Transformation: Opinion

Tumultos são contraproducentes? Quem decide?

A violência durante protestos costuma ser responsabilizada por produzir uma reação política, mas o quadro real é mais complexo.

Matteo Tiratelli
18 September 2020
Flickr/Sergio. CC BY-NC-SA 2.0.

Quando alguns dos protestos recentes do Black Lives Matter contra o assassinato de George Floyd terminaram em tumultos, a reação foi imediata e previsível: diferentes visões do legado de Martin Luther King foram disputadas, interpretações rivais do Movimento dos Direitos Civis foram implantadas e lições contrastantes foram identificadas.

Não pode haver uma interpretação única da turbulenta década de 1960, mas podemos aprender muito com os trabalhos históricos sobre esse período. Em particular, a análise recente de Omar Wasow das táticas do Movimento dos Direitos Civis apresenta um argumento provocativo de que o protesto "não violento" ajudou a moldar uma conversa nacional que elevou o perfil da agenda dos direitos civis e levou a ganhos eleitorais para os democratas em início dos anos 1960.

Em contraste, ele argumenta, tumultos nas cidades dos EUA após o assassinato de Martin Luther King empurraram os americanos brancos para a retórica da 'lei e ordem', levando eleitores brancos em direção ao Partido Republicano e ajudando Richard Nixon a vencer as eleições presidenciais de 1968 pouco depois.

Este é um argumento polêmico, que fez o analista político David Shor perder seu emprego quando recentemente tuitou sobre a tese de Wasow e recebeu uma resposta furiosa daqueles que viram isso como um ataque ao protesto legítimo. Na raiz dessa controvérsia estão questões importantes sobre se é apropriado caracterizar os tumultos como uma 'escolha tática', quem essa caracterização torna responsável pela injustiça racial em curso e o que o fato de estarmos tendo este debate diz sobre a visão das pessoas sobre a política e prioridades. Como King advertiu em 1968:

“O tumulto é a linguagem dos que não são ouvidos. E o que os EUA não ouviram? (...) não ouviram que grandes segmentos da sociedade branca estão mais preocupados com a tranquilidade e o status quo do que com a justiça e a humanidade.”

Mas os movimentos sociais não podem ignorar esses argumentos completamente. A ideia de que protestos violentos podem ser arriscados não é surpreendente, uma vez que, em sociedades que se orgulham de ser "pacíficas", os tumultos violam muitos valores liberais tidos como garantidos. A análise quantitativa e rigorosa de Wasow dá a este argumento uma base histórica, mas também tem ressonâncias óbvias para hoje, em um momento em que o presidente Donald Trump está concorrendo à reeleição com uma plataforma de 'lei e ordem' contra o pano de fundo de protestos de rua em cidades como Portland e Kenosha.

No entanto, as implicações dos argumentos de Wasow não são tão diretas como podem parecer. Uma questão imediata diz respeito à sua metodologia e ao tamanho dos efeitos que estima. Os modelos relatados no artigo de Wasow não incluem nenhum controle de tempo, que normalmente é incluído em análises estatísticas para controlar as tendências gerais que afetam a sociedade como um todo, tendências que presumimos que teriam acontecido de qualquer maneira.

Em vez de perguntar se os tumultos são "eficazes", talvez devêssemos perguntar se eles são reações justificáveis

Em um apêndice de seu artigo, Wasow relata alguns modelos com controle de tempo e estes reduzem significativamente o efeito negativo dos tumultos na opinião dos americanos brancos. Se isso afeta sua afirmação de que Nixon teria perdido a eleição presidencial de 1968 na ausência de tumultos, é difícil dizer sem uma análise mais aprofundada. Mas, deixando de lado o tamanho exato do efeito, parece plausível dizer que os protestos violentos alienaram pelo menos alguns aliados potenciais do Movimento dos Direitos Civis e que isso poderia ter tido consequências eleitorais significativas.

Mas outra coisa fica clara nos dados da opinião pública que Wasow coleta. Mesmo durante o auge dos protestos supostamente “não violentos” do início dos anos 1960, a agenda dos direitos civis foi apenas momentaneamente levada para o primeiro plano das conversas nacionais. Os saltos repentinos que caracterizam o padrão de protestos ao longo do tempo parecem se refletir na natureza temporária das mudanças na opinião pública que podem causar.

Isso levanta sérias questões sobre a eficácia dos protestos cujo objetivo principal é mudar a opinião pública, porque eles operam em uma escala de tempo completamente diferente dos ciclos lentos de desenvolvimento de políticas, construção de instituições e crescimento cultural que são necessários para mudanças políticas fundamentais. Se os políticos sabem que é provável que a atenção das pessoas se disperse após alguns meses, eles têm pouco incentivo para levar adiante reformas significativas.

MatteoTiratelli2.png

Fonte: Omar Wasow, “Agenda Seeding: How 1960s Black Protests Moved Elites, Public Opinion and Voting”, American Political Science Review, Volume 114, Issue 3.

A natureza transitória das mudanças na opinião pública mostrada na Figura 1 é apoiada por um corpo mais amplo de evidências. Por exemplo, Michael Biggs, Chris Barrie e Kenneth Andrews mostraram recentemente que o Movimento dos Direitos Civis teve apenas efeitos insignificantes de longo prazo nas atitudes dos americanos brancos, tornando-os não mais ou menos propensos a ter visões liberais sobre raça ou a apoiar o Partido Democrata. Portanto, se os efeitos de protestos mais "respeitáveis" também podem ser questionados, onde isso deixa os tumultos?

Um aspecto frequentemente ignorado dos tumultos é sua capacidade de produzir novas gerações de líderes e organizadores e servir de inspiração para lutas futuras. Como Vicky Osterweil argumenta em seu novo livro, "In Defense of Looting" (em defesa da pilhagem), muitos movimentos políticos significativos nasceram em momentos de rebelião turbulenta – Stonewall sendo um exemplo óbvio e importante. Os desafios metodológicos de medir e testar esses efeitos culturais de longo prazo são enormes, mas isso não significa que devam ser descartados.

Há também a questão de saber se os distúrbios devem ser considerados uma "tática". Obviamente, eles não são "programados" da mesma forma que uma demonstração ou protesto. Nem são tão fáceis de conter e controlar como uma marcha ou uma reunião pública. Em vez de perguntar se os tumultos são "eficazes", talvez devêssemos perguntar se eles são reações justificáveis. Expressões de pesar ou raiva podem fazer pouco para desafiar ou mudar a situação que as provocou, mas ainda podem ser vistas como respostas adequadas e importantes. Tenho alguma simpatia pela lógica consequencialista de enfocar na eficácia dos tumultos, mas devemos estar abertos a outras estruturas de avaliação também.

Por fim, vale a pena perguntar se a reação relatada contra os tumultos do final dos anos 1960 provavelmente se repetirá em 2020. Por um lado, os dois conjuntos de distúrbios ocorreram pouco antes das eleições presidenciais. As apostas são, portanto, igualmente altas. Mas, por outro lado, o contexto midiático muito diferente de hoje pode alterar o poder dos repórteres de enquadrar esses eventos de maneiras positivas ou negativas.

As redes sociais, por exemplo, têm se mostrado vital para a recente onda de protestos contra o racismo e a brutalidade policial, permitindo o compartilhamento de imagens e vídeos e servindo como uma ferramenta educacional e de defesa vital. Até agora, o impacto dos protestos na opinião pública tem sido amplamente positivo, com muito mais pessoas citando raça e racismo como um problema mais importante nos Estados Unidos do que o crime e a violência – embora este último tenha aumentado desde maio de 2020, especialmente em certos grupos demográficos.

E, embora o aumento da atenção ao racismo mostrado na Figura 2 seja muito menor do que a tendência equivalente da década de 1960, o contexto da Covid-19 torna qualquer comparação direta extremamente difícil, especialmente quando as perguntas dos pesquisadores dizem respeito ao 'problema mais importante que enfrentamos.’

MateoTaratelli3.png

Fonte: Gráfico do autor, compilado do Gallup Polling Data, 2020.

Vale ressaltar também que os efeitos de qualquer evento sobre a opinião pública são apenas parcialmente determinados pelas características do próprio evento. Muito mais significativa é a luta política para representá-lo de forma particular no imaginário público.

Assim, em vez de criticar os tumultos que já aconteceram, nosso foco deveria estar em apontar o absurdo de uma lógica na qual o assassinato sistemático é desculpado, mas os danos materiais são condenados; em demonstrar o horror contínuo da violência racista; e em retratar as inúmeras maneiras pelas quais a opressão estrutural é reproduzida. Essa é a luta à qual devemos nos dedicar novamente.

Get emails from Transformation A weekly roundup of stories from the people combining personal and social change in order to re-imagine their societies. Join the conversation: get our weekly email

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData