democraciaAbierta

Tudo ou nada: um “Green New Deal” para a América Central

A governo de Donald Trump já está em campanha para as próximas eleições e a redução da imigração é um dos seus grandes focos. Enquanto isso, a Guatemala tornou-se uma prisão temporária para migrantes. Español English

Renata Avila
12 August 2019
2 de agosto de 2019: Mulheres esperam por parentes que foram deportados dos EUA e chegam ao Aeroporto Internacional da Cidade da Guatemala na sexta-feira em um vôo lotado.
|
Miguel Juarez Lugo/Zuma Press/PA Images

A questão da migração permite que Trump implemente seu poder imperial na Câmera para cobrir uma série de fracassos com pompa: sua última "conquista" foi forçar a Guatemala, um país à beira do colapso e em uma crise humanitária e institucional, a ser a prisão temporária dos que buscam asilo nos EUA.

A tarefa da Guatemala será receber centenas de migrantes deportados. É o inferno designado para os campos de concentração de migrantes, o que os colocaria fora do alcance dos tribunais dos Estados Unidos. A Guatemala se torna a Turquia Tropical, o país onde os pedidos de refúgio serão concentrados, para que a barbárie seja realizada offshore. E de todos os centro-americanos, este é o país com um longo e ininterrupto histórico de controle e repressão aos deslocados internos. Um país que historicamente serve de cobaia, desde a derrubada de políticas fundiárias, até “aldeias modelo”, a Guatemala é um laboratório de terrorismo e expropriação do Estado como parte das políticas genocidas que deixaram mais de 250.000 mortos quatro décadas atrás. Hoje, a barbárie se repete.

A América Central oferece evidências sólidas do completo fracasso das políticas econômicas que beneficiaram alguns países poderosos, sacrificando os mais vulneráveis.

O silêncio da comunidade internacional mostra que há cúmplices do infortúnio centro-americano de ambos os lados do Atlântico. A tragédia do Mediterrâneo e do deserto do Arizona são idênticas em causas, e receberam a mesma resposta. As organizações multilaterais repetidamente falham com os pobres e vulneráveis no mundo, e o modelo de comércio internacional hoje só favorece os autores da maior tragédia ambiental que se aproxima, e seus cúmplices.

Poderiam as forças progressistas de ambos os lados do Atlântico se atrever a pressionar por um "Green New Deal" para a América Central?

Os EUA, o Canadá, a China e a Europa são as potências mundiais que contribuíram para a rápida deterioração da qualidade de vida dos centro-americanos por meio de esquemas de exploração e pressão política. Da destruição das economias locais como resultado do Tratado de Livre Comércio entre Estados Unidos, América Central e República Dominicana (CAFTA-DR), ao reforço das políticas comerciais que evitam o cumprimento dos direitos humanos e ao Acordo de Associação entre a União Europeia e América Central, que protege e consolida a dominação e o controle de grandes corporações da matriz energética dos países da América Central.

Poderia a região, desta vez, ser um espaço de teste para um conjunto de políticas que vão, justamente, na direção oposta? Poderosas forças progressistas de ambos os lados do Atlântico se atrevem a pressionar por um Novo Acordo Verde para a América Central como uma resposta à atual crise?

Seria possível para o mundo desenvolvido imaginar uma moratória para os países que são os mais desiguais, violentos e vulneráveis às mudanças climáticas, permitindo que seus povos tenham flexibilidade suficiente para aplicar excepcionalmente outro modelo econômico? Energia limpa? Empregos decentes? Sementes nativas?

A América Central é responsável por 7% da biodiversidade mundial, apesar de seu pequeno tamanho. A região lidera o ranking dos países mais desiguais do mundo e dos países mais pobres das Américas, e abriga quatro das cinquenta cidades mais violentas do mundo. Se a desaceleração econômica se somar à extrema vulnerabilidade às mudanças climáticas, à falta de políticas públicas ativas de inclusão das mulheres e ao racismo às populações indígenas e afrodescendentes, é óbvio que o número de pessoas dispostas a migrar para o Norte, mesmo arriscando tudo, continuará aumentando.

Um "Green New Deal" para a América Central permitiria a realização de testes-piloto, dando forma concreta e defendendo um futuro diferente - não mais como uma ideia, mas como uma realidade comprovada. Substituição de instituições frágeis e fracassadas por arquitetura resultante da transformação econômica e ecológica, fortalecendo as comunidades indígenas e rurais, recuperando o controle do patrimônio natural, revertendo o rápido desaparecimento de espécies únicas, preservando as reservas de oxigênio remanescentes na região, compensando os países da América Central pelo impacto que 10% do mundo infligem sobre eles, colocando-os no mapa dos países mais ameaçados pela crise climática global. Essas mudanças não dependem dos congressos desses países. Elas dependem de Washington, Bruxelas e das instituições financeiras internacionais.

Se a mudança radical não for uma opção, os remendos de ajuda humanitária acabarão nos bolsos de empreiteiros ligados ao setor de segurança.

Essa crise humanitária resume os fracassos do sistema que o mundo inflige aos pobres, levando-os a cruzar mares e desertos e arriscar tudo em busca de uma vida mais digna. Ao mesmo tempo, é também uma oportunidade para uma mudança radical, para transcender os discursos que prometem “futuros sustentáveis” paliativos que ninguém está disposto a financiar. É uma oportunidade para elevar a solidariedade internacional com base em um plano concreto - além das palavras e do papel.

Se o "Green New Deal" não funcionar aqui e agora, se não conseguir superar as reações dos campos humanitários e êxodos em massa e produzir uma pauta positiva, amanhã será tarde demais. Se selarmos um novo contrato social, devemos incluir todos; devemos nos certificar de que ninguém seja deixado para trás - começando com aqueles a quem devemos mais.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram