democraciaAbierta

Crises econômicas e violência marcam as eleições na América do Sul

Outubro é um mês chave para a América Latina. Entre os protestos e o tumulto social no Equador e no Chile, este mês também traz importantes eleições gerais na Argentina, Uruguai e Bolívia, além de eleições regionais tensas e violentas na Colômbia. Español

DemocraciaAbierta
26 October 2019
Cédula de eleição legislativa na Colômbia, 2014.

O dia 27 será o super domingo do Rio da Prata: Mauricio Macri busca sua reeleição na Argentina, depois de ter perdido a primária em agosto. No Uruguai, o povo irá às urnas para eleger um novo presidente. Mais ao norte, na Colômbia, mais de 33 milhões de cidadãos também votarão em eleições regionais, ofuscadas pela violência. Na Bolívia, Evo Morales foi reeleito pela quarta vez no último domingo (20) em um episódio marcado por acusações de golpe de um lado e fraude do outro.

Argentina: uma nova curva à esquerda?

A possível saída de Macri teria implicações na região. As primárias, que funcionaram essencialmente como uma pesquisa de intenção de voto, mostraram que a tendência é Alberto Fernández vencer, que tem como vice a ex-presidente Cristina Fernández de Kirchner. Em agosto, Fernández conquistou 47% dos votos contra 32,6% de Macri.

Se o resultado das primárias for confirmado, os argentinos selariam sua rejeição às políticas neoliberais implementadas pelo governo conservador de Macri. Em seus quase quatro anos de governo, Macri encerra seu primeiro mandato com essencialmente todos os índices em pior estado em comparação com 2015, quando venceu a eleição. Além disso, a economia argentina continuou piorando desde as primárias, reduzindo ainda mais sua chance de reeleição.

Muitos acreditam que Cristina Kirchner escolheu Fernández a dedo para chegar ao poder, em face da sua impopularidade ao deixar a presidência

O resultado de sua estratégia neoliberal é visto nos números: a inflação este ano é estimada em 55%, o desemprego atinge 10,6%, a pobreza aumentou, as pessoas tiraram bilhões de dólares do país, o peso despencou e a dívida externa chega a US$ 100 bilhões. Diante desses fatos, Macri, em 2018, procurou a ajuda do Fundo Monetário Internacional (FMI), uma decisão impopular entre os argentinos.

Apesar de liderar uma frente eleitoral de Kirchneristas, peronistas moderados e forças progressistas, Fernández é conhecido por ter sido um chefe de gabinete pragmático e moderado durante o governo Néstor Kirchner. No entanto, muitos acreditam que Cristina Kirchner escolheu Fernandez a dedo para chegar ao poder, em face da sua impopularidade ao deixar a presidência.

Independente de quem ganhe, os economistas esperam que a Argentina adie a dívida e busque renegociar o acordo com o FMI.

Uruguai: as eleições mais disputadas dos últimos 15 anos

Pela primeira vez em uma década e meia, a Frente Ampla - a coalizão de esquerda que está no poder há três governos e tem José Mujica entre seus membros - tem uma chance real de perder a presidência.

Os uruguaios vão às urnas no domingo para votar nas primárias, disputada entre quatro candidatos: Daniel Martínez (Frente Amplio), Luis Lacalle Pou (Partido Nacional), Ernesto Talvi (Partido do Colorado) e Guido Manini (Cabildo Open).

Segundo as pesquisas, a Frente Ampla obteria entre 41% e 33% dos votos, o Partido Nacional de 27% a 22%, o Partido Colorado de 16% a 10% e o Cabildo Aberto de 12% a 10%

No Uruguai, um candidato precisa ganhar 50% dos votos mais um para vencer no primeiro turno. Se ninguém atingir a maioria absoluta, as eleições avançam para o segundo turno, marcado para 24 de novembro, onde os dois mais votados participam e conquistam vitória por maioria simples.

Segundo as pesquisas, a Frente Ampla obteria entre 41% e 33% dos votos, o Partido Nacional de 27% a 22%, o Partido Colorado de 16% a 10% e o Cabildo Aberto de 12% a 10% , o que levaria os uruguaios a voltar às urnas para decidir entre Martínez e Lacalle.

Lacalle, do Partido Nacional, de centro-direita, tem mais chance de criar coalizões com outros partidos que Martinez, o que lhe dá uma vantagem. Talvi, do o Partido Colorado, tem poucas chances de ganhar. Mas, mesmo que ele não consiga uma vaga no segundo turno, Talvi sairia dessas eleições como o parceiro político mais cobiçado das futuras coalizões, tanto no Executivo quanto no Parlamento.

Guido Manini Ríos e o Cabildo Aberto, criado em março deste ano, representam a grande surpresa deste ano. Um general aposentado de 60 anos, Manini Ríos e o partido fundado por ele representam as ideias ultradireitas e conservadoras que vêm ganhando força em toda a América Latina. De fato, Manini Ríos é chamado de "Bolsonaro uruguaio", em referência ao presidente do Brasil.

Mesmo que Manini Ríos tenha quase nenhuma chance de chegar ao segundo turno, os votos de seu partido serão fundamentais para as aspirações do candidato que disputa a presidência com Martínez. Dessa forma, o resultado da segunda rodada provavelmente será disputa pela Frente Ampla de um lado e, por outro, o Partido Nacional, Colorado e o Cabildo Aberto juntos.

Colômbia: o retorno da violência eleitoral

Neste domingo, os colombianos elegem autoridades dos 32 departamentos do país, 1122 municípios e o Distrito Capital de Bogotá. Até quarta-feira (23), três candidatos a prefeito e quatro a vereadores foram mortos. Mais de 40 foram ameaçadas e pelo menos 400 municípios correm o risco de sofrer episódios de violência política. Esse é o cenário que constitui o prelúdio das eleições de outubro no país: em 300 dias do calendário eleitoral, um líder político, social ou comunitário foi morto a cada três dias, em média.

Embora triste, a violência durante o período eleitoral não é novidade para os colombianos

O governo começou a reagir a essa onda de violência no início da semana passada, dando à Unidade Nacional de Proteção 72 horas para responder aos pedidos de escoltas, carros blindados e outros mecanismos de proteção feitos por 565 candidatos no país. Segundo a Unidade, 1.140 candidatos têm medidas de proteção.

Embora triste, a violência durante o período eleitoral não é novidade para os colombianos. O que é surpreendente neste ano é que os índices de violência nessa data atingiram os números anteriores a 2015, antes da assinatura do Acordo de Paz entre o governo e as FARC.

A violência costumava aumentar diante das eleições para questões relacionadas a conflitos armados, como confronto entre atores armados para controle político regional, contratação local e controle de economias ilegais. O aumento da violência nesta rodada mostra que o que foi acordado em Havana em 2016 não está sendo cumprido e os colombianos são vítimas dessa falta de ação.

Bolívia: fraude ou golpe?

No domingo passado, Evo Morales venceu as eleições gerais, conforme previam as pesquisas. No entanto, as circunstâncias que envolvem a contagem de votos são suspeitas e põem em dúvida a validade de sua vitória.

Em seu discurso nesta semana, o presidente Evo Morales disse que a oposição não permitiu a contagem de votos, chamando o ato de "golpe de estado". Evo foi proclamado vencedor no primeiro turno antes de terminar o cálculo, quando a diferença com o ex-presidente Carlos Mesa foi de 9,48 pontos. Portanto, haveria uma segunda rodada em 15 de dezembro.

Diante desse cenário, os bolivianos saíram às ruas para protestar contra a vitória de Evo, que se candidatou depois que a população votou contra rua candidatura em um referendo de 2016. Mesa, por outro lado, formou uma aliança política, o Coordenador de Defesa da Democracia, para pressionar nas urnas nas eleições bolivianas. Ainda não está claro o que acontecerá na Bolívia, mas o país certamente enfrentará muita incerteza, com Evo ou Mesa no poder.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram