democraciaAbierta

Quem são os responsáveis pelo ecocídio na Amazônia?

A Amazônia está sendo destruída, e isso não começa nem termina com Bolsonaro, nem com Morales ou Correa. Tem mais. Español English

Juan Manuel Crespo
19 September 2019
24 de agosto de 2019, Porto Velho, Brasil: cenas aéreas mostram incêndios em várias regiões da Reserva Florestal Jamari, perto de Porto Velho, Rondônia.
|
Foto: Dario Oliveira/Zuma Press/PA Images. Todos os direitos reservados.

O mundo se chocou no mês passado com os incêndios devastadores que espreitam principalmente as florestas amazônicas do Brasil, a Chiquitanía boliviana e os pântanos paraguaios. Aproximadamente 1.000.000 hectares de florestas de alta biodiversidade foram afetados nas últimas semanas por incêndios impressionantes e recorrentes, evidentemente provocados e sem controle.

Estamos diante de um infortúnio de magnitudes nunca vistas antes, cujas consequências são imprevisíveis. A única certeza aparente que os especialistas nos dão é que a regeneração dessas florestas para condições semelhantes pode levar mais de 200 anos. Diante desses eventos, Noam Chomsky catalogou o que está acontecendo como um "crime contra a humanidade".

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, aparece hoje como o grande culpado desse evento catastrófico, pois, desde sua campanha para presidente, ele mantém um discurso de ódio contra os povos indígenas e seus territórios, chamando-os de "obstáculo ao desenvolvimento" . Também atacou políticas conservacionistas apoiadas por organizações não-governamentais e a legislação existente contra a expansão das limitações agrícolas e pecuárias, bem como a mineração e exploração de petróleo.

Com o apoio de grandes investidores e empreendedores, Bolsonaro trouxe consigo um plano sistemático para explorar e saquear a Amazônia e qualquer outro território onde haja recursos no solo e no subsolo, argumentando que a "Amazônia é dos brasileiros".

Os dados para confirmar que os saques já começaram podem ser encontrados nos últimos relatórios do INPE que mostram que, desde o início de 2019 até julho, no Brasil, a taxa de desmatamento na Amazônia aumentou 278%. Os territórios amazônicos queimados durante esse período são estimados em 18.600 km² (62% a mais que no ano passado), aos quais devemos acrescentar os graves incêndios, que continuam.

Estamos diante de nada mais e nada menos que um "ecocídio" planejado e sistemático que deve ser julgado por toda a humanidade e os responsáveis condenados. Além do presidente do Brasil, é importante levar em consideração as pressões empresariais por trás do progresso das indústrias que desmatam a Amazônia e reivindicar responsabilidades.

Esse é um problema que transcende as ideologias políticas de "esquerda versus direita"

No entanto, é urgente estar ciente de que o desmatamento e queima da Amazônia e outros ecossistemas de alta biodiversidade que são de extrema importância para o equilíbrio ecossistêmico e a reprodução da vida no planeta não é algo que apareceu com Bolsonaro, nem será resolvido simplesmente removendo Bolsonaro do poder.

Esse é um problema que transcende as ideologias políticas da "esquerda versus direita", que são apresentadas ao público a partir de uma democracia representativa ilusória que apenas mostrou que aqueles que "representam" são realmente os poderes factuais de um sistema-mundo que está nos levando à aniquilação da vida neste planeta, incluindo a vida humana.

No caso do Brasil, durante a presidência de Dilma Rousseff (governo de esquerda), nos últimos meses de 2014 houve um aumento no desmatamento da Amazônia de 467% em comparação com os dados registrados em 2013. No total, em 2012 e 2014, segundo dados do INPE, foram desmatados aproximadamente 8.000 km². Além disso, enquanto a Amazônia brasileira queima, mais de 500.000 hectares da Chiquitanía boliviana também estão queimando devido à pressão institucionalizada da indústria agrícola (cultivo de soja e coca) e gado industrial, ambos movidos pelo governo “progressista” de Evo Morales, que promoveu a expansão da agricultura intensivas e em larga escala.

No caso da Amazônia no Equador, algo semelhante acontece. Em 2013, durante o governo do também "progressista" Rafael Correa, foi aprovada a exploração de petróleo do Parque Nacional Yasuni na Amazônia equatoriana, uma das regiões com maior biodiversidade em todo o planeta e lar de povos indígenas isolados. Além disso, o próprio Correa promoveu a expansão de blocos petroleiros e concessões de mineração em larga escala no sul da Amazônia equatoriana.

Atualmente, o novo setor de mineração em larga escala nessa região amazônica foi lançado no Equador, impulsionado pelo atual governo equatoriano, que ninguém considera ultra-direitista. No entanto, o governo está ameaçando seriamente territórios amazônicos bem preservados, que também são territórios indígenas e áreas protegidas onde a fronteira do petróleo ainda não havia chegado.

Existem estudos que mostram que a taxa de desmatamento da Amazônia equatoriana já atinge aproximadamente 0,7% ao ano, enquanto no Brasil seria de cerca de 0,2% ao ano. Assim, a ideia de que apenas Bolsonaro está varrendo a Amazônia é uma conclusão obviamente apressada e simplista.

E é que o problema da predação da Amazônia e, em geral, das últimas florestas biodiversas do planeta, não tem necessariamente um governo ou uma tendência política responsável, mas responde a uma ideologia sistêmica, um paradigma inquestionado e inquestionável até o momento: responde a um paradigma chamado capitalismo.

Hoje vemos como, em vez de ser um sistema da vida, o capitalismo é um sistema eficaz de morte que, com grande eficiência, cria desigualdades e explora a natureza até suas últimas consequências.

O neoliberalismo, o progressismo, a globalização e o desenvolvimentismo acabam sendo uma mesma fórmula para acelerar a extração de recursos naturais no menor tempo possível, acumular capital e isso, por sua vez, permite acumular poder.

O chamam de "desenvolvimento" quando, na realidade, os registros negativos em termos ecológicos e sociais apenas nos mostram que é um "mau-desenvolvimento". Ou seja, nas palavras de José María Tortosa, estamos diante de um sistema "mal desenvolvido".

De acordo com o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), é aconselhável voltar a ver povos indígenas para aprender a conservar territórios sensíveis

Tudo se justifica sob a bandeira do "desenvolvimento": expansão agrícola, expansão pecuária, extração indiscriminada (legal e ilegal) de madeira, construção de estradas e infraestruturas industriais de mineração e petróleo em larga escala em territórios de biodiversidade muito alta. O próprio presidente Correa, durante seu mandato, disse: "Não podemos ser mendigos sentados em um saco de ouro", referindo-se aos movimentos sociais que se opunham à política extrativista de seu governo.

Diante disso, resta apenas pensar que Bolsonaro e Morales, Macri e Maduro, Uribe e Correa, Lula e Bachelet, entre muitos outros governantes, buscam o mesmo com justificativas diferentes e talvez com discursos diferentes. Mas, no fundo e na prática, todos contribuíram e contribuem para a aniquilação da vida neste planeta e agiram como cúmplices secretos de um ecocídio sistemático.

Agora, como vamos parar esse ecocídio? Obviamente, é necessária uma mudança de cultura e uma transformação de paradigma, pois a situação atual é insustentável e a solução não ocorre votando nos governos de esquerda ou de direita.

De acordo com o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), é aconselhável voltar a ver povos indígenas para aprender a conservar territórios sensíveis. De acordo com o estudo realizado pelo IPCC, as áreas gerenciadas ou co-gerenciadas por povos nativos têm taxas muito mais altas de presença de aves, mamíferos, anfíbios e répteis do que outras regiões (incluindo áreas protegidas), o que mostra que essa maior biodiversidade é conservada graças às práticas e usos da terra das culturas nativas.

São povos que não excedem 5% da população mundial, mas conservaram quase 80% das áreas com maior biodiversidade do planeta. Ironicamente, são eles o que "desacelera o desenvolvimento".

A chave para interromper o ecocídio e frear o desenvolvimento deve ser entendida de e com os povos nativos da Amazônia.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram