democraciaAbierta

Mídia tradicional em tempos de coronavírus: uma crise no pior momento

A crise enfrentada pelos meios de comunicação foi agravada pela chegada da pandemia de Covid-19 e pelo colapso do mercado, justamente quando são necessárias informações de alta qualidade e comprovadas. Español

DemocraciaAbierta
17 April 2020
Alain Pitton/NurPhoto/PA Images

Os ajustes drásticos que a mídia tradicional está enfrentando se intensificaram nas últimas semanas com a aceleração de demissões e fechamentos, que já vinham acontecendo em muitos lugares. O caso dos ajustes na revista SEMANA na Colômbia foi especialmente controverso.

O pior é que a crise pela qual a mídia tradicional está passando não tem uma, mas várias razões: econômica, ideológica, política e até de valores, e o coronavírus parece ter chegado no pior momento. De acordo com uma pesquisa de 2018 de diferentes organizações públicas e privadas, a mídia é a organização em que as pessoas mais confiam na América Latina. E, no entanto, essa crise da Covid-19 pode levar o que resta de um pilar da democracia, como a imprensa.

O que faz disparar os alarmes?

No mês de março, uma das mídias mais prestigiadas e tradicionais da Colômbia, a revista SEMANA, demitiu Daniel Coronell, um de seus mais respeitados colunistas, o que levou vários outros colunistas a rescindir sua coluna em solidariedade enquanto o próprio colunista contou as razões por trás de sua demissão. A demissão ocorreu logo depois de encerrar várias de suas publicações mais especializadas, como a renomada Revista Arcadia, um fechamento que foi fortemente criticado.

Igualmente surpreendente foram várias das manchetes publicadas por este meio como parte da cobertura da pandemia de Covid-19. Por exemplo, sua última capa em 13 de abril diz: “A corrida pela vacina. Uma competição científica como essa não é vista desde a conquista do espaço. A vitória estratégica mudará o jogo mundial. Estes são os detalhes da façanha." Esta manchete chama a atenção por vários motivos: por ser alarmista, sensacionalista e por ser falso. A mídia internacional respeitada, como o New York Times, Foreign Affairs e a Science Magazine, destacou como essa pandemia resultou em uma colaboração científica nunca vista antes, algo que os próprios cidadãos testemunharam.

A SEMANA está longe de ser a única. Ainda ontem, 15 de abril, o El Espectador, um meio colombiano tradicional, publicou uma peça gráfica afirmando que o coronavírus sobrevive de 3 horas a 3 dias em diferentes superfícies, uma afirmação completamente enganosa. O próprio estudo que El Espectador cita explica como apenas 0,1% do vírus sobrevive em superfícies, tornando a infecção quase impossível, como já havíamos dito no Democracia Abierta.

3.png

Esse fenômeno não é exclusivo da América Latina. A Fox News, rede de notícias dos EUA, muito próxima da extrema direita, promoveu tratamentos que não são apoiados por evidências científicas comprovadas, afirmou que a Covid-19 não é pior que uma gripe e chegou ao ponto de afirmar que o coronavírus é uma farsa dos democratas para derrubar Trump – algo pelo qual estão enfrentando uma ação judicial. Até a CNN, outra rede de notícias dos EUA com foco político, contraria as regras elementares de ética jornalística que impedem estereótipos e racismo, chamado o coronavírus de "vírus da China".

O que une todos esses casos é a sensacionalização do conteúdo. A mídia tradicional tentar chamar a atenção, seja onde for e a qualquer custo, independentemente dos valores subjacentes ou das consequências, em meio a uma concorrência acirrada com o jornalismo amarelo e a proliferação de blogs enganosos na internet.

Um estudo do Public Interest Research Centre criticou o aumento do uso de metáforas de guerra para falar sobre o coronavírus: invasão, inimigo, confinamento, escalada, frente de batalha, entre outros. Como disse Simon Jenkins no The Guardian: “A guerra é o último recurso de uma nação que enfrenta um colapso existencial. Envolve violência extrema. Palavras como batalhas, lutas, inimigos e ameaças às nações visam claramente aumentar o poder e suspender a liberdade. Promovem xenofobia e ataques contra supostos 'agentes inimigos', hoje comunidades asiáticas. Promover essas ideias baixo a retórica de 'pior cenário' é indesculpável."

A mídia tradicional tentar chamar a atenção, seja onde for e a qualquer custo, independentemente dos valores subjacentes ou das consequências

O que está por trás da crise?

O modelo de negócios da imprensa sofreu bastante devido à proliferação da internet. Embora muitos tenham tentado se reinventar, esse tem sido um caminho difícil. Alguns começaram a cobrar por seu conteúdo online, como The New York Times ou SEMANA. Outros pedem doações, como o The Guardian, cujo modelo de negócios é diferente, pois se baseia nos retornos de um fundo financeiro que remonta ao século XVII, o Scott Trust Fund. De qualquer forma, o modelo de negócios baseado na venda de edições impressas e publicidade está em profunda crise e foi difícil para todos. O novo acionista do grupo SEMANA admitiu estar procurando um modelo como o da Fox News que seja lucrativo, mesmo que não seja tão informativo.

Portanto, permanece uma profunda reflexão sobre os valores que devem orientar a mídia. A ética jornalística e a vocação de serviço essencial para garantir o direito à informação dos cidadãos na democracia nunca devem ser esquecidas. Ao rescindir sua coluna em SEMANA, Daniel Samper Ospina escreveu: “O chefe do jornalista não é o dono do meio para o qual trabalha, mas seus leitores; o patrimônio real de uma editora não são seus ativos e lucros, mas sua independência e credibilidade."

Se continuarmos a acreditar que a mídia é o quarto poder, ela deve ser exercida, acima de tudo, com responsabilidade e deontologia. A questão dos valores é central para decidir o que publicar, como relatar e onde fazê-lo. É o mínimo que nós, jornalistas, devemos ao público, especialmente em tempos de pandemia em que a qualidade e o rigor das informações são fundamentais para superar a emergência sanitária. Esse mínimo é o que muitos meios de referência começaram a descartar em favor de agendas políticas ocultas ou priorizando o benefício de seus donos e partes interessadas, em primeiro lugar.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData