democraciaAbierta

Greta e a crise climática: precisamos de um plano

"É o começo de uma extinção em massa e tudo o que vocês fazem é falar de dinheiro e contos de fada sobre um eterno crescimento econômico. Como se atrevem?" Español English

DemocraciaAbierta
26 September 2019
Greta Thunberg en el Parlamento Europeo en 2019. Wikimedia Commons.

Greta Thunberg, com uma determinação difícil de imaginar em uma garota de 16 anos, disse na cúpula das Nações Unidas: “É o começo de uma extinção em massa e tudo o que vocês fazem é falar de dinheiro e contos de fada sobre um eterno crescimento econômico. Como se atrevem?"

É exatamente isso, são esses "contos de fadas sobre um eterno crescimento econômico", que devem ser radicalmente questionado, se quisermos ser honestos com o que realmente está acontecendo no planeta.

No ano de 1960, 3,1 bilhões de pessoas habitavam este mundo. Hoje são 7,7 bilhões. No mesmo período, a taxa de crescimento diminuiu consideravelmente, de 1,86% para 1,08%. Ainda assim, somos 4,6 bilhões a mais de seres humanos na Terra, crescendo a uma taxa de 155 pessoas por minuto, de acordo com a página worldeters.info, que mantém uma contabilidade em tempo real.

No minuto em que você terminar de ler este editorial, teremos cerca de 1500 pessoas a mais na Terra.

Se o sistema da vida e o modelo econômico não mudarem radicalmente, quando chegarmos a 9 bilhões em 2037, Greta terá 34 anos, mas o mundo, como o conhecemos, não existirá mais.

Por isso apresentamos algumas chaves para entender a crise que estamos enfrentando e a urgência de elaborar um plano para a sobrevivência coletiva do Planeta Terra.

O planeta não aguenta mais

"Ela parece feliz", disse Donald Trump sobre Greta, em uma nova demonstração de seu cinismo ilimitado, na Assembléia Geral das Nações Unidas em Nova York. Ele definitivamente não entendeu nada.

É esse crescimento invasivo, descontrolado e industrializado que acabará nos matando

O problema é a visão do mundo e da economia encarnada pelo presidente-empresário imobiliário americano, compartilhada por milhões no resto do mundo, que gostariam de ficar tão ricos quanto ele.

O planeta não pode mais suportar a carga demográfica na mesma taxa de predação e consumo de antes. É esse crescimento invasivo, descontrolado e industrializado que acabará nos matando.

A miragem do crescimento infinito nos levou, de fato, muito longe. A ideologia do enriquecimento coletivo tornou-se hoje uma distopia, e o ideal da modernidade definitivamente entrou em crise. O surgimento do capitalismo na forma de globalização está se transformando em um crescimento defensivo de um tribunal nacionalista que leva ao desastre.

Autoritarismo joga lenha na fogueira

A recente ascensão do autoritarismo, que apela para fechar fronteiras ao redor da pátria e se defender contra invasões migratórias ou comerciais, está multiplicando o desequilíbrio e a falta de solidariedade entre os povos.

"O mundo não pertence aos globalizadores, mas aos patriotas", trovejou Trump na Assembléia Geral. "É falácia dizer que a Amazônia é patrimônio da humanidade", Bolsonaro disse no mesmo fórum.

Parece uma competição ver quem é mais macho alfa, mais patriótico, mais egoísta e protetor dos seus (ou o do que é seu) às custas de todos os outros

Parece uma competição ver quem é mais macho alfa, mais patriótico, mais egoísta e protetor dos seus (ou do que é seu) às custas de todos os outros.

Essa reação defensiva é, no fundo, destrutiva. Vozes e propostas surgem em todas as partes para tentar parar o trem antes que caia no abismo pela ponte quebrada.

Proliferam propostas como pós-capitalismo, economia verde, economia circular, reforma radical do capitalismo, crescimento lendo (ou slow growth), decrescimento (ou de-growth), acabar com as energias fósseis, tecnologias limpas, a transição ecológica. Todas são propostas para sair da armadilha, mas sem mudar radicalmente o sistema.

No momento em que todos os alarmes disparam, parece não haver vontade política de levar a sério o que está acontecendo. Os negacionistas se deleitam diante do espetáculo de líderes mundiais divididos e confrontados, e de grandes e pequenas empresas cujo único objetivo, abençoado por todos, é crescer, ganhar e acumular dinheiro e riqueza, em detrimento dos recursos naturais extraídos sem controle e vendidos no mercado. Mercado de ações global darwinista de competição e ganância.

Precisamos de um plano

Uma coisa é certa: em pouco tempo, uma parte da opinião pública percebeu a dimensão da catástrofe, e começou a reagir e exigir ações efetivas.

Nesse sentido, o fenômeno Greta Thunberg, além do seu apelo mediático, é sintomático de que algo está mudando nas consciências de muitos, e o velho ambientalismo, nascido nos anos sessenta com o feminismo, outro grande fator de mobilização global, está se renovando e reivindica ações imediatas.

Não há dúvida de que é necessário um plano global mais abrangente que os Acordos de Paris e que consiga levar a discussão além dos debates de direita ou de esquerda

Não há dúvida de que é necessário um plano global mais abrangente que os Acordos de Paris e que consiga levar a discussão além dos debates de direita e de esquerda, de cosmopolitas a nacionalistas, em direção a um debate honesto e reflexivo.

A política global não deve estar sujeita a ideologias, porque cedo ou tarde afetará todos os habitantes do planeta. Mesmo aqueles que, seduzidos pelo tecno-otimismo de Youval Noah Harari, que esconde uma visão profundamente perturbadora do futuro, enfrentam uma distopia de um futuro alterado, onde apenas os muito ricos podem ter uma chance.

Vivemos em um esquema mental dedicado ao curto prazo. Vimos um crescimento e desenvolvimento econômico sem precedentes na história da humanidade, que tirou centenas de milhões da fome e da miséria material. Além disso, o espírito do capitalismo e da modernidade nos diz: por que se preocupar se daqui a cem anos todos estaremos mortos, se o importante é o aqui e agora, e o que importa é a família e a própria tribo? Como reagir?

A saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris sobre o clima destacou a irresponsabilidade da direita mais radical e nacionalista. Mas causou uma crise política que nos obriga a pensar politicamente.

Precisamos de um plano para a sobrevivência da Terra porque, como diz Bruno Latour em seu ensaio "Onde aterrizar", os poderosos estão convencidos de que a ameaça ecológica é real e que, para sobreviver, devem abandonar a ideia de um futuro comum. Assumiram a catástrofe, e parece não se importar.

Diante disso, Latour argumentar que se deve dar um papel central à mutação ecológica e elaborar um plano para saber como habitar a Terra, como e onde aterrizar essa loucura.

O poder da mensagem de Greta não está tanto em seu dramático apelo à ação, mas em sua capacidade de colocar os líderes mundiais diante do espelho de sua vaidade, sua irresponsabilidade, sua estupidez e arrogância suicida.

As mobilizações que Greta lidera hoje em dia abrem as portas para a consciência: precisamos de um plano!

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram