democraciaAbierta

#EstãoNosMatando relatório da Global Witness não mostra melhora

Segundo o novo relatório da Global Witness, em 2018, uma média de mais de três ativistas e defensores ambientais foram mortos por semana. Assassinatos e destruição de terras continuam impunes, enquanto ativistas são tachados de criminosos. Español

DemocraciaAbierta
5 August 2019
Um graffiti de um ativista indígena em Hanover, na Alemanha.

O relatório deste ano da Global Witness, intitulado “Inimigos do Estado – Como Governos e Empresas Silenciam Protetores da Terra e do Meio Ambiente”, alerta para um mundo em que ser ativista ambiental é cada vez mais perigoso.

Um dos fenômenos preocupantes destacados no novo relatório é a crescente criminalização de defensores e ativistas por governos em todo o mundo como forma de justificar os ataques contra eles. Ativistas e organizações indígenas que trabalham para protegê-los são os alvos mais vulneráveis aos ataques dos sistemas judiciais. O cenário só piora com o surgimento de governos populistas autoritários que reprimem abertamente o protesto e ameaçam os direitos humanos.

Segundo o relatório de 30 de julho, em 2018, uma média de mais de três ativistas e defensores ambientais foram mortos a cada semana. Assassinatos e destruição de terras continuam impunes, enquanto ativistas são tachados de criminosos.

Por isso, apresentamos tudo o que você precisa saber sobre o último relatório sobre ativismo ambiental e seus riscos na América Latina e além.

Um cenário preocupante na América Latina

Mais uma vez, a América Latina surge como a região mais perigosa para os defensores do meio ambiente no mundo: 5 dos 10 países mais perigosos estão na América Latina e metade de todos os assassinatos de 2018 aconteceram na região.

A grande maioria dos assassinatos tem ligação com as indústrias de mineração e extrativismo, agronegócio e construção de barragens - fenômenos cada vez mais comuns na América Latina

A Colômbia ocupa o segundo lugar com um total de 24 assassinatos, seguidos pelo Brasil, Guatemala, México e Honduras. O Brasil cai do primeiro lugar no ano passado para o quarto lugar com 20 assassinatos; na Guatemala 16 foram relatados, no México 14 e em Honduras 4.

A grande maioria dos assassinatos tem ligação com as indústrias de mineração e extrativismo, agroindústria e construção de barragens - fenômenos cada vez mais comuns na América Latina. Na Colômbia, relata-se que a ocupação de terras por paramilitares e gangues criminosas - que antes eram controladas pelas FARC - representa uma séria ameaça aos defensores do meio ambiente, levando a Colômbia a ser o país mais perigoso na região para os ativistas.

O novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, também representa uma séria ameaça aos defensores do meio ambiente devido a sua política de exploração de reservas indígenas com projetos de mineração, agricultura e infraestrutura. Várias invasões de terras indígenas já foram reportadas por pessoas envolvidas em projetos com apoio do governo e uma invasão na semana passada resultou no assassinato de uma líder indígena, Emyra Wajãpi, de 68 anos.

Na Guatemala, os assassinatos quintuplicaram desde o ano anterior, com destaque aos assassinatos relacionados ao projeto hidrelétrico de San Mateo Ixtatán, que está ligado a uma das famílias mais ricas e poderosas do país. As ações do presidente Jimmy Morales para impedir o funcionamento da Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala também abriram o caminho para que as ações das elites militares e econômicas contra os ativistas permaneçam impunes.

As únicas boas notícias vêm de Honduras, onde graças à atenção constante da mídia internacional sobre a situação após o assassinato da ativista Berta Cáceres em 2016, sete homens foram condenados depois de revelar-se que os principais executivos da empresa DESA, responsável pela construção da represa contra a qual Berta lutava, ordenou seu assassinato.

A criminalização de ativistas ambientais

O relatório constatou que diversos governos manipularam seus sistemas judiciais para atacar defensores do meio ambiente com casos criminais e, assim, impedirem que eles desafiem os interesses de grandes multinacionais e empresas.

A Nicarágua é um dos países que tomou medidas no ano passado para criminalizar os defensores ambientais do seu país, segundo o relatório

O objetivo é impedir protestos contra aqueles que exploram o meio ambiente, com a ameaça de receber severas penalidades criminais e punições estatais.

Os cinco estágios de criminalização dos ativistas são definidos como: 1) campanhas de difamação contra o ativista; 2) imputação de acusações criminais, muitas vezes vagas como: "perturbação da ordem pública"; 3) emissão de mandatos de prisão contra ativistas; 4) desenvolvimento de um processo judicial irregular, que muitas vezes inclui prisão preventiva; e finalmente; 5) normalização da criminalização em massa de indivíduos, grupos e organizações.

Essa estratégia inclui inclusive tachar alguns ativistas de terroristas, abusando do discurso de "segurança nacional" para intimidar os ativistas a abandonarem suas atividades.

A Nicarágua é um dos países que tomou medidas no ano passado para criminalizar os defensores ambientais do seu país, segundo o relatório. O governo aprovou uma lei em julho de 2018 que expandiu as definições de terrorismo que mais tarde foi usada contra ativistas ambientais e estudantes.

O relatório da Global Witness deste ano desvenda um cenário bastante preocupante para os defensores da terra na América Latina. Embora o Brasil tenha deixado de ser o país que mais mata os defensores, a situação lá dá todos os sinais de piorar novamente: a política agressiva do novo presidente favorece os despejos de indígenas de suas terras para beneficiar o extrativismo. A Guatemala também nos ensina uma situação extremamente difícil. Na Colômbia, o assassinato de líderes sociais teve um impacto sobre os defensores do meio ambiente e agora é o país mais perigoso de toda a região.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram