democraciaAbierta

Redes de apoio social são chave na China atingida pelo coronavírus

Abaixo das medidas centralizadas, as redes descentralizadas proporcionaram alívio a milhares. English Español

Mi You
20 March 2020
O primeiro grupo de médicos está programado para partir de Hubei à medida que a situação da epidemia diminui.
|
Shen Bohan/Xinhua News Agency/PA Images

O novo surto de coronavírus (COVID-19) na China começou em janeiro de 2019 e colocou uma pressão enorme no sistema de saúde pública. Como resposta rápida, o confinamento obrigatório de dezenas de milhões de pessoas na província de Hubei e o confinamento prático de centenas de milhões de chineses, interromperam a rotina diária de todos.

Durante esse período, começaram a surgir novas formas de colaboração organizacional, de agências e empresas governamentais à mídia, de ONGs e grupos de primeiros socorros a redes de ex-alunos e grupos voluntários auto-organizados. O voluntariado tem sido amplamente praticado na China e, desta vez, foi impulsionado por novas formas organizacionais. Toda a sociedade se mobilizou de uma maneira nunca vista antes, formando redes sociais de apoio. Alguns oferecem alívio e apoio à linha de frente, outros facilitam as necessidades de grupos negligenciados, como mulheres grávidas, trabalhadores migrantes, pessoas com doenças crônicas em regiões afetadas por vírus e outros se concentram em manter a vida cotidiana em outras partes da China. O que se segue são observações sobre algumas dessas redes sociais através de escalas e combinando agência horizontal e verticalmente, tudo com um toque humano.

Rede peer-to-peer e hackathons

As comunidades da Internet e de hackers foram particularmente rápidas em responder com informações e soluções de rede. O Wuhan2020 é a maior iniciativa de código aberto que estabelece um serviço de dados em tempo real para hospitais, fábricas, compradores e doadores, vinculando aqueles que precisam e aqueles com capacidade para ajudar. Também iniciaram o hackathon Hack for Wuhan, que reúne desenvolvedores, designers, construtores e criadores em todo o mundo para encontrar soluções tecnológicas para essa condição social fora do comum. As soluções propostas incluem uma plataforma que se concentra na saúde mental durante o isolamento, sistemas de informações integrados para rastrear a propagação em tempo real do vírus e um quiosque virtual para o compartilhamento de histórias de recebimento ou suporte espontâneo durante a pandemia.

As redes peer-to-peer não precisam necessariamente de uma infraestrutura sofisticada de tecnologia e informação. Imediatamente após a suspensão do transporte público de Wuhan, motoristas voluntários criaram uma frota para fornecer transporte para médicos, restaurantes ofereceram refeições e proprietários de hotéis ofereceram quartos para médicos próximos descansarem – dias antes do governo fazer requisições oficiais.

Em outros lugares do país, Kouzhao Shaobing (vigilante de máscaras) é uma iniciativa social descentralizada de uma comunidade de usuários do Douban, uma plataforma de mídia social geralmente focada em filmes, livros e música. Kouzhao Shaobing é um conjunto de protocolos que facilita o compartilhamento/doação de máscaras localmente. Mediados por grupos de chat locais, as pessoas podem postar suas necessidades urgentes de máscaras, por exemplo, quando é necessário ir ao hospital para exames e não possuem uma máscara. E outros, que possuem máscaras, mas ainda não precisam delas, responderão à solicitação e depositarão as máscaras em um local acordado, geralmente um armazenamento temporário para entregas. A localidade do esquema significa que nenhum terceiro (pessoa delegada ou serviço de entrega etc.) está envolvido no processo, evitando sobrecarregar o sistema de logística já esgotado. Todos podem ser vigilantes de máscaras; a tarefa não é estar na linha de frente, mas na defesa, para monitorar e intervir quando necessário. Outras iniciativas de ajuda mútua surgiram a partir disso, incluindo cuidar de gatos e enviar comida para os vizinhos necessitados.

Kouzhao Shaobing.png
Kouzhao Shaobing’s graphic explainer. | Source: Kouzhao Shaobing

(A tradução no cartoon acima diz: 1. "Só resta uma máscara... Como fazer amanhã quando sair..." 2. "Como estão todos?" “Quem poderia me dar uma máscara? Preciso ir ao hospital amanhã." 4. “Depositado com sucesso. Retiro dentro de 24 horas. Código para retirada…" 5. "Ding-dong" 6.“Retire sua entrega com o código 51984146 do depósito de entrega no lado norte do prédio nº 2 no complexo residencial”.)

Iniciativas de negócios para o bem social

Se as redes auto-iniciadas trabalham principalmente na área de informações e serviços, as empresas com participação em cadeias de suprimentos e logística contribuíram para integrar o fornecimento de bens de maneiras cada vez mais colaborativas.

Quando milhares de toneladas de vegetais apodreceram nas fazendas rurais devido a paralisações dos mercados atacadistas agrícolas em todo o país, Pinduoduo, uma plataforma popular de comércio eletrônico para acordos de compra de grupos, lançou uma campanha em 10 de fevereiro para ajudar os agricultores a distribuir seus produtos diretamente para grupos de compradores nas cidades. Os agricultores transmitem seu armazenamento ao vivo e exibem seus produtos para compradores em todo o país – esse é um recurso popular nas plataformas de comércio eletrônico chinês há algum tempo, embora desta vez seja especialmente promovido pela plataforma. Em algumas cidades e condados com grande atividade agrícola, até funcionários se juntaram à transmissão ao vivo para promover seus produtos.

O mecanismo de agrupamento Pinduoduo incentiva os compradores a compartilhar suas avaliações de produtos entre amigos da vida real, criando uma rede de confiança e um sentimento de participação em uma causa social. O toque pessoal de Pinduoduo acelera ainda mais as vendas nesse período sombrio. O Novo Instituto de Pesquisa de Comércio Eletrônico People’s Daily reconheceu oficialmente esses modelos organizacionais e de negócios para estabilizar as cadeias de suprimentos agrícolas em seu último relatório publicado em março (link para o relatório em chinês). O jornalismo de negócios também se concentrou nos aspectos comerciais dele. Além dos negócios, são as relações sociais criadas por Pingduoduo que podem sobreviver à epidemia.

Pinduoduo.jpg
Two live streaming sessions on Pinduoduo | Source: China Business Network

No início de fevereiro, a maioria dos restaurantes, incluindo redes de restaurantes, estava com pouco fluxo de caixa devido ao fechamento quase total dos negócios, ao aumento dos custos de aluguel e, principalmente, aos salários a pagar. Ao mesmo tempo, plataformas de entrega de alimentos frescos, como Hema e Meiri Youxian, e grandes supermercados, como o Walmart, com seus próprios serviços de entrega, careciam de estafe de entrega. Os dois lados decidiram unir forças. Desde então, os restaurantes compartilham sua capacidade de armazenamento e processamento de alimentos com as plataformas de entrega de alimentos, e dezenas de milhares de funcionários do restaurante trabalham como motoristas de entrega. Isso garantiu o fornecimento oportuno e suficiente de alimentos frescos nas cidades onde centenas de milhões de pessoas voluntária ou involuntariamente ficaram em casa.

Para os trabalhadores que preenchem a lacuna de demanda crescente, suas condições de trabalho não mudam necessariamente: eles trabalham pelo salário que merecem. O público está demonstrando seu reconhecimento por esse grupo indispensável, deixando palavras de gratidão na seção de comentários das ordens de entrega.

Sempre se pode criticar a economia de internet. No entanto, o que estamos testemunhando é uma transformação não convencional: compartilhar pedidos e capacidade logística de vários estágios da cadeia de suprimentos funciona contra a lógica de centralização e controle das grandes plataformas. Os defensores do patrimônio comum de dados e da economia de dados progressiva estão propondo portabilidade e interoperabilidade de dados compartilhados entre diferentes provedores de serviços como principais recursos da próxima geração de economia de dados, permitindo a colaboração e a cocriação de valor e serviços. Os casos chineses aqui mostram que existem recursos mais compartilháveis ​​do que apenas dados – e de maneiras justas e que criam valor para todos. Neste caso, as empresas buscam ativamente pontos de pressão na sociedade e combinam a rede de valor comercial (em vez de cadeias de valor únicas) com valores sociais e redes sociais colaborativas emergentes. Esses novos relacionamentos permitem o empoderamento de maneiras multilaterais. Muitos acreditam que esse modo colaborativo sobreviverá à crise e se tornará uma prática sustentada.

O último quilômetro

No final de janeiro, o governo chinês promulgou medidas de quarentena e de controle de movimento, provavelmente as mais rigorosas da história. Essa estrutura de cima para baixo tem seus prós e contras. Enquanto nos níveis nacional, provincial e municipal, os recursos médicos de todo o país foram alocados para a linha de frente, os níveis administrativos mais baixos nas áreas urbanas – bairros e comunidades residenciais – apresentaram um problema de "último quilômetro". Cada unidade administrativa consiste em bairros com dezenas de milhares de moradores, onde funcionários públicos assumiram a tarefa de examinar a temperatura de cada família com termômetros e relatar casos suspeitos. Também foram responsáveis ​​pelo registro de entrada e saída de moradores, fornecer suprimentos básicos para as pessoas necessitadas e organizar transporte em áreas fechadas. Voluntários em todo o país aderiram ao trabalho de manutenção da comunidade local.

Ainda assim, durante o período mais perigoso, no início de fevereiro, em Wuhan, quando muitos foram infectados e ainda tiveram que ficar em casa devido a uma escassez de leitos no hospital, os funcionários públicos também estavam com escassez de estafe e falta de suprimentos de proteção. Nesta junção crítica, uma equipe voluntária organizada vertical e horizontalmente veio para ajudar o problema. Organizado pela revista Guojia Renwen Lishi (História Nacional da Humanidade) do People's Daily, é um canal de contato nas plataformas de mídia social Wechat e Weibo que permitiu que pessoas em situações desesperadas relatassem suas necessidades e um grupo de cerca de 2000 voluntários, chamado Yaya Volunteer Group, trabalhou 24 horas por dia, sete dias por semana, para verificar os casos, falando diretamente com as pessoas por telefone.

Muitos pedidos de ajuda circulavam nas mídias sociais na época, e nem todo mundo sabia quais canais eram eficazes. Quando esse canal de contato foi estabelecido, alguns casos foram relatados diretamente por familiares de pacientes, mas muitos outros passaram por usuários da internet que viram um caso relevante e o encaminharam para esse canal. Entre esses casos, famílias inteiras foram infectadas em estado crítico e não puderam ir ao hospital, domicílios únicos infectados sem suprimento de alimentos por dias e casos graves de problemas psicológico devido à morte de entes queridos. Os casos mais urgentes foram relatados à equipe de supervisão do governo central graças ao apoio de Guojia Renwen Lishi. Durante os dez dias de operação, fizeram contatos cruciais entre hospitais locais, equipes de subsistência e apoio psicológico e as pessoas envolvidas. Um período sombrio para muitos, inclusive para os próprios voluntários, mas com seu trabalho consistente, eles criaram uma corda salva-vidas para milhares.

O mundo testemunhou medidas abrangentes e centralizadas da China contra o coronavírus, que atraiu tanto admiração como críticas. Esses casos criar uma imagem dos vários outros níveis abaixo. Em cada nível, a descentralização desempenha um papel crucial e, principalmente, não é categoricamente contra colaborações com agentes sociais, empresariais e estatais em outros níveis. Essas são redes sociais verticais e horizontais de apoio no sentido mais amplo da palavra "social" e para o interesse dos grupos mais amplos. Eles são criados ad hoc, e alguns não são mais necessários, pois a situação diminui no momento da redação, mas as redes sociais que eles entrelaçam continuarão e terão novos significados.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData