democraciaAbierta

A sobrevivência da Amazônia está em risco

Orientado por formuladores de políticas públicas, CEOs, ícones culturais e líderes indígenas, o painel de pesquisa liderado por Carlos Nobre, Andrea Encalada e Jeffrey Sachs apresentará um caminho para a bioeconomia equitativa, baseada na biodiversidade e no conhecimento tradicional.

Science Panel for the Amazon
24 July 2020
Reflexo da floresta no rio Amacayacu, um afluente da Amazônia perto de Leticia, na Colômbia.
|
Image: Francesc badia i Dalmases / All rights reserved

Motivados pelas ameaças ambientais crescentes, urgentes e catastróficas à Amazônia, um grupo de cerca de 150 cientistas renomados dos oito países amazônicos, da Guiana Francesa e parceiros globais, lançou hoje, oficialmente, uma iniciativa científica encarregada de fornecer a primeira avaliação baseada em evidências do estado da Bacia Amazônia. Suas recomendações irão sugerir um plano para a formulação de políticas públicas nesta vulnerável região, que abrange a maior e mais biodiversa floresta tropical do mundo, e cujos líderes nacionais se comprometeram a salvar.

O Painel Científico para a Amazônia produzirá a primeira revisão científica a cobrir toda a Bacia Amazônica e seus biomas - a ser lançada em 2021. Patrocinado pela Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, o lançamento do Painel Científico contou com a participação de um grupo de conselheiros estratégicos, incluindo Juan Manuel Santos, ex- presidente da Colômbia e outros líderes políticos; ícones culturais como o famoso fotógrafo Sebastião Salgado e José Gregorio Díaz Mirabal, eleito líder dos Povos Indígenas da Amazônia.

O atual ritmo de desmatamento na Amazônia, em conjunto com os incêndios florestais devastadores do ano passado, levaram a maior floresta tropical do mundo a atingir um ponto crítico

"Nossa mensagem aos líderes políticos é a de que não há tempo a perder", disse Carlos Nobre, co-presidente do Painel Científico para a Amazônia. “O atual modelo de desenvolvimento está incentivando o desmatamento e a perda de biodiversidade, levando a mudanças devastadoras e irreversíveis. Para que a Amazônia possa sobreviver, precisamos mostrar como este modelo pode ser transformado, de modo a gerar benefícios econômicos e ambientais resultantes de colaborações entre cientistas, detentores de conhecimentos indígenas e suas lideranças, e governos.”

O atual ritmo de desmatamento na Amazônia, em conjunto com os incêndios florestais devastadores do ano passado, levaram a maior floresta tropical do mundo a atingir um ponto crítico, aumentando a urgência dos motivos que levaram os líderes da Colômbia, Bolívia, Equador, Peru, Suriname, Guiana e Brasil a assinar o Pacto de Letícia em setembro de 2019 na cidade colombiana de Leticia. O acordo compromete os governos destas sete nações a proteger a Amazônia e seus tesouros da biodiversidade, a respeitar os direitos dos povos tradicionais da região e a explorar maneiras inovadoras de desenvolver a região de maneira sustentável, mantendo a floresta em pé.

"A conservação da Amazônia é crítica não apenas para a sobrevivência dos 35 milhões de pessoas e das milhares de espécies que vivem lá, mas para o planeta", disse Santos, Prêmio Nobel da Paz 2016 e ex-presidente da Colômbia. “Somente a ciência e o conhecimento único das comunidades indígenas podem salvar nossa floresta tropical. Porque, lembremos, essa pandemia não é nada se comparada à crise a nível de extinção que a perda da Amazônia poderia trazer.”

Para informar os líderes políticos na implementação do Pacto de Letícia, Nobre, Encalada e seus colegas do Painel Científico estão desenvolvendo um plano uniforme e coerente para o futuro da Amazônia, que será baseado em uma revisão de pesquisas com rigor científico, revisadas por pares (peer review), e produzirá recomendações relevantes para políticas públicas voltadas para a conservação e a promoção do desenvolvimento sustentável da maior floresta tropical do mundo.

"Os enormes incêndios que revelaram ao mundo o grave perigo enfrentado pela Amazônia também revelaram um alto nível de preocupação global em relação aos povos da Amazônia e à saúde da floresta tropical", disse Jeffrey Sachs, professor da Universidade Columbia e Diretor da Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. “Todo setor legal e ético - público ou privado - será beneficiado por atuar em nosso relatório. Pretendemos fornecer meios para que governos, investidores e empresas respondam às crescentes expressões de solidariedade em relação à Amazônia e às comunidades indígenas que nela vivem e a protegem.”

Abrangendo oito países e um território, e abrigando mais de um décimo de todas as espécies do Planeta, esse ecossistema inestimável hoje está ameaçado pelo desmatamento, incêndios, mineração, desenvolvimento de petróleo e gás, grandes barragens para geração hidrelétrica e invasões ilegais. Uma área florestal do tamanho de Luxemburgo foi perdida apenas no mês de julho de 2019, devido ao desmatamento e incêndios. Em julho de 2020, apesar da proibição anunciada pelo governo do Brasil, o período de queimadas começou novamente.

Construindo valor econômico e mantendo florestas em pé

Com base em uma ampla revisão de pesquisas científicas nos campos da ciência ambiental, economia e tecnologia, o novo plano-orientado-por-dados combinará conservação com um modelo de desenvolvimento sustentável que reconheça a Amazônia tanto como um ecossistema vital interconectado, quanto como uma fonte de recursos necessária para as pessoas que vivem nele, de acordo com Marielos Peña-Claros, cientista Boliviana que compõe o Comitê Diretor Científico do Painel.

“Estamos começando a entender somente agora a importância da floresta amazônica para os alimentos que ingerimos, para a água que bebemos e para a vida que vivemos”, disse Peña- Claros. “Por exemplo, o padrão de precipitação da América do Sul é amplamente determinado pelo ciclo hídrico da floresta amazônica. Isso significa que o desmatamento da Amazônia também afeta negativamente a produção agrícola do Uruguai e do Paraguai, a milhares de quilômetros de distância. ”

Peña-Claros e seus parceiros pesquisadores reconhecem que a agricultura, as indústrias e os governos dependem dos recursos florestais para sustentar suas economias e construir riqueza e bem-estar. Eles afirmam que, com monitoramento e gerenciamento cuidadosos, o desenvolvimento na Amazônia não precisa estar relacionado a exploração, uma perspectiva que José Gregorio Díaz Mirabal insiste em levar ao Painel.

"Possuímos o conhecimento de milhares de anos sobre a Amazônia e sobre sua biodiversidade e estamos dispostos a compartilhá-lo, desde que esse conhecimento não seja comercializado ou patenteado para o benefício de poucos"

“Devemos salvar a Amazônia e o futuro da humanidade através de uma economia que respeite os ciclos da vida da natureza e que reconheça os direitos da natureza e dos povos indígenas”, disse José Gregorio Díaz Mirabal, líder da COICA (Coordenação de Organizações Indígenas da Bacia Amazônica). "Estamos buscando uma economia que reconheça a vida como um todo, e não apenas por seu valor monetário, e isso significa que seu sucesso dependerá de quão profundamente os povos indígenas serão envolvidos e do reconhecimento de nossos direitos a nossos territórios ancestrais”.

“Possuímos o conhecimento de milhares de anos sobre a Amazônia e sobre sua biodiversidade e estamos dispostos a compartilhá-lo, desde que esse conhecimento não seja comercializado ou patenteado para o benefício de poucos e, pior ainda, que povos indígenas sejam excluídos de qualquer distribuição de benefícios. Díaz Mirabal acrescentou. “No âmbito dessa iniciativa, queremos mostrar ao mundo que a Amazônia é mais do que uma floresta e o dióxido de carbono que armazena; sua existência contínua é essencial para a humanidade e para a continuidade da vida como a conhecemos. ”

“Sem uma ação imediata para deter o desmatamento e começar a repôr as árvores perdidas, metade de toda a floresta amazônica pode se tornar uma savana em um período de apenas 15 a 30 anos”, segundo Nobre, membro da Academia Brasileira de Ciências. “As florestas tropicais da Amazônia geram entre 20% e 30% de suas próprias chuvas, de modo que preservá-las é tão vital para os sistemas climáticos regionais e para a produção de alimentos, quanto é para estabilizar o clima global.”

“O desmatamento está agora em 17%”, disse Nobre, “mas se exceder 25%, cruzaremos o ponto de inflexão”.

O ritmo atual de desmatamento e os incêndios florestais, que em 2019 devastaram aproximadamente 14.000 km2 da Amazônia e levaram a maior floresta tropical do mundo a um ponto quase irreversível, foram os motivos que levaram cientistas a assinarem uma carta no ano passado chamada The Scientific Framework to Save the Amazon (“Marcos Científicos para Salvar a Amazônia”), na qual manifestaram que: “Nós, cientistas da Amazônia e que estudamos a Amazônia, nos reunimos para contribuir com nosso conhecimento e experiência para uma avaliação científica do estado dos diversos ecossistemas da Amazônia, das mudanças climáticas e do uso da terra, e suas implicações para a região.”

"Através da utilização de ciência de qualidade e tecnologias avançadas, podemos salvar a floresta tropical, proteger os ecossistemas da Amazônia e seus povos indígenas e populações tradicionais, e ainda desenvolver atividades econômicas sustentáveis para uma bioeconomia inovadora", apontaram.

Em conformidade com o Pacto de Letícia, adotado pelos governos nacionais da Amazônia, e que destaca a importância da pesquisa, da tecnologia e da gestão do conhecimento para orientar a tomada de decisões na região, o Painel Científico para a Amazônia tem como objetivo realizar a avaliação científica mais abrangente e rigorosa da história sobre os diversos ecossistemas da Amazônia, as mudanças climáticas e no uso da terra, e suas implicações para o futuro.

Trabalhando com o apoio de seu Comitê Estratégico, o Painel Científico, responsável por produzir a Avaliação Científica do Estado da Bacia Amazônica, lançará uma campanha com base em suas descobertas. A necessidade urgente de proteger a natureza está se tornando cada vez mais clara, mesmo para os responsáveis por um modelo econômico que colocou o mundo natural em risco. Recentemente, o Fórum Econômico Mundial estimou que ecossistemas intactos representam um valor de US $ 33 trilhões para a economia global, observando também que 80% da biodiversidade restante do mundo é protegida por povos indígenas.

"Nós, cientistas, faremos o nosso melhor, mas não será suficiente", disse Nobre. "Nosso trabalho não deve servir apenas para cumprir requisitos na agenda global de clima e biodiversidade. A sobrevivência do próprio planeta está em jogo e todos - governos, organizações, setor privado, povos indígenas e a sociedade em geral - devem agir pela conservação e pelo desenvolvimento sustentável da Amazônia”.


Nota do Editor: No dia 3 de setembro de 2020, o Painel Científico para a Amazônia sediará um webinar sobre ciência, apresentando os principais assuntos a serem abordados no Relatório, incluindo o estado da Amazônia e os caminhos para a criação de uma bioeconomia baseada na biodiversidade e em conhecimentos indígenas.

Para receber um convite, jornalistas podem escrever para: [email protected]

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData