democraciaAbierta

Por que pessoas indígenas são mais vulneráveis a distúrbios de saúde mental?

Hoje, 9 de agosto, é o Dia Internacional dos Povos Indígenas. O objetivo deste dia é, entre outras coisas, aumentar a conscientização sobre os desafios que os povos indígenas enfrentam para proteger seus direitos e manter suas distintas culturas e modos de vida. English

Sean Roberts
9 August 2019
Criança indígena do rio Tapajós, Pará, Brasil
|
Francesc Badia

Hoje – 9 de agosto – é o Dia Internacional dos Povos Indígenas. O objetivo deste dia é, entre outras coisas, aumentar a conscientização sobre os desafios que os povos indígenas enfrentam para proteger seus direitos e manter suas distintas culturas e modos de vida.

Portanto, este é um momento oportuno para refletir sobre um dos desafios preocupantes: o fato de que os povos indígenas são significativamente mais propensos a ter distúrbios de saúde mental do que as populações majoritárias.

A vulnerabilidade dos povos indígenas em relação à doença mental foi destacada em um relatório recente do Relator Especial da ONU sobre o Direito à Saúde, Dr. Darius Pūras. Ele enfatizou que, para os povos indígenas, as "estruturas políticas, econômicas e culturais" que dão origem a problemas de saúde mental podem se cruzar de maneiras particularmente prejudiciais.

Essa atenção aos determinantes políticos da saúde mental precária é expressada vigorosamente no resumo das implicações de sua pesquisa pelo Dr. Pūras: “medidas que lidam com a desigualdade e a discriminação seriam muito mais eficazes no combate às doenças mentais do que a ênfase dos últimos 30 anos em medicamento e terapia”.

Pesquisa sobre a experiência dos aborígenes australianos provê uma forte defesa da análise do Relator Especial. Mais de 30% dos aborígenes sofrem de algum tipo de transtorno psicológico, comparado a 20% da população geral; e 12,4% dos aborígenes com mais de 45 anos sofriam de demência, em comparação com 2,6% da população total. Os pesquisadores também encontraram aumentos dramáticos nas taxas entre aborígenes de suicídio juvenil, ansiedade e depressão, bem como problemas cognitivos de incapacidade e transtornos mentais na gravidez.

O reconhecimento da necessidade de abordar as causas políticas e econômicas dos transtornos mentais está se tornando cada vez mais proeminente nos debates sobre a "crise mundial de saúde mental" que enfrentamos hoje. Em particular, vários estudiosos vêm chamando a atenção para como as principais características do neoliberalismo são prejudiciais à saúde mental.

William Davies, por exemplo, argumenta que "o caráter meritocrático do capitalismo contemporâneo [...] afirma que as classes sociais não são mais relevante e, portanto, todos acabam com a posição socioeconômica que merecem. Isso produz um sentimento crônico de culpa, desconforto, ansiedade e auto-recriminação ”.

E para Ruth Caim, "há uma crescente preocupação com as condições e efeitos do neoliberalismo – o turbilhão da privatização implacável, a desigualdade espiralada, o fim de subsídios e benefícios básicos do Estado, exigências de trabalho sempre crescentes e sem sentido, notícias falsas, desemprego e trabalho precário" são parcialmente responsáveis pelo aumento dos transtornos mentais.

O colonialismo continua a se infiltrar no discurso e na prática da saúde mental global através da percepção da aplicabilidade universal dos pressupostos ocidentais

É importante ressaltar que o relatório do Relator Especial também identifica um determinante político talvez menos reconhecido da doença mental, mas que é especialmente relevante na experiência dos povos indígenas: o fato de que a saúde mental é “também profundamente influenciada pelas cicatrizes do passado, como as injustiças históricas, o legado do colonialismo, o racismo, a escravidão e a apropriação da terra”.

Uma das principais maneiras pelas quais o legado do colonialismo continua a se infiltrar no discurso e na prática da saúde mental global é através da percepção da aplicabilidade universal dos pressupostos ocidentais e dos modelos explicativos, como a abordagem ao "tratamento" fortemente baseada na farmacologia. Essa globalização das abordagens ocidentais tem o efeito de marginalizar a articulação dos entendimentos locais sobre o sofrimento mental nas línguas indígenas (que, considerando que o tema desse ano paro o “Dia dos Povos Indígenas” é a língua dos Povos Indígenas, torna o foco na saúde mental ainda mais apropriado).

Outra característica crucial das abordagens de saúde mental do Ocidente é uma visão individualista do ser. O método cientifico neoliberal reducionista, favorecido pelo Ocidente, tende a reduzir fenômenos inteiros em partes menores, incluindo a maneira como os seres humanos são entendidos. O individualismo e a abordagem científica estão associados a ideologias de consumismo, escolha individual e realização individual. Esta abordagem reducionista contrasta fortemente com a de muitas culturas não-ocidentais, incluindo as dos povos indígenas.

Nessas culturas, as crianças são socializadas com base em uma ideia diferente sobre o ser, em que a prioridade é dada às conexões e à inter-relação com os outros como a base do bem-estar psicológico. A saúde dos indivíduos é dependente e não separada das relações saudáveis com os ambientes sociais, culturais e naturais mais amplos – os ancestrais, a comunidade e a terra.

Nos últimos anos, vimos um reconhecimento muito bem-vindo, ainda que tardio, de que uma prioridade muito maior precisa ser atribuída à promoção da saúde mental global. Nesse contexto, uma reflexão sobre as experiências dos povos indígenas, e sobre as razões políticas, econômicas e culturais para essas experiências, transmite uma mensagem muito clara: para que as aspirações do movimento global sobre a saúde mental sejam realizadas, é importante que o aumento do financiamento da saúde mental seja sustentado por um compromisso com abordagens culturalmente adequadas.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram