democraciaAbierta

Trump, Bolsonaro, Modi: aspectos da agenda global de direita

O nacionalismo indiano de Narendra Modi, o populismo conservador de Donald Trump e a direita de Jair Bolsonaro no Brasil são desafios aos valores que a democracia pretende elevar. Español English

Beatriz Martinez Saavedra
23 September 2019
Martin Rickett/PA Wire/PA Images

A democracia é considerada a forma mais legítima de governo associada a fatores como igualdade, representação política, direitos civis e participação do cidadão. No entanto, tendências políticas que se opõem aos sistemas democráticos no campo dos direitos humanos, respeito ao multiculturalismo e ao meio ambiente, desenvolvem-se sem interrupção dentro desses sistemas.

Nesse cenário, expressões de direita, como o nacionalismo hindu na Índia, liderado pelo primeiro-ministro Narendra Modi, populismo conservador nos Estados Unidos de Donald Trump ou a direita no Brasil representada pelo presidente Jair Bolsonaro, emergiram dentro de democracias consolidadas. Juntos, esses regimes impõem desafios profundos aos valores que a democracia pretende elevar. Além disso, o apoio a esses chefes de Estado é preocupante, pois revela que seu pensamento conservador está em sintonia com o de vastos segmentos da sociedade.

Narendra Modi, hostil à minoria muçulmana, conquistou a reeleição para seu segundo mandato como primeiro-ministro em maio passado. Modi permaneceu no cenário político apesar da suspeita de sua responsabilidade, direta ou indireta, nos motins anti-muçulmanos que ocorreram em Gujarat em 2002, quando ele era chefe de governo daquele estado e no qual mais de mil morreram, a maioria muçulmanas.

Sua posição anti-islâmica coincide com a de seu partido, o Bharatiya Janata (BJP), ligado a uma tendência de supremacia hindu sobre as expressões culturais das minorias. Desde seu primeiro mandato como primeiro-ministro de 2014 a 2019, as agressões contra os muçulmanos aumentaram, em particular linchamentos contra aqueles que consomem carne bovina, o que é um tabu para a inflexível ideia Hinduísta que o BJP apoia.

Similarmente, seu segundo termo foi consolidado com uma postura belicista em relação à questão de Jammu e Caxemira, uma região que revogou seu status especial na federação indiana em agosto passado. Isso levou à escalada das hostilidades para a população da Caxemira de maioria islâmica, sitiada e vil em meio a disputas entre dois países - Índia e Paquistão - que possuem armas nucleares.

Enquanto isso, a vitória de Donald Trump em 2016 foi contundente na guinada política à direita a nível mundial. Seu governo, marcado por forte autoritarismo, afetou negativamente questões cruciais como liberdade de expressão, meio ambiente e direitos humanos dos imigrantes.

Sua irresponsabilidade diante da crise ecológica global foi revelada em 2017 com a retirada dos Estados Unidos do Acordo de Paris para lidar com as mudanças climáticas. No entanto, o aspecto mais controverso de seu governo está nas políticas de imigração contra latinos e muçulmanos em particular.

14 de junho de 2019, Japão, Osaka: o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aperta a mão do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro | -/DPA/PA Images

Como mostram os especialistas, a ideia de Trump de tornar os Estados Unidos "grande de novo" se baseia em uma atitude pós-fascista (diferente do fascismo histórico, mas com reverberações no aspecto da animosidade racial), procurando purificar a população do país de imigrantes não brancos.

A obsessão persistente na construção ou expansão do muro na fronteira sul entre os Estados Unidos e o México; a política de separação de famílias que atravessam a fronteira; a superlotação de migrantes em gaiolas em condições deploráveis; a pressão sobre o México para se tornar um país-prisão para migrantes são pilares da política anti-imigração de Donald Trump, também recheada de um discurso hostil que estigmatiza os migrantes que procuram proteção contra guerra, miséria e outras circunstâncias em seus países de origem.

Jair Bolsonaro, com a grandiloquência de um discurso que justificou a ditadura e revelou seu viés racista, misógino e homofóbico, conseguiu chegar à presidência do Brasil em janeiro de 2019, tendo como apoio fundamental a chamada Bancada BBB (Boi, Bala e Bíblia) do Congresso brasileiro.

Esses grupos de agronegócios, evangélicos e lobistas pelo uso de armas têm uma agenda conservadora sobre questões sociais e econômicas, coincidindo com a agenda do próprio presidente.

Dentre suas políticas em relação aos povos indígenas, destaca-se a posição de Bolsonaro na tentativa de modificar as atribuições da Fundação Nacional do Índio (Funai) que a privaram de definir e demarcar territórios indígenas, à medida que essa função passou para as mãos do Ministério da Agricultura que privilegia o agronegócio sobre a preservação e proteção de grupos étnicos e seu meio ambiente.

Essas políticas se solidificam graças à convicção de Bolsonaro de que o reconhecimento de terras indígenas é um obstáculo para o agronegócio. Nesse sentido, a indiferença à catástrofe ecológica das últimas semanas com os enormes incêndios Amazônia coincide com a atitude indolente do presidente brasileiro sobre os povos indígenas e seus territórios.

Esses cenários revelam que a democracia pode ser destruída por dentro e mais quando há setores da população que apoiam as políticas antidemocráticas desses líderes. Cenários de precariedade ou aspiração econômica têm sido propícios para que o discurso de ódio entre em vigor. Os efeitos do discurso de ódio resultaram em tragédias desastrosas como a de El Paso, em agosto passado.

Portanto, ideias de supremacia branca nos Estados Unidos, de supremacia hindu na Índia ou desprezo de grupos étnicos no Brasil, quando ligadas à visão de economia e a um paradigma de bem-estar social que, em teoria, é violado com a chegada de certos grupos, permite que os líderes repensem a noção de direitos humanos e, infelizmente, resulta no acúmulo de riqueza nos grupos mais privilegiados.

Assim, o governo de direita não é apenas uma visão crítica conservadora das agendas progressistas, mas também envolve prejudicar os direitos humanos de grupos vulneráveis e promover tensão social com tentativas abertas de cancelar qualquer expressão de solidariedade e empatia.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram