democraciaAbierta

Uma nova forma de geografia

Libertemos a nossa forma de ver a realidade, aprofundemos novos olhares e enfoques, e teremos novas ideias e perspectivas para os problemas de gestão do bem comum. English, Español

Antoni Gutiérrez-Rubí
17 April 2018
123_22_1_0.jpg

Fonte da imagem: Wikipedia. Mapa original de John Snow mostrando a aglomeração geográfica de casos de epidemia de cólera em Londres em 1854, elaborado e litografado por Charles Cheffins.

El ecosistema de_2.jpg

Este artigo é um extrato de um artigo original publicado no eBook El ecosistema de la Democracia Abierta e pode ser encontrado aquí.

Embora os mapas sejam um recurso útil em termos de poder e tomada de decisão, estamos vivendo em um momento de transformações e redefinições do que sempre chamamos de "território".

Este, que normalmente está relacionado ao conceito de espaço delimitado e definido por limites administrativos, hoje ultrapassa as geografias tradicionais.

No entanto, essas características históricas dos mapas se tornam aspectos que limitam a inovação, pois geram barreiras mentais e, muitas vezes, imaginárias.

Fronteiras que, embora provavelmente já não existam, nossos sentidos insistem em observar, devido a uma programação anterior que nos diz que devemos prestar atenção ao que está no papel.

No entanto, graças à chegada de Big Data e a possibilidade de analisar os dados, abriram-se inúmeras possibilidades que nos permitem expandir a capacidade de gerar óticas que nos possibilitam uma leitura dos interesses dos cidadãos, através da interpretação e avaliação de suas ações.

Assim, vemos claramente como as transformações digitais nos levam a mudar a ótica das coisas, levando-nos a pensar em novas formas de governar, de redefinir espaços e limites administrativos, além de novas formas de relacionamento e estratégias de comunicação e participação cidadã.

É hora de usar as ferramentas fornecidas pela tecnologia em favor do desenvolvimento de nossas cidades; compreendendo as novas realidades urbanas e sua complexidade, adaptando os instrumentos que temos às novas formas de participação e interação da sociedade.

Em conclusão, é fundamental esquecer os limites mentais que os mapas nos colocaram para, assim, poder entender as novas geografias e geometrias exigidas pelas cidades, com foco principal nas novas formas de interação que os dados nos permitem visualizar e entender.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram