democraciaAbierta

De onde vem essa raiva contra os ativistas climáticos?

Por que o establishment está tão preocupado com as pessoas que simplesmente querem tornar o planeta mais habitável? English Español

Claire Norman
16 October 2019
Greta Thunberg e manifestantes marcham durante comício do NYC Climate Strike, 20 de setembro de 2019
|
SOPA Images/SIPA USA/PA Images

Tem um cartoon que diz tudo. Em uma cúpula sobre o clima, um palestrante está mostrando uma apresentação que lista items como água limpa, cidades habitáveis, recuperação das florestas. O balão acima da cabeça de uma pessoa na audiência diz: "mas e se for uma grande farsa e nós criarmos um mundo melhor para nada?". Dói porque é verdade.

Mas parece que ultimamente não é a mensagem, mas o mensageiro que está na linha de frente de um tipo muito específico de ataque, apenas por querer falar sobre o colapso climático. Especialmente quando é um certo tipo de mensageiro. De onde vem essa raiva e vitríolo?

Não somos psicanalistas na Extinction Rebellion (Rebelião da Extinção), embora sem dúvida tenhamos alguns entre nós.

Mas estamos preparados para apostar que há algo profundamente arraigado por trás desses ataques. É notável que essas pessoas geralmente correm o risco de serem apagadas duplamente: são pessoas mais velhas, geralmente do sexo masculino, com mais noção de sua mortalidade, e não acostumadas a serem desafiadas. E aqui vem, no caso de Greta Thunberg, uma jovem garota que basicamente pede que questionem tudo o que representam e admitam que estão erradas.

Esse desafio parece enfatizar sua inutilidade em um mundo em que as pessoas estão unindo forças para que o governo diga a verdade, para deixar os combustíveis fósseis sob a terra, parar essas indústrias exploradoras e extrativas e começar a se radicalizar. Considere isso, algo que a Extinction Rebellion considera incontestavelmente: as atividades humanas fizeram com que a temperatura média da superfície do planeta subisse cerca de 1,1 ° C desde o final do século XIX. A maior parte do aquecimento ocorreu nos últimos 35 anos. Parecia óbvio que todos se preocupariam e desejariam fazer algo para evitar uma catástrofe.

Talvez seja bem mais simple: o oposto de um homem velho é uma menina e esse posicionamento diamétrico serve apenas para intensificar as agendas de ambos. Greta: “Quero viver, devo ter uma vida pela frente, como todas as crianças”. (Alguns) homens mais velhos: "Mas estou ficando velho e minha visão de mundo parece irrelevante".

Uma batalha épica com a mortalidade, nosso deus, consciência e a vida que levamos, cria conflitos inebriantes nos nossos últimos anos. Mas isso certamente era uma resistência pessoal. Considerando que agora, números alarmantes parecem estar levando a batalha para uma fronteira externa, onde adolescentes pacíficos e ambientais estão tentando melhorar as coisas.

Mulheres e meninas representam 80% das vítimas de deslocamento e são mais vulneráveis durante desastres climáticos, segundo a ONU. Esse fato é relatado de vez em quando, mas não falamos do assunto o suficiente. Ninguém cobre que a mudança climática seja sexista, apesar de todas as pesquisas, evidências e testemunhos vividos. E as pesquisas confirmam que mulheres e jovens estão mais preocupados com as mudanças climáticas.

O mesmo se aplica aos impactos desproporcionais da mudança climática que já estão ocorrendo agora, sendo sentidos nos países mais pobres. É por isso que estamos em crise - ignoramos os fatos.

É uma teoria que vale a pena sustentar e realmente examinar sob vários ângulos. O vitríolo, sim, até as ameaças de morte, dirigidas a ativistas climáticos, devem vir de algum lugar. Raiva, medo, impotência e irrelevância total proporcionam dicas para entender essa mentalidade. Mas não é apenas culpa de um grupo demográfico.

Parece que ninguém no governo, por exemplo, está realmente preparado para o perigo à frente. Inundações e incêndios florestais já estão acontecendo, isso apenas aqui no Reino Unido. Em outros lugares, condições climáticas extremas e a quebra de safra estão removendo os meios de subsistência, resultando em pessoas se afastando cada vez mais de suas casas. Por que a negação coletiva por tanto tempo?

É hora de fazer alguma coisa. As abordagens convencionais não funcionaram. Votação, lobby, petições e protestos não foram alcançados, porque poderosos interesses políticos e econômicos impedem mudanças. Simplesmente não é do interesse deles, uma vida saudável neste nosso pequeno planeta. É por isso que nossa estratégia é a desobediência civil não-violenta e perturbadora - uma rebelião. E irritados, os que apoiam o establishment, negam a ciência e querem atacar uma garota de 16 anos, mulheres, minorias ou qualquer outra pessoa que estranhamente só queira proteger o planeta. Bem - para cunhar uma frase - eles podem entrar no mar: está estranhamente mais alto do que o habitual.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram