democraciaAbierta

O primeiro passo para combater a desigualdade é compreendê-la

Promover a literacia económica permite aos cidadãos entender por que emergem as desigualdades e como podemos fomentar a equidade e a mobilidade social. Entrevista. Español English

Manuel Serrano João Pedro Santos
4 February 2020
Recife, a capital brasileira da desigualdade social.
|
Wikimedia Commons. Public Domain

A literacia económica é essencial. Permite aos cidadãos entender o mundo e navegar as complicadas águas da globalização. Os países também se beneficiam de ter cidadãos capazes de avaliar propostas económicas e rejeitar promessas demagógicas. Infelizmente, os cidadãos mais velhos muitas vezes desconhecem como funcionam os planos de pensões. Os mais novos sofrem para pagar a universidade e encontrar alojamento a preços acessíveis. Os votantes em geral tendem a ser incapazes de entender um jargão económico que promove um défice de entendimento. Quiçá, incluir o estudo da Economia nas escolas pode influenciar positivamente as nossas vidas. Foi para saber o que está a ser feito para promover a literacia económica que fomos a Portugal. Voltámos com uma certeza. Para encontrar soluções para as alterações climáticas e desigualdade, os currículos económicos vão ter de mudar.

Manuel Serrano: o que são as Olimpíadas da Economia? Qual é o propósito desta iniciativa e que esperam do evento deste ano?

João Pedro Santos: As Olimpíadas da Economia são a maior iniciativa de formação económica em Portugal destinadas a jovens do ensino secundário e profissional. O objectivo principal das OE é promover o gosto pelo estudo da ciência económica nos jovens portugueses, permitindo que o nível de literacia económica e financeira em Portugal evolua.

Na presente edição, alcançámos um novo máximo de escolas e alunos participantes – mais de 1750 estudantes – que nos permite ter cada vez maior impacto no sistema de ensino nacional. Acreditamos que o evento deste ano sobre a Economia Circular pode despertar a consciência dos jovens para a importância da alteração dos modelos económicos vigentes durante o século XX e para a importância da preservação de recursos como parte integrante da economia.

Manuel Serrano: a literacia económica é um dos alicerces da democracia e do debate público. Diz respeito a todos os cidadãos, e afecta todos os domínios políticos, desde o sistema de saúde à imigração. Estão os governos a fazer o suficiente para capacitar os cidadãos a participar no debate sobre que futuro queremos? Estamos a equipar os cidadãos com as ferramentas adequadas para responsabilizar os políticos pelas suas promessas económicas?

João Pedro Santos: Infelizmente, ainda não temos os governantes e dirigentes públicos despertos para a necessidade de cultivar a literacia económica, dado o receio em promover a prestação de contas. Promover a literacia económica implicará um maior escrutínio dos decisores, e essa situação parece não ser de todo desejada. Basta olharmos para a política local – nenhum cidadão sabe com clareza quanto custa à autarquia a ida à Piscina Municipal, por exemplo. Será fundamental promover a transparência na gestão pública e no reporte de informação para garantir que os cidadãos possam, de forma racional, avaliar as decisões políticas.

Manuel Serrano: a democracia exige que os políticos e os jornalistas sejam capazes de traduzir linguagem técnica e explicar a importância do tema em questão. Os representantes têm de ser capazes de simplificar sem tergiversar. Os jornalistas têm de ser capazes de explicar sem estupidificar. Contudo, os primeiros tendem a utilizar jargão para evitar o escrutínio público, enquanto os segundos muitas vezes são incapazes de definir o que é importante. Não é a literacia económica também uma forma de evitar que os políticos nos manipulem?

Acreditamos que seria fundamental podermos educar e responsabilizar tanto jornalistas como políticos, garantindo a separação entre classes

João Pedro Santos: Acreditamos que seria fundamental podermos educar e responsabilizar tanto jornalistas como políticos, garantindo a separação entre classes. Em Portugal, é evidente o peso da classe política junto dos jornalistas, levando à diminuição da liberdade de imprensa e à consequente falta de transparência e de qualidade do jornalismo português. Acreditamos que a existência de órgãos de comunicação social não dominados por pessoas e grupos com interesses políticos variados permitiria sem dúvida maior prestação de contas.

Manuel Serrano: Portugal é sexto país com maior desigualdade na União Europeia, segundo o Eurostat. Estamos a fazer o suficiente para lidar com este problema? Acreditam que iniciativas como a vossa podem consciencializar os cidadãos sobre a importância dos assuntos económicos, mais além dos défices e excedentes?

João Pedro Santos: Acreditamos que o primeiro passo para combater a desigualdade passa por compreendê-la. Promover o conhecimento dos fenómenos económicos é o primeiro a fazer para permitir que a população possa compreender como as leis económicas se comportam, porque se geram iniquidades e como se pode promover a equidade e o equilíbrio social. Pensamos ainda que a melhor forma de diminuir as iniquidades no futuro é conceder oportunidades dignas de educação e formação a todos os jovens, permitindo a mobilidade social através do conhecimento.

Manuel Serrano: a Economia é muitas vezes tida como autoritária. Tende a pôr de parte as diferenças, ignorar a cultura e promover a simplificação. Podem iniciativas como as Olimpíadas da Economia colmatar o fosso que separa os economistas dos cidadãos? O que aprenderam das últimas edições?

João Pedro Santos: A experiência das seis edições anteriores é muito positiva. Procuramos colocar os jovens a pensar os fenómenos económicos e não a recebê-los como doutrina. A escolha de temas como a Economia Social ou a Economia da Felicidade serve esse propósito, pois os jovens são encorajados a ver o mundo de forma diferente. A realidade é que temos tido respostas bastante positivas por parte dos participantes, alguns dos quais ainda estão em contacto com o projecto apesar de já terem passado vários anos.

Manuel Serrano: Estão os economistas preparados para lidar com a desigualdade, a globalização e procurar novas fórmulas para lidar com as alterações climáticas? Estão os currículos económicos adaptados à realidade? Algumas pessoas consideram que precisamos de novos jornalistas e políticos para abordar os desafios actuais. Precisamos também de novos economistas?

João Pedro Santos: Definitivamente, precisamos de novos economistas. O ensino de economia encontra-se ainda ajustado à realidade da Revolução Industrial, acreditando que Trabalho e Capital se comportam de forma análoga e que o crescimento da produção é o objectivo único da sociedade. Hoje em dia, não faz sentido continuarmos a pensar a economia como o fazíamos há 200 anos. Para mudar de paradigma, precisamos de novos políticos e novos jornalistas, mas também de novos professores. A transformação do ensino é fundamental para compreendermos que as lógicas vigentes já não fazem sentido. Acreditamos que esta mudança, ainda que demasiado lenta, já se começa a verificar.

Manuel Serrano: Iniciativas como a vossa defendem que precisamos de potenciar a literacia económica nas escolas para capacitar os cidadãos e permitir-lhes participar nos debates sobre o nosso futuro. Ainda sim, as Olimpíadas da Economia deste ano celebram-se no Cazaquistão, um país autoritário e que não respeita muitos dos direitos fundamentais dados por adquiridos em Portugal. Não é problemático promover uma discussão sobre como podemos melhorar as nossas sociedades num país que não parece interessado em garantir os direitos políticos dos seus cidadãos?

Acreditamos que a melhor forma de transformar os países é através da educação

João Pedro Santos: Acreditamos que a melhor forma de transformar os países é através da educação. Em Julho de 2019, participámos na final das Olimpíadas Internacionais da Economia em São Petersburgo e tudo correu bem. A experiência foi considerada muito positiva por todos os participantes, independentemente dos problemas políticos que o país atravessava. Sem ignorar os problemas que alguns dos países participantes padecem, acreditamos que formar os jovens é o melhor caminho para a democracia. Deveremos respeitar o empenho do Cazaquistão em promover uma iniciativa deste género, acreditando que no futuro, países como Portugal terão interesse em receber iniciativas deste calibre.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData