O presidente Jair Bolsonaro já deixou mais do que explícito seu desdém pela Amazônia brasileira. No entanto, a onda conservadora que o país atravessa não consegue impedir que ativistas arrisquem suas vidas para proteger o meio ambiente e suas florestas. Com o apoio do Rainforest Journalism Fund do Pulitzer Center e em colaboração com o fotojornalista Pablo Albarenga e a organização brasileira de jovens ambientalistas Engajamundo, apresentamos cinco histórias inspiradoras: são as vozes de quem não tem medo de defender seus territórios, mesmo quando as forças mais poderosas do país representam ameaças sérias. Español English

ednei.jpeg

Ednei: líder comunitário e ativista ambiental

Homens experientes, que conhecem a selva desde pequenos, centímetro a centímetro, recentemente deram às boas vindas a Ednei, um jovem Arapium de Cachoeira do Maró, que recentemente foi eleito também como coordenador do Conselho Indígena Tapajós-Arapiuns (CITA), uma organização que representa 45 aldeias de 13 povos indígenas diferentes pertencentes aos povos indígenas Bajo Tapajós, Rio Arapiuns, Rio Maró e Santareno Planalto. Leia mais aqui

dani.png

Dani: Ativista ambiental e de direitos LGBT+

É na comunidade da Prainha 2 que conhecemos a Dani, uma corajosa jovem que realizou um intenso exercício de busca de identidade. Um exercício que a levou ao reconhecimento da sua identidade homossexual, há muito oculta, reprimida diante da família, da comunidade e também da igreja. Leia mais aqui

Drica.png

Drica: Líder comunitária e professora

Os quilombos são formados por várias comunidades, e Drica, que foi estudar em Manaus mas retornou ao Trombetas para atuar como professora na escola do quilombo, foi recentemente escolhida para representar a associação do território, que foi criada há 18 anos por 6 comunidades para defender suas seus interesses. Leia mais aqui

joane.png

Joane: Ativista ambiental

Desde que ela era uma garotinha, Joane gostava de brincar com plásticos, diz sua mãe, professora da escola local. "Ela fazia pequenas joias, coisas para o banheiro ou vasinhos para as plantas do jardim", lembra-se enquanto limpa um peixe. Agora, graças à conscientização adquirida em vários treinamentos ambientais, Joane propôs intervir em sua comunidade. Leia mais aqui

tupi.png

Tupi: Ativista indígena

Tupi encontrou a força necessária para lutar fortalecendo sua própria identidade indígena e afirmando, ao mesmo tempo, sua feminilidade. Ele faz partes de coletivos com outras mulheres que, com coragem semelhante, estão na luta para reconhecer abusos, violações e maus-tratos através da solidariedade e da ação coletiva. Fazer parte de um movimento, aprender a liderá-lo, aprender a construir um espaço de liberdade é o que faz dessas mulheres seres excepcionais para sua comunidade. Leia mais aqui

Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram