democraciaAbierta

O suicídio de Alan García no Peru aumenta a sombra do escândalo da Odebrecht

As réplicas do terremoto político deixado pela Odebrecht na América Latina continuam com a morte do ex-presidente peruano, Alan García. Español English

DemocraciaAbierta
24 April 2019
Manifestação anticorrupção na Guatamala. Wikimedia Commons.

As réplicas do terremoto político deixado pela Odebrecht na América Latina continuam. Com a morte do ex-presidente peruano, Alan García, que antes de ser preso decidiu disparar um tiro contra a própria cabeça, as consequências do dinheiro ilegal que a construtora distribuiu são implacáveis. Esse é um dos maiores escândalos de corrupção da história da América Latina, e ainda estamos longe de conhecer todo o seu alcance.

Argentina, Brasil, Colômbia, Equador, México, Venezuela e Peru são alguns dos países onde operava essa enorme rede de propina que, desde que um juiz brasileiro a descobriu em 2014, vem dinamitado muitos planos políticos corruptos nos governos da região. Que uma construtora brasileira tenha distribuído propinas de até US$ 788 milhões para obter favores políticos e a concessão de mais de 100 contratos de construção, principalmente em infraestruturas de obras públicas, é um crime que corrói a legitimidade das nossas democracias.

Entre todos os afetados, o Peru é um dos governos que mais avançou no combate à corrupção da Odebrecht. Com ex-presidentes como Alejandro Toledo, fugitivo nos Estados Unidos, ou a prisão do ex-presidente Ollanta Humala e a renúncia de Pedro Pablo Kuczynski há um ano, o sistema judicial peruano, que em sua época conseguiu prender Fujimori, demonstrou sua determinação em não deixar ninguém escapar impune.

Parece que a única maneira de fazer política na América Latina é receber financiamento de elites e grupos empresariais.

Demonstrar que a cúpula de poder que governa um país estava envolvida nessa rede de propina e fazer frente a corrupção em seus níveis mais altos pode ter consequências trágicas, como foi o suicídio de Alan García. Até onde chega a punição pelos crimes da Odebrecht?

Nova munição para anticorrupção

Com a politização da morte desse ex-presidente, algumas questões são novamente levantadas. Por um lado, existe a necessidade de não deixar impunes os crimes de corrupção e por outro existe a questão das limitações do poder e da dignidade de um aparato estatal peruano que não soube evitá-lo ou pará-lo. A mãe firme de vários setores e dos próprios cidadãos no julgamento e na punição da corrupção alcançaram uma investigação sem precedentes. Mas quase ninguém imaginava que chegaria aos peixes mais gordos.

A confirmação de que a Odebrecht contribuiu com dinheiro para a campanha de Alan Garcia mostra o nível que a corrupção atingiu na região. A sequestro da democracia pelas elites econômicas alcançou os níveis mais altos, conseguindo assim controlar investimentos multimilionários em infraestrutura.

Parece que a única maneira de fazer política na América Latina é receber financiamento de elites e grupos empresariais. É aí que vivem as despesas multimilionárias das campanhas que são feitas nas eleições presidenciais ou regionais, onde o que tem mais dinheiro é o que tem maior probabilidade de tomar o poder ou se perpetuar. Assim, as consequências criminais da corrupção da Odebrecht devem estimular o surgimento de novas formas de fazer política de maneira transparente e honesta: na democracia, as eleições não devem ser ganhas com dinheiro, mas com ideias e propostas políticas a favor de todos os cidadãos.

Quatro anos procurando justiça

Além do Peru, a maioria dos países envolvidos no escândalo da Odebrecht parece eternizar ou bloquear as investigações. Será que querem realmente processar aqueles que aceitaram propinas?

Na Colômbia, embora a Odebrecht tenha sido sancionada por 10 anos evitando que ela realize qualquer tipo de operação no país, as investigações para desvendar onde foram parar os US$ 26 milhões que a empresa teria pago pela concessão de obras andam em marcha lentíssima.

Na Argentina, há apenas duas semanas, um juiz finalmente processou 26 pessoas, incluindo um ex-ministro do governo Kirchner, que só agora enfrentará a justiça para continuar esclarecendo a verdade no país.

A corrupção ataca os alicerces da democracia e pode fazer com que o prédio caia definitivamente.

E no Brasil, onde o escândalo de propinas teve origem e onde o caso foi desmascarado, as sentenças levaram à prisão o dono da empresa, Marcelo Odebrecht, mas também políticos como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ainda existem muitas questões em aberto. Uma delas é até onde chega a responsabilidade não só das pessoas, políticos ou empresários de pagar e receber propinas, mas das próprias instituições estatais nesse tipo de dinâmica corrupta.

A Odebrecht nos coloca diante do espelho de uma realidade que supera os atos individuais. Muitas instituições que colaboraram com essa construtora acabaram sendo cooptadas por máfias econômicas que determinaram a dinâmica da contratação. Portanto, esclarecer completamente o funcionamento da Lava Jato e sua profunda relação com as instituições públicas é uma tarefa necessária para fixar a lição e gerar mecanismos reais de transparência e responsabilidade do Estado.

Até onde vai o esclarecimento do escândalo da Odebrecht em cada um dos países em que esteve envolvido na região? O suicídio de Alan García deveria servir como um impulso revulsivo.

É importante que a firmeza que o Peru teve seja um exemplo para os outros. Os lampejos de corrupção não devem continuar a perpetuar as estruturas de poder e desigualdade que estão minando a infraestrutura que milhões de pessoas ainda esperam na região.

A corrupção ataca os alicerces da democracia e pode fazer com que o prédio caia definitivamente.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram