democraciaAbierta

Quando será feita justiça para os falsos positivos na Colômbia?

Ana e Kelly, do grupo Las Madres de Soacha, nos contaram o processo de sua luta por justiça em um Estado que os vê como inimigos. Español

Beverly Goldberg
28 February 2020
Pieza gráfica de Ana que hace homenaje a las víctimas de las ejecuciones extrajudiciales en Colombia
|
Peça gráfica de Ana que presta homenagem às vítimas de execuções extrajudiciais na Colômbia

4 de março de 2008 foi um dia como outro qualquer para a maioria dos cidadãos de Bogotá, que se levantou para se trocar, tomar café da manhã e ir trabalhar. Os que vivem na capital tiveram pouco contato com a guerra que devastou a zona rural da Colômbia, cujos habitantes sofreram as consequências por todo o país.

A recente reeleição do presidente de direita Álvaro Uribe trouxe uma queda nos sequestros, ou no que foi chamado de "pesca milagrosa" (sequestros indiscriminados em massa) por guerrilheiros e outros grupos armados. Mas, no mesmo dia, o governo de Uribe interrompeu as relações com o Equador, após uma operação militar contra as FARC que o exército colombiano realizou em território equatoriano sem autorização prévia. As notícias dominaram as manchetes e distraíram a atenção diante de uma série de violações de direitos humanos que ocorreram diante dos olhos de Bogotá: as execuções extrajudiciais de dezenas de jovens de Soacha (um município de 500.000 habitantes na área metropolitana de Bogotá) pelo exército colombiano, que o governo apresentou falsamente como mortes de guerrilheiros em combate. Com essa mentira, o governo pretendia fingir que estava vencendo a guerra contra os guerrilheiros, quando na realidade eram assassinatos apresentados como "falsos positivos".

Nesse mesmo 4 de março de 2008, Eduardo Garzón Páez desapareceu. E desde então, a vida nunca mais seria a mesma para sua mãe, Ana Páez Muñoz, lutadora e ativista incansável do grupo MAFAPO, as 'Mães de falsos positivos de Soacha e Bogotá'.

"Naquele dia, as asas do meu filho foram cortadas", Ana disse ao democraciaAbierta. Quando ela foi denunciar o que havia acontecido com Eduardo, a polícia e o governo disseram que era uma "morte em combate" e que ele era claramente um "guerrilheiro". Mas ela sabia que esse não era o caso: Eduardo era um jovem aplicado, educado em uma faculdade militar e estudava para ser advogado. Ele nunca havia tocado em uma arma em sua vida. Ele gostava de andar de moto e tinha um relacionamento muito próximo com sua mãe.

2.jpg
Uniforme da escola militar em que Eduardo estudou | democraciaAbierta

Após seis meses de busca, o corpo de Eduardo finalmente foi encontrado em 27 de agosto de 2008 no departamento de Santander, a quase 400 quilômetros de sua residência em Soacha — um evento extremamente estranho e perturbador para Ana, já que seu filho nunca havia pisado em terra santandereanas antes. “Só queremos saber quem deu a ordem, queremos apenas saber a verdade”, diz Ana, porque, apesar de já terem condenado vários autores materiais no caso de seu filho, nada se sabe dos autores intelectuais do crime.

“Nós sabemos que o exército os matou, mas ainda não sabemos o porquê. Que crime eles teriam cometido? Ana declara que, junto com a MAFAPO, luta contra crimes estatais na Colômbia há mais de uma década. Recentemente, visitaram a Argentina, onde se juntaram às Mães da Plaza de Mayo, que também lutam contra os desaparecimentos forçados que ocorreram durante a ditadura militar daquele país.

Embora o número de casos de execuções extrajudiciais na Colômbia varie bastante de acordo com a fonte, o Centro de Pesquisa e Educação Popular registrou, entre 1984 e 2011, até 1.741 vítimas de assassinatos civis pelo Estado, que foram falsamente apresentadas como mortes em combate.

Execuções extrajudiciais e impunidade na Colômbia

As investigações revelam que muitos desses jovens foram enganados por membros do exército colombiano, com falsas promessas de trabalho, e logo após aparecerem mortos, vestidos como guerrilheiros e longe de suas casas . Também foi revelado que as roupas de combate usadas pelas vítimas tinham pouco tempo de uso, em muitos casos as roupas eram muito grandes e tinham marcas de bala de curta distância, algo muito raro para quem morre em combate. O exército também procurou jovens em situações de vulnerabilidade social e / ou econômica, exemplificado em um caso de 2009 em que um dos jovens mortos pelos militares tinha idade mental de apenas 9 anos.

3.jpg
Uma caixa onde Ana guarda alguns pertences de Eduardo | democraciaAbierta

“Não estou pronta para perdoar ou esquecer, porque ainda não se fez justiça. Os militares mortos são reconhecidos com cerimônias. As vítimas militares sempre recebem reconhecimento. Mas os nossos filhos não tiveram nada, não receberam nenhum reconhecimento”, disse Ana, indignada com a impunidade que descobriu nas autoridades. De fato, os altos comandantes do exército que estavam no cargo durante o escândalo de execuções extrajudiciais, em geral, permanecem livres. Alguns ainda fazem parte do exército.

Mario Montoya Uribe, general aposentado apontado como um dos oficiais responsáveis ​​por milhares de casos de execuções extrajudiciais, é hoje aposentado e vive em liberdade. Quando questionado sobre os casos, declara que não os lembra. Juan Carlos Barrera, o primeiro coronel sob cujo comando também houve mais de cem casos de execuções extrajudiciais, ainda hoje é um empreiteiro do exército, vivendo em liberdade e, além disso, trabalha como consultor de doutrina militar. Nicasio de Jesús Martínez, também acusado de envolvimento em muitos casos de falsos positivos durante seu mandato, recebeu recentemente uma promoção dentro do exército para se tornar chefe. Embora em dezembro do ano passado tenha renunciado do exército, ele o fez sem reconhecer sua responsabilidade nas execuções e atualmente goza de total liberdade e uma generosa aposentadoria do governo.

Uma guerra contra a verdade e a justiça na Colômbia

Nem todos os membros da MAFAPO são mães. Algumas também são esposas e irmãs de vítimas de execuções extrajudiciais de jovens habitantes do município de Soacha.

É o caso de Kelly Johana Ruíz, esposa de Andrés Pesca, desaparecido em 27 de fevereiro de 2008, e que, como Eduardo, apareceu mais tarde em Santander sem nunca ter viajado para lá antes. Andrés era motorista de táxi, pai de dois filhos pequenos de 9 meses e 5 anos, e um homem trabalhador dedicado à sua família. Além disso, era uma pessoa tímida, que não prestava serviço militar e morria de medo de pensar em qualquer tipo de violência. "Eles não apenas tiraram a vida de Andrés, mas também tiraram a vida de uma família inteira", disse Kelly. “Meus filhos ainda estão sofrendo, apesar de já serem adolescentes. Eles tiveram apoio psicológico, mas não tiveram a oportunidade de estudar, não tiveram nenhum tipo de assistência do governo”.

4.png
Kelly com uma foto de seus filhos, os principais motivos de sua luta | democraciaAbierta

Kelly é uma das fundadoras do grupo MAFAPO e luta há 12 anos para obter justiça pelo que aconteceu com Andrés, Eduardo e muitas outras vítimas. As Mães de Soacha e sua fé em Deus tem sido seus principais abrigos, dando força necessária para que ela continue em sua luta, embora tenha havido dias sombrios durante os quais a tristeza a domina.

Kelly nos mostra a última foto que tirou de Andrés antes de ser morto, na qual ele aparece com seu filho de 9 meses. Kelly teve que revelar o filme após seu desaparecimento, para obter as últimas lembranças dele, que então se tornaram momentos congelados no tempo. “Minha luta sempre foi demonstrar como Andrés era bom e trabalhador e que ele não era um guerrilheiro ou criminoso como eles dizem”, disse Kelly. “Eu sempre tenho essa foto perto de mim. Há momentos em que sinto que não vou mais suportar, que não quero falar ou pensar no assunto. Mas esta foto me recorda que sempre mostrei aos meus filhos que temos que lutar e que não pode podemos esquecer."

5.png
A última foto de Andrés, antes de ser morto pelo exército colombiano

O governo colombiano fez todo o possível para obstruir a luta de Kelly e a de seus filhos. Uma luta não apenas para obter justiça, mas para encontrar paz e poder recomeçar, mesmo que seja fora do país.

Devido ao seu ativismo com a MAFAPO, o governo a colocou na lista internacional de terrorismo. Depois de comprar um voo e tirar um visto para viajar aos Estados Unidos para visitar uma parte de sua família que mora lá, ela teve seu embarque negado no aeroporto El Dorado, em Bogotá. Desde então, nunca mais conseguiu viajar e nunca recebeu nenhuma explicação formal para o que aconteceu aquele dia. É como se eles tivessem declarado outra guerra contra a justiça e a verdade, promovendo o estigma, para que a sociedade só aceitasse a versão "oficial" dos fatos sobre os casos de falsos positivos.

No entanto, essas dificuldades fortaleceram Kelly, que agora é mãe de dois filhos que a apoiam nessa luta. "Ainda não há justiça na Colômbia", ela disse. "Andrés era um jovem como qualquer outro, que sonhava em progredir na vida."

Kelly e Ana não são as únicas familiares de vítimas de execuções extrajudiciais ainda lutando por justiça, mas sua perseverança e força nunca devem nos distrair do fato mais importante: a paz é essencial para obter justiça para pessoas como Kelly, Ana e todas as outras mães, esposas e irmãs dos executados extrajudicialmente pelo exército da Colômbia.

Ainda há um longo caminho a percorrer, e não fechar essas feridas deixadas pelo conflito faz com que a Colômbia continue sendo perseguida pelo fantasma de uma guerra que parece não ter fim.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData