democraciaAbierta

Qual o futuro da digitalização na educação (e em todo o resto)?

Propomos uma forma de keynesianismo democrático. É necessário investimento público para a economia produzir a infraestrutura necessária para a democracia. Esse é o futuro da digitalização.

Simona Levi
6 July 2020
Uma sala de aula na Baixa Saxônia, Alemanha, em junho de 2020
|
Friso Gentsch/DPA/PA Images

"Somos guiados por uma elite que utiliza tecnologia digital, mas não a racionalidade digital". Alessandro Baricco

As políticas públicas relacionadas ao digital tendem a oscilar entre o tecno-solucionismo despreocupado e o neo-ludismo tecnofóbico. O resultado dessas ideologias neuróticas na abordagem da política, em que a comunidade educacional recebe palestras sobre os perigos da tecnologia e, ao mesmo tempo, se joga nos braços das grandes corporações digitais, é que essas corporações agora controlam e monitoram a grande maioria das instituições educacionais e, dessa forma, o comportamento dos alunos, professores e famílias.

Mas, de fato, as coisas podem ser diferentes. Neste artigo, exploraremos como. Para isso, examinaremos um exemplo prático: nosso plano, elaborado com as famílias, sobre a Privacidade e a Digitalização Democrática das Escolas, recentemente aceito pelo Departamento de Ensino da Generalidade da Catalunha.

A invenção da imprensa democratizou o acesso ao conhecimento e levou ao Iluminismo, uma era histórica na qual começamos a defender que o conhecimento humano poderia combater a ignorância, a superstição e a tirania para construir um mundo melhor.

Desde essa invenção, números cada vez maiores de pessoas podem ler e até escrever livros. Livros são usados ​​no ensino há muito tempo. E não apenas livros que falam de coisas eruditas e práticas; a ficção também desempenha um papel no ensino.

Desde a invenção da imprensa, os livros são usados ​​para construir nossas sociedades. E ninguém, no último meio milênio ou mais, julgou necessário que, para ler esses livros ou usá-los para ensinar, as pessoas saibam também encaderná-los.

É verdade que sempre houve e sempre haverá autoridades que desejam decidir o que pode ser lido e o que não pode ser lido, que consideram os livros perigosos, algo a ser temido e não compreendido. Sim, livros e autores foram banidos, queimados e censurados, mas de forma geral essas práticas não são bem vistas no mundo democrático.

Portanto, é surpreendente que, em alguns países como a Espanha, o formato mais comum para o ensino digital em sala de aula seja através de programas criados e treinamentos oferecidos por técnicos de tecnologia da informação e comunicação e pela polícia. Como analogia com os livros, é como se literatura fosse ensinada por encadernadores e exorcistas, e isso é dito com o maior respeito por ambas as profissões.

Em alguns casos, o treinamento digital também envolve especialistas em ética, o que não é necessariamente uma coisa ruim, desde que esses professores de ética também estejam envolvidos no ensino de literatura, matemática, economia, ciência, história, geografia, artes e educação física.

Em resumo, se queremos provar que somos uma sociedade adequada ao nosso tempo e aproveitar a revolução digital, não devemos ter mais medo do digital do que de qualquer outra ferramenta, assim como não deve ser um pré-requisito ser especialistas em tecnologia. Apenas precisamos entendê-la.

Não devemos oscilar entre a tecnofobia anacrônica e a fé cega que entrega todas as nossas informações mais íntimas e privadas – sobre crianças, professores e famílias – à empresas multinacionais

A abordagem da questão através do método encadernador-exorcista pode resultar em armadilhas e estereótipos, com as políticas digitais oscilando entre: tecno-solucionismo despreocupado ("Podemos resolver qualquer coisa comprando aparelhos digitais sofisticados sem pensar duas vezes no impacto nos dados pessoais privados") e neo-ludismo tecnofóbico ("Temos que proibir as redes sociais e a internet para proteger as crianças! [e então podemos tratar a população em geral também como crianças, para melhor vigiá-las]").

A opção número 1 é geralmente a escolhida pelos políticos conservadores de direita, a opção 2 pelos de esquerda, embora formas híbridas criativas existam em ambos lados.

Um resultado desse tipo de política é que, com a aprovação das autoridades políticas, pelo menos na Espanha, o Google (e empresas de tecnologia similares) digitalizou mais de dois terços (2/3!) das escolas, entre outras instituições. Assim, enquanto os exorcistas da tecnologia dão palestras à comunidade educacional sobre os perigos da internet, empresas multinacionais dedicadas ao processamento de dados sobre o comportamento das pessoas para uma série de finalidades estão assumindo as salas de aula. São tão grandes que devemos confiar neles ontológicamente, como se fossem nossos pais. O que prova que eles são mamãe e papai? Eles oferecem tudo de graça! Todas as escolas assustadas e digitalizadas de graça. Não é maravilhoso?

É essa a democracia digital que queremos? A realidade é que não devemos oscilar entre a tecnofobia anacrônica e a fé cega que entrega todas as nossas informações mais íntimas e privadas – sobre crianças, professores e famílias – à empresas multinacionais.

A questão é que a digitalização pode e deve ser democrática e respeitar os direitos humanos, como a privacidade, tanto para crianças quanto para jovens e para o público em geral; é necessária vontade política para passar dos estereótipos anacrônicos. Todas as peças do quebra-cabeça já estão disponíveis para fornecer uma resposta coerente ao desafio que enfrentamos ao atualizar o mundo digital com relativamente pouco esforço.

Há um ano, um grupo de pais decidiu fazer algo sobre o problema e entrou em contato conosco. Juntos, criamos o Plano de Privacidade e Digitalização Democrática das Escolas. Há um ano, apresentamos este plano ao Departamento de Educação da Catalunha (a educação é uma questão descentralizada e estamos sediados na Catalunha). A Covid-19 forneceu mais uma prova de quão necessário e relevante é o projeto.

A Covid-19 também nos mostrou que, em geral, nossas instituições estão atrás na corrida do processo digital e, pior ainda, na corrida da vontade política de entender verdadeiramente o mundo digital. Isso explica porque o digital simplesmente acontece, sem nenhum outro critério além dos desejos e lucros de empresas privadas escolhidas por políticos acorde o grau de amizade ou que oferecem gadgets novos e brilhantes.

Outro exemplo apresentado pela Covid-19: à medida que o confinamento se estendia, parecia que cada novo dia trazia consigo um novo aplicativo de videoconferência que precisávamos aprender a usar para interagir com colegas de trabalho, familiares e a administração.

A solução está nas nossas instituições. Se quisermos competir com grandes empresas, precisamos de recursos institucionais e coordenação para nos adaptarmos às necessidades

Esse cenário faz com que muitos acreditem que a digitalização é uma forma particular de inferno: servir eternamente de beta testers para empresas de tecnologia, vivendo por toda a eternidade em uma curva infinita de aprendizado. Também existe o fato de que, sempre que as instituições procuram parecer modernas, o que fazem é pedir um aplicativo. É perfeitamente compreensível, portanto, que o público acabe sentindo que são cobaias.

Esses aplicativos quase sempre acabam sendo completamente inúteis. Na verdade, eles podem ser tão inúteis em termos de uso efetivo do dinheiro dos contribuintes que seu código fechado significa que esses aplicativos não podem ser modificados, auditados ou adaptados e acabam sendo descartados quando a próxima coisa nova e brilhante aparece.

Isso tem que acabar. É nada menos que desvio de fundos públicos, suborno e concorrência desleal.

Nos oferecem o digital como o aprendizado de uma quantidade infinita de aplicativos que nunca serão os últimos nem os melhores. O público, em particular aqueles que não são nativos digitais, acaba parando de fazer qualquer esforço para acompanhar. Como no caso dos livros, precisamos entender o que está sendo proposto, independentemente de tecnologias específicas, entendendo assim como todas elas funcionam. Se for usado corretamente, o digital é principalmente uma estrutura de pensamento que pode facilitar algo revolucionário na renovação da governança: a ideia subjacente é que uma rede permita uma colaboração ágil, com poucas pessoas e poucos recursos, gerando resultados que podem ter impacto em muitos , pois combina desintermediação, rastreabilidade e imediatismo.

Tampouco as pessoas sem nenhum conhecimento técnico prévio devem ser forçadas a aprender código aberto para fugir do papel de mero beta tester. A solução está nas nossas instituições. Se quisermos competir com grandes empresas, precisamos de recursos institucionais e coordenação para nos adaptarmos às necessidades específicas (neste caso, da comunidade educacional).

Caso contrário, o ônus da adaptação seria injustamente deixado nas mãos das escolas, já sobrecarregadas de responsabilidade e trabalho, esgotando a paciência dos alunos, professores e famílias inteiras. Isso leva à exasperação, empurrando-as para os braços das empresas que facilitam o processo de digitalização em troca de transformá-las em clientes dependentes cativos.

As instituições precisam assumir seu lugar ao fornecer soluções estáveis ​​e decisivas. Precisamos implementar um círculo virtuoso: as instituições podem melhorar a codificação aberta usada em todo o mundo e agregar valor e recursos, contribuindo para a criação de ativos comuns e acessíveis e, ao mesmo tempo, aproveitar esse conhecimento para obter estruturas mais democráticas com menos recursos.

Em suma, propomos uma forma de keynesianismo democrático. É necessário investimento público para a economia produzir a infraestrutura necessária para a democracia. Esse é o futuro da digitalização, assim como o de muitos trabalhos do futuro também.

Boas notícias

É com grande satisfação, então, que anunciamos que o Departamento de Ensino da Generalidade da Catalunha adotou nosso plano. Trabalharemos de mãos dadas no roteiro para a implementação.

Nota: nossa proposta não exclui ninguém. Fãs do Google não precisam se preocupar. Nada será banido. Tudo o que queremos é competição em termos iguais. Além disso, naturalmente, a digitalização faz parte do processo de atualização e adaptação da educação para os tempos em que vivemos. A intenção não é substituir a educação presencial.

E mais uma coisa: não estamos sendo pagos por isso. Pedimos: a) um relacionamento de cooperação com a instituição; b) os recursos humanos necessários para trabalhar no projeto. Isso significa muito mais que dinheiro: alivia a carga de trabalho para alcançar uma democracia melhor e também dá o exemplo para outros projetos.

Pretendemos que nosso plano se torne um exemplo que possa ser replicado em outros lugares, tanto na Espanha quanto na Europa, bem como um piloto que possa ser aplicado em outras administrações.

O plano abrange três linhas principais de ataque: servidores, ferramentas e treinamento.

  1. Servidores seguros que respeitam os direitos humanos: o armazenamento na nuvem deve ser tecnologicamente seguro e respeitar os regulamentos de proteção de dados e outros direitos humanos, como a presunção de inocência.
  2. Suite for Education: incorporar ferramentas com código auditável como parte de um pacote, com o software existente no momento que oferece o mesmo tipo de recursos fornecidos pelos suítes fornecidos por grandes empresas.
  3. Treinamento digital para a comunidade educacional: por um lado, uma força-tarefa para implementar o pacote e, por outro lado, atualizar a estrutura mental das instituições ao oferecer treinamento digital. Nosso slogan vale repetir: não devemos ser encadernadores nem exorcistas (embora essas pessoas tenham seu lugar); precisamos de uma cultura e conhecimento críticos.

Para saber mais sobre o plano, clique aqui. Vamos ao trabalho!

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData