democraciaAbierta

EUA pagam 775 dólares por pessoa por dia para manter crianças em jaulas

Alguns parlamentares do Partido Democrata e candidatos presidenciais dos Estados Unidos tentaram visitar um campo de detenção de imigrantes privados para crianças na quarta-feira, 26 de junho de 2019. O local em Homestead, na Flórida, é um dos listados em instalações superlotadas e perigosamente insalubres em todo o país. Depois de negada suas entradas, os oficiais usaram a oportunidade para entrevistar os manifestantes que solicitavam o fechamento do campo. Español English

Danica Jorden
8 July 2019
Criança detida em uma jaula nos Estados Unidos.

Na véspera, a Câmara dos Deputados havia aprovado US$ 4,5 bilhões em financiamento de emergência para abrigar refugiados e imigrantes, e um dia depois, o Senado aprovou uma solicitação similar de US$ 4,6 bilhões. A proposta da Câmara destina a maior parte do dinheiro para o cuidado de crianças migrantes e refugiadas, que às vezes estão desacompanhadas, mas geralmente são separadas de suas famílias quando se apresentam ou são presas pela Patrulha de Fronteira dos EUA. O financiamento contém estipulações sobre o nível de cuidado que o governo deve oferecer.

Mas o governo federal já paga à corporação Caliburn International US$ 775 por dia para cada uma das 3.200 crianças detidas em Homestead, totalizando surpreendentes US$ 2,5 milhões por dia. A corporação também administra outros três centros no Texas.

Enquanto isso, centenas de outras crianças estão definhando em ônibus que levam a lugar nenhum, partindo e retornando a um campo de detenção público em Clint, Texas, depois que advogados foram à imprensa para criticar as condições hediondas do acampamento. Os advogados descreveram ter entrevistado crianças com roupas sujas e cabelos emaranhados que disseram estar dormindo direto no concreto; desnutridas, sujas, acometidas por doenças e sujeitas a punição irracional. O Escritório de Reassentamento de Refugiados (ORR) também gasta os mesmos US$ 775 por criança por dia em Clint.

Segundo disse um dos advogados, Warren Binford, 86% dessas crianças têm pais ou outros responsáveis nos Estados Unidos e, portanto, não precisam estar no centro, embora já estejam detidos por períodos que vão de três semanas a três meses. Como em Homestead, os advogados não foram autorizados a visitar as instalações.

A senadora e candidata presidencial democrata Kamala Harris faz uma declaração para a mídia fora do Centro de Detenção de Homestead em 28 de junho de 2019 em Homestead, na Flórida. | Foto: Jennifer King/MIami Herald/TNS/Sipa USA

Caliburn, a empresa que administra Homestead, tem poderosas conexões com o governo federal e, especialmente, com os militares dos Estados Unidos. Logo antes de assumir o cargo de chefe da Segurança Nacional (Homeland Security) e, depois, chefe de gabinete do presidente Donald Trump, o general John Kelly integrava o conselho de administração da empresa de investimentos que agora controla Caliburn. Ele retornou à diretoria de Caliburn imediatamente após sua renúncia do governo. Outro general e dois almirantes também estão na diretoria.

Em comparação, o governo federal durante a administração de Obama alugava leitos para imigrantes adultos detidos em presídios em estados como Illinois e Wisconsin a preços a partir de US$ 65 por noite. Em 2018, o Chicago Sun-Times chamou o programa - que trazia para o condado de McHenry County $95 por noite - de "vaca leiteira".

Embora os legisladores não conseguiram acesso para ver a instalação de Homestead na quarta-feira, o futuro membro da diretoria, o general Kelly, foi fotografado fazendo um percorrido do acampamento em abril em um enorme carrinho de golfe. Caliburn confirmou que ele entrou para a empresa em maio.

Os US$ 4,5 bilhões foram aprovados por deputados democratas como uma maneira de diminuir o sofrimento, com a maioria dos republicanos votando contra o financiamento porque não continha dinheiro para o muro de Trump

A menos que as condições tenham mudado significativamente em um mês, Kelly obviamente gostou do que viu: as condições que a senadora Elizabeth Warren chamou de “prisão”, onde viu crianças tristes e desatentas tendo que fazer o que ela caracterizou de marcha militar.

"Nós vemos uma imagem muito diferente", disse a diretora do Centro Nacional de Direito da Juventude, Leecia Welch, em fevereiro. "Nós vemos crianças extremamente traumatizadas, algumas das quais sentam-se à nossa frente e não conseguem parar de chorar com o que estão vivendo”.

Os US $ 4,5 bilhões foram aprovados em sua grande maioria por deputados democratas como uma maneira de diminuir o sofrimento, com a maioria dos republicanos votando contra o financiamento porque não continha dinheiro para o muro de Trump. Apenas quatro democratas votaram contra a medida, todas mulheres não-brancas. As deputadas Alexandria Ocasio-Cortez, Rashida Tlaib, Ayanna Pressley e Ilhan Omar emitiram um comunicado conjunto, no qual escreveram: “É absolutamente impensável considerar a possibilidade de dar mais um dólar sequer para facilitar os esforços de deportação desse presidente que abusa abertamente dos direitos humanos e que se recusa a aceitar qualquer responsabilidade pelos seus atos”.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram