democraciaAbierta

Pós-conflito na Colômbia (1): Adeus às armas

2015 termina com avanços de vital importância para as negociações. Uma vez acordado o tema das vítimas, o abandono das armas é um dos mais difíceis pontos sobre os quais as partes ainda tem que chegar a acordo. English. Español

Eduardo Álvarez Vanegas
20 December 2015
8485833190_96c2b20a23_z_0_0.jpg

Armas confiscadas às FARC. Flickr. Some rights reserved.

Este ano termina com avanços de vital importância para o processo de negociação entre o governo nacional e as FARC. Por um lado, acaba de se produzir o anúncio oficial sobre o tema das vítimas. E por outro lado, recentemente, Sérgio Ibáñez, membro da equipa negociadora das FARC na Havana, afirmou que “enquanto estamos fechando o ponto sobre as vítimas, construímos a plataforma de análise sobre o tema do fim do conflito.”

Estes factos não são insignificantes, uma vez que aos acordos parciais sobre a política de desenvolvimento agrário integral, participação politica e solução dos problemas das drogas, suma-se o tema que até agora foi o mais difícil de negociar – o das vítimas, que inclui o marco de justiça transicional – o que supõe um empurrão na direção do fim do conflito.

O “Acordo Geral para a terminação do conflito e a construção de uma paz estável e duradoura”, definido em 2012 entre o Governo e as FARC, estabelece no seu ponto terceiro (Fim do Conflito) o “abandono das armas”. Este tema começou a abordar-se formalmente desde este ano através de uma subcomissão conjunta de carácter técnico, integrada por militares e policias ativos de alta patente e membros do grupo guerrilheiro.

A criação desta subcomissão não está exempta de críticas. A oposição ao processo alegou que a presença de militares e polícias ativos na mesa de negociações é ilegal porque os iguala com atores terroristas e é algo que, de passagem, desmoraliza as tropas. Entretanto, o Governo assinalou que é normal que estes temas sejam abordados por aqueles que fizeram a guerra no terreno e tem o conhecimento técnico e operativo que exige esta fase da negociação.

Outro ponto que suscitou grande controvérsia foi a terminologia usada. Enquanto há aqueles que argumentam que “abandonar” as armas e “desarmar-se” é o mesmo, a realidade é que este nível semântico acarreta muitos significados e emoções em relação à história das FARC. Esta guerrilha reiterou o seu acordo com o abandono das armas, mas sempre que aja garantias para poder defender os seus ideais sem necessidade de usar armas – porque, segundo dizem, as armas não são “fetiches” mas sim ferramentas de resistência que, chegada a paz, seriam uteis e por isso teriam que ser abandonadas.

“Abandonar as armas” denota também um ato voluntário por parte das FARC e ao mesmo tempo um acordo, produto de um processo de negociação política. Quer dizer, o oposto a “desarmar-se”, que conota submetimento e inclusive rendição, quando a verdade é que as FARC não foram derrotadas militarmente pelo Estado Colombiano, e na Havana apresentaram-se como um adversário com o que se está negociando, não como uma contraparte ao qual se está a impor a vontade de um vencedor absoluto.

Em qualquer caso, a discussão sobre o abandono das armas já tinha dado um passo importante com o anúncio de um acordo parcial sobre o tema da justiça transicional, no passado dia 23 de setembro. Alem de unificar a linguagem entre as parte com o termo “abandono das armas”, também se acordou o prazo para iniciar o processo de abandono, o qual teria lugar nos dois meses seguintes à assinatura do acordo definitivo, quer dizer, em maio de 2016. É de destacar assim mesmo a importância dada ao abandono das armas como condição necessária para que os membros da guerrilha acedam aos benefícios judiciais.

Alguns pontos a ter em conta

Não é a primeira vez que na Colômbia se discute e, menos ainda, se implementa um processo de abandono das armas [1]. Se bem noutros processos se apelou ao uso da palavra “desarme”, a realidade é que na Colômbia tivemos uma larga aprendizagem que nos deixou todo o tipo de experiencias, às quais se suma as internacionais que hoje em dia tem muito que aportar-nos [2]. De ai que valha a pena realizar algumas reflexões.

Uma tem que ver com o desenho de um protocolo para o abandono das armas que, como resultado das negociações entre o Governo e as FACR, defina cronogramas e tempos, procedimentos, orçamentos, atividades, supervisão e verificação, assim com a definição dum marco jurídico institucional para o processo de Desarme, Desmobilização e Reintegração (DDR) e o manejo do armamento.

Neste sentido, as experiências de anteriores processos na Colômbia, as pistas que proporcionam casos internacionais, as orientações consagradas nos Standards integrados em DDR, a iniciativa de Estocolmo e a Contribuição de Cartagena, somados à criatividade e imaginação que permitam estas medidas de tipo transicional e excepcional, serão algumas das peças a ter em conta para assegurar que os aspectos técnicos, operativos, jurídicos e de segurança sejam minimamente blindados desde o princípio.

O estabelecimento de um plano desde o princípio gerará confiança, transparência e efetividade, evitando confusões e faltas de comunicação. Por exemplo, os processos de paz na República do Congo, Irlanda do Norte, Nepal e Serra Leoa sofreram sérios riscos técnicos e operativos devidos a falta de fundos e à ausência de disposições claras para levar a cabo o desarme, o que gerou mal-estar, atrasos e interrupções.

A verificação, monitoramento ou acompanhamento do desarme é outro ponto a ter em conta. O ideal é que sejam levados a acabo por uma terceira parte neutral que garanta imparcialidade e ajude a mitigar a sensação de desconfiança e de humilhação entre as partes. O especialista canadense, Cornelis Steeken indicou que o grupo de verificação pode ser internacional ou nacional, ou um ONG, mas no final o que importa é que seja independente das partes e que a sua função consista, entre outras coisas, em vigiar todos os dias os contentores, se se opta por este mecanismo, para saber se armas e munições estão completas.

Sobre o mandato e alcance desta intervenção, o mesmo deve ficar estabelecido desde o princípio com tarefas, obrigações, restrições, cobertura e orçamento para garantir a sua eficácia. Por exemplo, o acompanhamento do desarme das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC) entre 2003 e 2006, se bem que foi definido num acordo entre a Missão de Apoio ao Processo de Paz e a Organização dos Estados Americanos (MAPP/OEA) e o governo colombiano, a realidade é que não foi nem revisado nem acordado, mas sim uma decisão tomada livremente que se foi detalhando durante o processo, o que deixou sérias dúvidas em quanto aos papéis e funções de verificação.

O protocolo deve ser o suficientemente flexível para evitar que, perante o seu incumprimento, se gere desconfiança entre as partes e também na sociedade civil perante o processo. Assim aconteceu no El Salvador, país no qual se definiram prazos restritivos de entregas de armas, o que gerou um alto nível de desconfiança, até ao ponto que se chegou a pôr como possibilidade a ruptura das negociações. Cabe também recordar que nos acordos de Dayton para a paz na Bósnia e Herzegovina em 1995, o ultimo tema que se discutiu foi o das diferenças entre as delegações sobre o ritmo da redução de armamento que deviam levar a cabo as partes em conflito. 

O desarme deve concentrar-se inicialmente nas armas que estão em possessão da guerrilha. Em Moçambique, por exemplo, o processo de desarme de grupos rebeldes com participação da ONU completou-se, anos depois, com um processo de recolecção de armas da população civil levado a cabo pela igreja. Quer dizer, depois houve um processo amplio de controlo de armas em poder da população civil, o desarme voluntario [3]. Cabe dizer também que todas as armas devem ser recebidas, incluindo aquelas em mau estado e de fabricação artesanal. Na Serra Leoa, muitas das armas em mau estado foram devolvidas aos ex-combatentes, aumentando assim o risco de reutilização.

Outro aspecto tem que ver com as fronteiras que a Colômbia comparte com os seus países vizinhos. Para evitar filtrações de armamento a países vizinhos e sobretudo considerando a alta presença das FARC em áreas limítrofes, é crucial considerar a criação de mecanismos bilaterais de discussão sobre o tema do desarme com o os governos da Venezuela, Peru, Panamá, Equador e Brasil. Isto ajudaria a mitigar o risco de desvio de arsenais para o mercado negro, inclusive noutros países. Em Moçambique e na África do Sul desenhou-se uma iniciativa conjunta de desarme na sua fronteira, evitando a recirculação de excedentes. Dois casos opostos são o El Salvador e o Mali, onde a falta de diálogo com os governos vizinhos facilitou o tráfico ilícito de armas na zona de fronteira e a instalação de depósitos clandestinos nesses países.

Por outra parte, o abandono de armas terá lugar em diferentes contextos. Chegado o momento de definir as zonas de concentração, devem ter-se em conta os grupos armados que ainda existem no pais, para além das FACR, como o Exército de Libertação Nacional (ELN), o Exército Popular de Libertação (EPL), grupos criminosos e outras organizações criminosas que atuam em zonas urbanas e rurais. Estes grupos podem levar a cabo ações contra o processo, pondo em risco a segurança dos desmobilizados, de aqueles que executam e verificam o processo e as armas entregadas.

Para além disso, deve conhecer-se a informação do armamento. É importante que durante as etapas de planeamento do processo de desarme, se definam as condições requeridas para recopilar informação sobre as armas que ajude a realizar um rastreio efetivo para a sua disposição final. Deve-se, também, recolher informação sobre os números de serie, marcas de fabricação e origem, marcas físicas distintivas, entre outros dados disponíveis, que sejam consignados num sistema de registro da informação do armamento.

Por último, o país e o mundo devem conhecer o que acontece durante o desenvolvimento deste processo, pelo que será necessário o desenho e implementação de um mecanismo de rendição de contas ou accountability, sobre o abandono das armas e a sua destruição. É importante que se comtemple, por exemplo, uma metodologia de elaboração, entrega e publicação periódica de relatórios que certifiquem e validem os processos no âmbito local, nacional e internacional. Isto é crucial, em especial se as cerimónias de abandono de armas se fizerem de forma reservada e confidencial, como aconteceu na Irlanda do Norte – modelo que insistem as FARC que se deve seguir.

Precisamente, o carácter confidencial de dito processo suscitou desconfianças e tensões entre as partes e impediu conhecer como se realizou de forma detalhada. Isto, devido a que o organismo internacional que assessorou o desarme, liderado pelo senador George Mitchell, recomendou que o confisco de armas não se parecesse a uma vitória ou derrota das partes e que se fizesse de forma privada. Isto produziu, por exemplo, que não se soubesse o destino final das armas e que o processo se tenha estendido durante sete anos pese ao facto que o mesmo se programou para tão só dois.

O cenário de abandono de armas das FACR será, pois, delicado e deverá ser conduzido por especialistas internacionais e nacionais. A sociedade civil nas diferentes regiões de Colômbia terá um papel importante de fiscalização, observação, seguimento e demanda de acesso à informação em relação ao que aconteça no dia a dia. Será um grande desafio, uma vez que se tratará da implementação pura e dura dos pontos do Acordo Geral, que seguramente não será perfeito, mas que, com algumas das previsões aqui mencionadas, possivelmente se pode salvaguardar e concluir de forma satisfatória. Depende também da mão dos entes encarregados da verificação e monitoração que o abandono das armas se realize da forma mais efetiva e eficiente possível para, deste modo, evitar demoras e suspeitas por parte duma sociedade ainda dividida e frente ao processo e com uma oposição empenhada em exercer um controlo e vigilância muito fortes.

Finalmente, também depende do governo e das FARC, que devem garantir que este acordo seja um processo transparente, aberto perante a sociedade, uma vez que as armas que abandonaram e destruíram serão a imagem de uma nova política que quererão fazer, sem as mesmas, milhares de homens e mulheres.

As ideias expressas neste artigo são uma adaptação parcial do documento “O desarme das FARC: fatores chaves e propostas para um processo viável, exitoso e transparente”, elaborado pela Fundação Ideias para a Paz (Colômbia) e pelo Instituto Igarapé (Brasil). Disponível aqui: http://cdn.ideaspaz.org/media/website/document/5605ff09ec154.pdf.

 


[1] Em 1953 desmobilizaram-se entre 8000 e 20.000 membros das guerrilhas liberais; entre 1989 desmobilizaram-se 900 integrantes do M-19; entre 1990 e 1994 desmobilizaram-se aproximadamente 3600 dos grupos armados Partido Revolucionário dos Trabalhadores, Exército Popular de Libertação, Quintin Lame e Corrente de Renovação Socialista, e entre 2003 e 2006 desmobilizaram-se quase 32.000 membros das AUC. A estes números devem somar-se centenas de milhares de desmobilizados que se entregaram individualmente às autoridades colombianas nos últimos 30 anos.

 

[2] Dos 18 processos de DDR revistos para a investigação feita pela Fundação Ideias para a Paz (FIP) e Igarapé, 45% desenvolveram-se em África, onde se recolheram o maior numero de armas (perto de 294.000) entre 1989 e 2008. Destaca-se também, em quase todos os processos, a participação de terceiras partes nas tarefas de monitoração e verificação do desarme, como a ONU (12),União Europeia (2) a OEA (2) a OTAN (2) e países amigos (3). Para além disso, a maioria inclui a entrega de incentivos materiais em troca e armas (80%) e quase a metade (45%) optaram pela destruição.

[3] Durante os diálogos de Segurança Cidadã organizados pelo FIP e o instituto Igarapé (Abril 2015), o General (R) Óscar Naranjo comentou que o pós-conflito é o momento preciso para implementar medidas complementárias de controlo de armas de carácter cidadão, que permitam reduzir a disponibilidade geral de armas no país.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData