democraciaAbierta

Por que a Colômbia está nas ruas?

O democraciaAbiera conversou com diferentes manifestantes durante a greve nacional na Colômbia. Eles nos contam por que estão nas ruas e quais são suas principais preocupações com o atual governo. Español English

Beverly Goldberg
23 November 2019
Manifestantes durante a greve nacional na Colômbia.
|
Beverly Goldberg. Todos os direitos reservados.

Nos últimos meses, vimos como mobilizações em massa no Chile, Equador e Haiti abalaram a América Latina, redefinindo a capacidade dos cidadãos de trazer mudanças reais. Agora, a Colômbia também se une às marchas que denunciam as ações dos governos em toda a região.

Embora o presidente Iván Duque esteja no cargo há menos de um ano e meio, ele já tem uma taxa de desaprovação de 69%, segundo a última pesquisa Gallup realizada no fim de outubro, o nível mais alto de desaprovação desde que assumiu o cargo.

Além disso, 70% dos entrevistados consideraram que "as coisas na Colômbia estão piorando" em comparação com o ano passado. A maioria também afirmou estar preocupada com o retorno do conflito armado no país.

Duque começou a gerar descontentamento entre muitos setores e organizações sociais que promovem a paz no ano passado, quando ele tentou desmantelar o Jurisdição Especial para a Paz (JEP), um tribunal de justiça de transição projetado para investigar crimes de guerra e oferecer a verdade às vítimas do conflito

Sua recusa em continuar as negociações de paz com o grupo armado, o ELN, que havia iniciado o governo anterior, também levantou sérias preocupações sobre a continuação do conflito no país.

Agora, a revelação do senador Roy Barreras durante um debate sobre a moção de censura do ex-ministro de Defesa de Duque, Guillermo Botero, responsável pela operação militar que matou 18 menores durante um bombardeio a um suposto campo de dissidência das FARC em Caquetá em agosto, irritou a população colombiana.

Essa descoberta, que contribui para medidas econômicas neoliberais e agressivas contra grupos vulneráveis ​​e o meio ambiente, bem como os assassinatos contínuos de líderes sociais nas áreas rurais da Colômbia, fizeram com que os colombianos convocassem uma greve nacional em 21 de novembro, que tornou-se a maior mobilização dos últimos anos no país.

Conversamos com diferentes manifestantes durante a greve que nos contaram por que estão nas ruas e quais são suas principais preocupações com o atual governo.

Adriana, Organização de Autoridades Indígenas da Colômbia

Beverly Goldberg. Todos los derechos reservados. | Beverly Goldberg. Todos os direitos reservados.

Viemos aqui para nos juntar à reivindicação das lutas indígenas, principalmente porque nossos líderes, nossas mulheres e nossos filhos estão sendo mortos. O governo marginaliza as nossas lutas e as torna invisíveis. Os problemas de migração, deslocamento e assassinatos que afetam as comunidades indígenas estão piorando. Representamos populações de Chocó, Putumayo, Amazônia e também trabalhamos com muitos povos no processo de contato inicial que não têm ninguém para falar por eles. Parem de nos matar e de saquear nossos territórios, esse é a nosso principal exigência. Respeitem o direito à autodeterminação dos povos indígenas e respeitem a vida. Viva a greve!

Iván, Extinction Rebellion

Beverly Goldberg. Todos los derechos reservados. | Beverly Goldberg. Todos os direitos reservados.

Muitas coisas estão erradas neste governo. Por exemplo, não fazem o suficiente para combater a mudança climática, que também está ligada a muitas causas sociais. Estamos aqui com a Extinction Rebellion protestando contra as ações do governo das quais discordamos, mas também protestamos contra a falta de ação na emergência climática. Esse governo quer voltar à erradicação de cultivos com glifosato, produto químico cancerígeno, também apoia o fracking, uma prática muito prejudicial ao meio ambiente, e quer fazer mineração em Páramos, onde existem ecossistemas únicos necessários para nossa sobrevivência. Fora multinacionais na América Latina!

Joana, Coletivo de Artistas de Bogotá

Beverly Goldberg. Todos los derechos reservados.None

Somos um grupo de artistas que trabalham como freelancers em um país que não valoriza o trabalho dos criativos e que nos oprime com impostos. Chegamos hoje para demonstrar pacificamente porque somos contra a má administração do governo, que é um governo cheio de abusos, cheio de sangue, cheio de ódio, que quer semear o medo. Há muita repressão agora no país e é por isso que estou aqui hoje, para mostrar que temos o direito de ser livres e lutar por nossa dignidade. Estamos com nossos irmãos chilenos, nossos irmãos bolivianos e nossos irmãos equatorianos também para lutar pelo que nos pertence.

Pernett, Músico

Beverly Goldberg. Todos los derechos reservados.None

Temos que resistir em todos os aspectos de nossas vidas, desde as compras que fazemos para a casa até sair a protestar, porque esses atos cotidianos são atos políticos. Acho que todos temos que levantar e mostrar nossa inconformidade com o governo de alguma forma. Estou aqui protestando porque toda vez que o governo aprova outra reforma do sistema tributário, como músico, eu fico mais pobre, e os que estão no topo ficam mais ricos. Também manifesto pelo respeito à vida humana, pelos assassinatos de líderes sociais, pelo respeito às nossas comunidades indígenas, nossos ancestrais, nossos camponeses que sofrem com todos os produtos que estamos trazendo de fora. Neste governo estão todos os corruptos da história do país. É como se eles tivessem reunido todos os vilões do filme do Super-Homem e os colocado na mesma sala.

Diana, Grupo de Teatro San Cristobal

Beverly Goldberg. Todos los derechos reservados.None

Hoje eu estou com a Guarda Indígena da Colômbia marchando pelos assassinatos de líderes sociais. Também marchamos por respeito à educação e à saúde, contra as reformas que o Estado está impondo e, acima de tudo, para exigir uma qualidade de vida para nós e nossos filhos. A greve nacional é um movimento que se opõe às políticas do governo para baixar os salários dos mais jovens e reduzir as aposentadorias, mas também estamos cansados de um Estado que esconde informações, como foi o caso do atentado. Como membro de um grupo de teatro da comunidade, tenho a obrigação de estar aqui e defender os direitos da minha comunidade.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram