democraciaAbierta

Os custos de ignorar a China

Segundo o economista mexicano Enrique Dussel Peters, a China está a converter-se rapidamente no FC Barcelona do comércio internacional, sendo crucial que os seus sócios latino-americanos entendam isto. Entrevista. Español English

Enrique Dussel Peters Robert Soutar
28 December 2016
dfg_1.jpg

Enrique Dussel Peters. UNAM. Todos os direitos reservados.

Muito antes de estar “na moda”, o economista mexicano Enrique Dussel Peters já pesquisava as relações de comércio e investimento da China com a América Latina, encontrando um conjunto substancial de estudos a respeito já remontando uns 30 anos.

Hoje, porém, novos observadores estão sendo atraídos para o assunto, em parte devido às declarações grandiosas das elites políticas sobre as parcerias Sul-Sul apoiadas pelo comércio crescente e por enormes pacotes financeiros. Mas seria bom se a mídia, os acadêmicos e os políticos estudassem as análises existentes sobre fatores e participantes que motivam esses números; fazendo isso, podem ajudar a evitar equívocos muito onerosos, afirma Dussel Peters.

Para Dussel Peters, que coordena a Rede Acadêmica América Latina -China (RED ALC-China), da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM), é fundamental compreender o funcionamento especialmente do setor público da China. E não apenas para os empresários e políticos mexicanos, que ficaram sem compreender por que três grandes projetos de infraestrutura apoiados pelos chineses, incluindo o tristemente famoso trem-bala Cidade do México-Querétaro, foram desfeitos nos últimos anos. Outras instituições latino-americanas que dão pouco financiamento às pesquisas sobre a China, ou se aproximam do país estudando as múltiplas relações Ásia-América Latina, fariam bem em enxergar o que há além dessas narrativas grandiosas – e inúteis.

Dussel Peters fala sobre o alto custo de não compreender como funcionam as relações na China, a pegada ambiental do país no México e por que ela está se tornando rapidamente no “FC Barcelona” do comércio internacional.

Robert Soutar: o senhor estuda as relações entre China e América Latina há quase 20 anos. O tema está-se a tornar cada vez mais popular, mas há muitas ideias erradas. Qual é o maior erro que se comete ao examinar o assunto?

Enrique Dussel Peters: em primeiro lugar, não é preciso reinventar a roda. As pessoas na China e na América Latina já estudam o tema há 40 anos. Podemos encontrar trabalhos sobre esse tópico no México, no Brasil, na Argentina, no Peru, e também na China. Basta começar a ler os resultados das respetivas análises. Isso para começar. E em segundo lugar, eu diria humildemente, há um romantismo quanto às relações entre a América Latina e a China. Sim, é verdade que é uma relação Sul-Sul e as pessoas esperariam, por algum motivo, que ela deveria ser diferente das relações entre América Latina e os Estados Unidos ou a Europa. Eu diria que a China não é o Sul, e a China também não é o Norte; a China tem condições e estruturas tanto do Sul como do Norte. Eu citaria, simplesmente, as palavras dos nossos amigos chineses: “Temos características chinesas e somos diferentes”. Considerar a China em termos de relações com o Sul simplesmente não é útil. Eu também diria – e observe a ironia e a crítica – que quando lhes convêm fazer parte do G77, eles são um país subdesenvolvido. Quando lhes conv^m, então fazem parte do G20, do G8, do G5 e até do G2. O que a China é em 2016 requer muito trabalho e muita compreensão. E se você achar que isso se explica por mais um indicador na lista dos 600 indicadores de desenvolvimento do Banco Mundial, então você está perdido.

RS: até que ponto o senhor acha útil um esquema triangular China-América Latina-Estados Unidos, e como ele será afetado pela eleição de Donald Trump?

EDP: concordo plenamente com esta perspetiva. Na nossa rede, temos discutido este novo triângulo – que não é apenas econômico, mas também político e cultural – não só nas relações EUA-México-América Latina-China, mas também nas relações entre EUA-Japão-China e outras. A crescente presença da China está questionando profundamente os laços bilaterais históricos. Um elemento fantasioso no argumento protecionista de Trump é que a queda da participação das exportações dos EUA para a América Latina, entre 2001 e 2014, implicou a perda de 840.000 empregos anualmente para os EUA. Mas ninguém se importou com isso. Estavam mais preocupados com os 10 armamentos que a China estava fornecendo à Venezuela. É um assunto extremamente crítico, que não se pode analisar desde uma perspetiva simplista. Nos Estados Unidos há forças muito poderosas. Já vimos crítica de Trump à Ford, por exemplo, mas há milhares de outras empresas participando dessa relação triangular. Não é possível dizer à Ford que, a partir de amanhã, ela não pode mais investir fora dos EUA – lembrando que desde a Segunda Guerra Mundial os EUA têm sido o principal exportador de capital do mundo. Não se pode acabar com isso numa semana. E se alguém quiser impor tarifas de 45% [às importações] nos EUA, terá que pagar preços substancialmente mais altos pelos bens de consumo nos EUA. Será uma discussão interessante…

RS: o rápido crescimento da China criou uma crise ambiental em que a poluição do ar, da água e do solo vem causando grandes custos econômicos e sociais. Até que ponto isso é compreendido como um fator determinante para o crescente envolvimento econômico do país no exterior?

EDP: acredito sinceramente que este é um dos fatores que impulsionam os investimentos estrangeiros diretos da China em infraestrutura e comércio exterior, mas não é o único. Há também fatores macroeconômicos – enormes reservas [financeiras] que eles investem em títulos dos EUA ou na América Latina, esperando obter um retorno elevado. Mas há também a aquisição de tecnologias, ou de pesquisa e desenvolvimento, tal como no caso da Lenovo, ou dos automóveis, ou a compra de patentes, por exemplo. Há políticas muito intensas de atualização tecnológica; portanto, não se trata apenas do ambiente. As questões ambientais envolvem a transferência da pegada ambiental para outras partes do mundo, não há dúvida. Mas eu gostaria de salientar que a China, ao contrário do Japão, dos EUA e de outros países, é extremamente pragmática. As estatais chinesas podem agir de modo muito diferente ao investir no Japão ou no México. Não é que elas, por definição, implementem baixos padrões [ambientais]; elas são bem capazes de implementar padrões muito elevados, ou muito baixos. Depende do país anfitrião. As empresas transnacionais do Japão, EUA e Alemanha sabem que pode custar muito caro não aplicar padrões internos nas empresas; por isso aplicam-nos. Se houver um escândalo na Zâmbia, isso vai custar mais do que os 10 centavos que a firma está economizando na Zâmbia.

RS: no México, três grandes projetos de infraestrutura foram cancelados. Explica a falta de compreensão sobre a China no seu país esses cancelamentos?

EDP: sim, claro. Creio que os setores público e privado do México não têm uma compreendem o setor público da China e suas implicações – e não só o México, mas também no Brasil, na Argentina e em muitos outros países. Assim, o cancelamento de um só projeto de infraestrutura resulta num congelamento geral da relação bilateral. E então, do lado mexicano eles ficam surpreendidos. Como é possível que não tenham previsto isso? A China Railway Construction Cooperation é uma empresa pública, uma empresa estatal do governo central chinês. Cancelar um projeto que faz parte da estratégia do cinturão viário da China supõe efeitos imediatos a todos os níveis. Não é surpresa nenhuma.

RS: no caso do megacentro comercial Dragon Mart havia um elemento ambiental. Os advogados argumentaram que o complexo iria danificar ecossistemas sensíveis…

EDP: creio que pode haver um forte elemento ambiental, mas não sou engenheiro nem especialista. O que lhe posso garantir é que se fosse um projeto alemão, suíço ou britânico, teria sido aprovado. Sei que Tulum, na região de Cancún, é um belo lugar. Mas as firmas turísticas espanholas e europeias destruíram a região. Elas explodiram recifes de coral e ninguém se importou. Há ONGs trabalhando nesse caso e é importante reconhecer o seu trabalho; mas neste caso, trata-se, claramente, de um sentimento anti chinês – e nem sequer foi um investimento chinês. Examinando a proposta – e nós colocámos a informação no nosso site – o projeto teria 90% de capital mexicano e 10% de capital chinês.

RS: de onde vem esse sentimento anti-chinês?

EDP:  esse sentimento anti chinês generalizado é a ignorância, e sua origem é a falta de investimentos em instituições públicas, privadas e acadêmicas. Apesar do dinamismo maciço no comércio, nos investimentos e nos projetos de infraestrutura, as organizações empresariais, o setor público, são instituições muito limitadas. Existem institutos [para estudo das relações] América Latina-Ásia, e sou muito crítico quanto a isso. A América Latina e o Caribe têm 42 países, a Ásia tem 30 países; 30 multiplicada por 40 dá 1.200; então, considerando cinco tópicos, haveria 6.000 para serem discutidos. E há apenas duas pessoas encarregadas do instituto. É uma piada. Assim, temos a ignorância, a falta de investimentos e, para ser franco, temos também o racismo.

RS: muitos na China veem o México como um concorrente nas exportações para o mercado americano. Como afeta isso o relacionamento entre ambos países?

EDF: há 50 anos havia alguma concorrência entre o México e a China em certos segmentos das cadeias de valor agregado – têxteis, eletrônicos e autopeças. Mas isso é passado. Os dois países estão em ordens de magnitude bem diferentes. Para dar um exemplo, nas exportações de fios, têxteis e vestuário para os EUA, a China tem uma quota de 40%. A quota do México é de 5%. Não existe concorrência. Há 15 anos, a proporção era 10% e 10%. E dentro desse setor temos meias de nylon e meias de seda – são produtos diferentes. Quem não conhece o assunto diria: “Ora, meias são meias”. Mas as linhas de produção são diferentes, o maquinário é diferente. As duas coisas não têm nada a ver uma com a outra. São tão semelhantes como uma bicicleta e um carro. Você pode dizer: “Os dois são bons meios de transporte”, mas é como se fosse o Zacatepec, um time mexicano de segunda divisão, jogando contra o Barcelona. Se eles perderem por 15-0, até que se saíram muito bem. Este é o jogo de hoje.

Este artigo foi publicado previamente no Diálogo Chino

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData