democraciaAbierta

A migração interna forçada cresce na Venezuela

Embora a qualidade dos serviços públicos e do transporte em Caracas tenha piorado, ainda são melhores do que nos outros 23 estados do país. Como consequência, estamos vendo ondas de migração interna forçada para a capital. Español, English

Ahiana Figueroa
5 November 2019
Terminal de ônibus em Caracas.
|
Foto: Tal Cual Digital. Todos os direitos reservados.

“Eu vim de Trujillo porque precisava arrumar um emprego, mas também porque a vida está ficando muito difícil. Mesmo que as pessoas trabalhem, elas não têm gás, eletricidade ou gasolina. Cozinhar alimentos se tornou uma tarefa titânica. Primeiro temos que comprar o que dá, depois fazer que seja suficiente, e então precisamos procurar lenha ou carvão para cozinhar. Isso não é um conto, é assim”.

A afirmação de Rebeca Torres, uma caixa de 24 anos em uma padaria na Avenida Rómulo Gallegos, em Caracas, demonstra a nova fase em que a migração entrou na Venezuela: deslocamento interno. Após a saída de mais de 4 milhões de pessoas, segundo dados de organizações internacionais, muitos dos que ficaram no país decidiram deixar suas casas dentro do país para ir às grandes cidades, especialmente Caracas.

Rebeca, que conseguiu concluir seus estudos do ensino médio em Boconó, uma cidade turística e agrícola dos Andes venezuelanos, agora tenta juntar dinheiro para enviar a sua mãe e dois irmãos mais novos, um deles em cadeira de rodas devido a uma doença. "Para levá-lo ao médico para os check-ups, temos que usar o carro do meu tio. O ruim é que o carro passa mais tempo parado por falta de gasolina, então temos que esperar até que ele consiga comprar", diz ele.

Trujillo faz fronteira com os estados de Barinas, Lara, Mérida, Portuguesa e Zulia, precisamente com as regiões mais afetadas pela crise em serviços públicos como eletricidade, gás, água e telecomunicações, mas também devido à falta de combustível e dinheiro. Por outro lado, falhas na internet e sobrecarga de plataformas bancárias impedem pagamentos através de pontos de venda, causando o fechamento de negócios e, portanto, a impossibilidade de fornecer produtos. Por isso, se mudar para uma área próxima ao seu estado natal não era uma opção para Rebeca.

Embora a qualidade dos serviços públicos e do transporte em Caracas tenha piorado, ainda são melhores do que nos outros 23 estados do país. Como em Miranda (quatro de seus municípios fazem parte da Grande Caracas), há escassez pontual de gasolina, mas no interior as pessoas precisam inscrever-se em longas listas para comprar combustível ou esperar até dois dias na fila para abastecer em postos de gasolina.

Como Rebeca, muitos se mudaram para Caracas em busca de emprego, especialmente aqueles que pagam melhores salários ou em dólares. Especialistas consultados acreditam que o que está acontecendo hoje na Venezuela é uma migração interna e não um deslocamento, já que as pessoas se mudam para áreas geográficas diferentes daquelas em que vivem com a intenção de permanecer no novo local. Explicam ainda que a migração rural para zonas urbanas que ocorreu em anos anteriores agora se tornou uma migração urbana para urbana.

"No interior do país, não há emprego aprimorado, as empresas fecharam suas portas porque quebraram ou deixaram a Venezuela e não há um setor de serviços tão amplo quanto possível nas grandes cidades. As pessoas precisam sair para encontrar tudo o que não tem onde moram, além de ter perdido a qualidade de vida", afirma Claudia Vargas, socióloga e pesquisadora da Universidade Simón Bolívar (USB)

Anfrer López, 31 anos, mudou-se há um ano e três meses para Caracas de El Tigre, Anzoátegui, um dos estados petrolíferos no leste da Venezuela. Ele diz que sua situação de emprego piorou depois que a produção de petróleo começou a cair drasticamente.

Ele trabalhou em uma empresa que presta serviços à PDVSA, mas após a paralisação das brocas e, portanto, a extração de petróleo, a empresa teve que demitir muitos trabalhadores. A cidade está logo acima do cinturão de petróleo do Orinoco, e a Divisão de Petróleo Oriental da Venezuela foi por vários anos a que mais produziu na indústria, de modo que El Tigre estava emergindo como uma cidade grande.

"Durante muito tempo tentei encontrar outro emprego em El Tigre que me ajudasse a sustentar meus quatro filhos, mas não consegui, o que me fez decidir ir para Caracas, tive que me mudar para Caracas".

"Durante muito tempo tentei encontrar outro emprego em El Tigre que me ajudasse a sustentar meus quatro filhos, mas não consegui, o que me fez decidir ir para Caracas, tive que me mudar para Caracas"

Anfrer estudou até o quinto semestre de engenharia de telecomunicações na sede da Unefa (Universidade Nacional Experimental das Forças Armadas Bolivarianas) em El Tigre, então outra razão pela qual ele se mudou para a capital com seu filho de 12 anos, era para continuar sua carreira. "Nesta cidade (Caracas), existem mais oportunidades de melhores empregos e estudos".

Migração forçada

No passado, grandes massas saíram do interior do país em direção às grandes cidades em busca de uma vida melhor. Mas hoje o principal fator de migração é a crise generalizada no país e a deterioração da qualidade de vida. Recentemente, o Observatório Venezuelano de Conflitos Sociais indicou que 708 protestos por diferentes razões foram relatados em todo o país em setembro passado. Desse número, 245 foram devido a falhas no serviço público: 118 protestos pediam água potável, 99 eletricidade e 28 gás doméstico.

"No passado, houve uma migração rural-urbana através de um processo de industrialização no país que foi benéfico para muitos. Ou seja, foi um movimento relacionado à economia do petróleo e ao desenvolvimento dos setores de serviços e comércio. Obviamente, as pessoas que deixaram as zonas rurais para a cidade encontraram melhores benefícios em termos de renda e qualidade de vida", lembra Vargas.

O sociólogo explica que hoje existe uma migração forçada porque a situação nas regiões é duas ou três vezes pior do que nas principais cidades, principalmente Caracas.

Ele ressalta que a falta de serviços impede que, mesmo que a pessoa queira continuar com sua rotina ou dinâmica de vida, como ir à escola, ensinar ou abrir seus negócios, não pode fazê-lo porque não possui as condições mínimas necessárias para isso.

"Isso a obriga ou força a deixar esse lugar por outro onde pode ter melhores oportunidades. Entre os custos que você tem em primeiro lugar, é gerada uma ruptura social igual a da migração externa, uma ruptura do tecido social com sua casa, sua família, sua atividade econômica porque eles não necessariamente emigram como família", diz o pesquisador da USB.

Ramón Piñango, sociólogo e professor do Instituto de Estudos Superiores em Administração (IESA), concorda que as causas da atual migração interna são diferentes daquelas que motivaram as pessoas a deixar áreas rurais no passado.

Existe uma migração forçada porque a situação nas regiões é duas ou três vezes pior do que nas principais cidades, principalmente Caracas

"Podemos estar vivendo uma nova migração rural-urbana no sentido tradicional do termo que foi vivido nos anos 60, de pessoas que vieram do campo para Caracas", diz ele.

Inicialmente, aqueles que se mudaram para Caracas eram aqueles que já haviam decidido ir para o exterior; portanto, eles precisavam estar na capital para processar todos os documentos necessários para morar em outro país, como registros educacionais e criminais, todos devidamente apostilados.

Por outro lado, muitas das pessoas que migraram para a capital mudaram-se para as casas de parentes que deixaram o país. Dessa forma, eles cumprem dois objetivos: buscar uma melhor qualidade de vida, enquanto cuidam das casas.

Na opinião de Piñango, existem dois tipos de pessoas que se mudam internamente: aqueles que viajam do interior para Caracas por conta própria e aqueles que são forçados por seus parentes. “Os pertencentes ao último grupo que têm filhos em Caracas são trazidos por eles, que não querem que seus pais continuem trabalhando. Muitas pessoas do interior não gostam da vida da cidade grande".

Esta é a história de duas irmãs, ambas de 80 anos, que moravam em Maracaibo, no principal estado petrolífero da Venezuela, que tiveram que abandonar tudo o que construíram em suas casas por anos para se mudarem para Caracas, porque a situação se tornou insustentável.

"Elas foram morar na casa de outra irmã que vive em Caracas há muitos anos", diz quem chamaremos de Humberto (para não ser identificado), irmão das maracuchas, como são chamados os nascidos na cidade de Maracaibo, que nos últimos anos sofre a pior crise de sua história

Maracaibo é considerada uma cidade fantasma por causa dos constantes apagões que deixam a população sem eletricidade por várias horas e até dias, o que afeta o abastecimento de água, bem como a internet, pontos de venda e telefonia telefone celular. Muitos dormem fora de casa devido ao intenso calor da região, embora outros não se atrevam, principalmente os idosos mais afetados por terem sido deixados sozinhos após a migração dos filhos.

Os empresários e industriais do estado de Zulia se declararam em situação de emergência, pois muitas empresas tiveram que paralisar suas operações devido à falta de energia e à incapacidade de usar o sistema de pagamento bancário, o que reduziu o fornecimento de alimentos e medicamentos.

Os custos

Mais do que os custos monetários necessários para se deslocar de uma cidade para outra, a socióloga e pesquisadora da USB Claudia Vargas explica que há uma perda de raízes familiares, mas também consequências nos lugares para onde se mudam.

Se eu estivesse em outro país, não chegaria em sete ou oito horas para vê-las. Preferi tentar a vida no meu próprio país

É o caso de Anfrer, que lamenta não poder passar mais tempo com suas três filhas, mas sabe que em cerca de sete horas de viagem poderá vê-las novamente, que mora em El Tigre com sua mãe. "Os quatro são muito apegados a mim, meu filho está estudando aqui em Caracas e suas irmãs ligam de vez em quando. Se eu estivesse em outro país, não chegaria em sete ou oito horas para vê-las. Preferi tentar a vida no meu próprio país”.

Ao chegar em Caracas, Anfrer já tinha um lugar para morar, pois sua tia e avó decidiram dar-lhe hospedagem. "Ajudamos um ao outro, estamos lentamente tentando seguir em frente. Sim, temos problemas com a água e bem, temos que sair a procurá-la", diz ele, apesar de dizer que se sente muito melhor em Caracas mesmo tendo que andar com "com quatro olhos” pela insegurança.

Ele afirma que, mesmo que a situação econômica e as condições de vida do país melhorem, "talvez sim ou talvez não" retorne à sua cidade natal. "Caracas é muito melhor que El Tigre em relação aos serviços públicos. Muito melhor. Em El Tigre, o maior problema é que podemos ficar sem eletricidade por até dois ou três dias".

Claudia Vargas argumenta que uma consequência da migração interna é o aumento da densidade populacional, que se reflete na limitação e colapso dos serviços públicos. "Não vamos dizer que um congestionamento interno em relação às cidades e, especialmente, Caracas, esteja afetando a qualidade de vida de seus habitantes, mas podemos perceber qualitativamente que há mais dinâmica diária".

Ramón Piñango concorda que esse tipo de deslocamento populacional agravará a situação das cidades e, especialmente, de Caracas.

Assim como a migração externa, a interna continuará a aumentar porque as medidas necessárias não estão sendo tomadas para reverter essa situação

"Haverá problemas de adaptação das pessoas que decidem ir para as cidades obviamente, mas elas também poderão fazer colapsar serviços como água, eletricidade, banheiros já sobrecarregados", diz o sociólogo.

A quantificação de como tem sido a migração interna no país ainda é uma questão que não foi trabalhada por nenhuma agência privada ou centro educacional, nem há dados oficiais. No Instituto Nacional de Estatística (INE), que é o órgão que pode checar essas informações, não existem dados, mas a migração interna é um fenômeno que até agora só foi observado qualitativamente e, segundo especialistas, aumentará.

"Assim como a migração externa, a interna continuará a aumentar porque as medidas necessárias não estão sendo tomadas para reverter essa situação. Exceto os casos de pessoas que vivem na fronteira, a população precisa procurar um salário melhor para sustentar sua família e uma das opções é migrar precisamente daquele local que não lhe permite realizar essas ações", afirma Vargas. "Este é um fenômeno que será cada vez maior, mais intenso, cada vez mais forte", diz Piñango.

O sociólogo menciona um novo elemento que poderia estar gerando essa migração interna dentro do país. Ele acredita que o fenômeno das pessoas que decidiram vir para Caracas está começando a ocorrer, devido ao medo que sentem pela crescente presença de grupos irregulares, especialmente em Táchira e Apure. "Eles poderiam estar fugindo de grupos irregulares como as FARC e o ELN e por causa da incerteza que isso implica".

De qualquer forma, é um fenômeno sem precedentes herdado da crise política e econômica que o país vive há dois anos e cujas consequências os especialistas não especificam. Resta saber se o XV censo nacional da população e da habitação consegue retornar ao INE sua capacidade estatística de medir essa variável demográfica.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram