuais e leve a formas autoritárias de governo. O outro desafio é que, porque as pessoas desconfiam do governo e, especialmente, desconfiam do "outro oposto", as ações rápidas e necessárias que precisamos fiquem presas no congresso ou parlamento.

Para resolver essa preocupação, a Extinction Rebellion está pedindo que uma assembleia popular supervisione decisões importantes e assuma a responsabilidade por ações sobre questões climáticas e ecológicas. Como um júri, essas assembleias seriam constituídas por cidadãos escolhidos aleatoriamente, com poderes de decisão.

Precisamos de sistemas verdadeiramente democráticos para supervisionar as ações de nossos governos e incutir confiança novamente dentro do próprio governo. Através das assembleias populares, podemos ter mais confiança de que o poder não será abusado.

4) Focar em uma transição justa

A pandemia de coronavírus deixa claro que, em uma crise, os mais vulneráveis estão em maior risco. A pandemia expõe as profundas inseguranças incorporadas à vida americana – um sistema de saúde altamente desigual, por exemplo; os 58% dos americanos que têm menos de US$ 1000 em poupança; e nenhuma licença médica para as famílias. Em suma, quase não existe uma rede de segurança e, como o coronavírus ameaça nos levar a uma depressão econômica, nossa resposta deve considerar aqueles que mais precisam.

Da mesma forma, os mais vulneráveis estão na linha de frente da crise climática. Precisamos nos preparar agora para uma transição justa para proteger as pessoas dos devastadores efeitos físicos e econômicos do clima e do colapso ecológico. Precisamos de políticas como o Green New Deal, que colocam trabalhadores, pessoas de cor e pobres no centro – não as grandes corporações.

5) Construir culturas regenerativas

O objetivo desses quatro pilares é a 'cultura regenerativa', ou seja, uma cultura que priorize a humanidade e os ecossistemas em detrimento do lucro, e que seja democrática e afirmativa da vida, alegre e não hierárquica.

Como sociedade, temos a capacidade de cuidar um do outro através dessa cultura. Embora essa pandemia tenha sido mal administrada, ela também mostra nossa capacidade de trabalhar juntos e fazer sacrifícios individuais para o bem comum. Isso mostra que podemos alterar radicalmente nossos hábitos e comportamento. Isso é importante, inspirador e encorajador.

Imagens de satélite na China e nos EUA mostram a eliminação da poluição como resultado da desaceleração econômica induzida pela Covid-19. O que é necessário para percebermos que, para evitar catástrofes ainda maiores, precisamos manter o céu limpo no futuro?

O coronavírus, por si só, também é um campo de testes para a crise climática, assim como a crise climática nos ajuda a entender o que é necessário para lidar com a pandemia.

Com seus furacões, incêndios e secas, o verão chegará em um piscar de olhos. Essa pandemia está mostrando a pouca resiliência que temos como sociedade e a rapidez com que todos podemos estar em risco mortal. Então, devemos usar a crise do coronavírus como um alerta para criar uma cultura mais resiliente e que afirma a vida.

Essa pandemia nos mostra como a vida comum pode ser interrompida. Como escreveu o cientista climático James Hanson: “O sistema climático é capaz de mudanças e surpresas abruptas. Quando isso ocorre, pode ser difícil ou impossível reverter a ... mudança. ”

Portanto, devemos dizer a verdade, agir agora, ir além da política partidária e mobilizar uma transição justa, tanto para a crise de hoje quanto para a de amanhã. O número de mortos pela emergência climática ameaça ser exponencialmente maior do que o do pior cenário do coronavírus. Agora é o momento de agir.

Quero poder dizer aos meus netos que prestamos atenção e fizemos as mudanças necessárias para o seu futuro.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData