democraciaAbierta

Um país, dois Brasis (II)

Num momento decisivo para o futuro do Brasil, falámos com o um pai e um filho sobre o país do futuro e sobre a sobrevivência da democracia na região. Entrevista (Parte I)

Manuel Nunes Ramires Serrano Leonardo Lopes da Silva Paulo Calixto da Silva
26 October 2018
260584822_6c256d669d_b.jpg

Fernando Henrique Cardoso, antigo presidente do Brasil (São Paulo, 2006). Ricardo Motti/Flickr. Alguns direitos reservados.

“Apesar de você/ Amanhã há de ser/ Outro dia/ Você vai ter que ver/ A manhã renascer/ E esbanjar poesia/ Como vai se explicar/ Vendo o céu clarear/ De repente, impunemente/ Como vai abafar/ Nosso coro a cantar/ Na sua frente”.

― Chico Buarque, Apesar de Você

Manuel Serrano: A maioria dos comentadores políticos na Europa acreditam que o Bolsonaro é um perigo para a democracia. Você viveu durante a ditadura? Teme que o Brasil esteja a voltar ao autoritarismo?

Leonardo Lopes da Silva: Não vivi durante a ditadura, mas vivenciei as suas consequências. No campo da educação, a formação integral de um aluno deu lugar a um foco no ensino técnico, que, apesar de preparar a pessoa para o mercado de trabalho mais cedo, não a imbuía do pensamento crítico e da visão generalista tão necessária nos dias de hoje, para interpretar o mundo de forma mais completa.

Vinte anos de ditadura também retardaram o processo de amadurecimento cívico da população em geral, que continuou (e de certa forma contínua) a crer no Estado paternalista como o início e o fim de todos os seus problemas. Economicamente foi criado um ciclo de dependência a projectos de país que apostaram na construção de infra-estruturas gigantescas onde famigeradas empreiteiras como a Odebrecht enriqueceram com contractos milionários e ultrafaturados, o que criou o ciclo vicioso de apoios e lobbies para grupos políticos pós ditadura.

Em suma, as grandes corporações, que hoje em dia concentram grande poder e influência política e económica, nos meios de comunicação, no sector bancário, nas indústrias de base, passaram a ter lugar cativo à mesa na criação de um Brasil movido por interesses privados, com autoridades públicas a chancelar essa política fisiológica da qual se tanto fala hoje em dia. O caixa dois começou na ditadura, e com esperança, acaba numa democracia mais amadurecida.

Vinte anos de ditadura retardaram o processo de amadurecimento cívico da população em geral.

Vale lembrar que este é um sistema que foi utilizado por todos os actores políticos, da esquerda à direita, que se beneficiaram disto até o seu desmascaramento por operações da Polícia Federal como a Lava Jato.

Além da ditadura cercear obviamente as liberdades dos indivíduos, ela acabou por enraizar no dia a dia da administração pública a preservação dos privilégios para os que estão no alto escalão, e a promoção do modelo hierarquizado de poder, onde as decisões sempre vem de cima para baixo. Isso não facilitou o crescimento e amadurecimento político da população para participar em uma democracia.

Paulo Calixto da Silva: A Europa está sendo enganada. Os comentaristas políticos e a maioria da esquerda não conhecem a realidade brasileira, e se a conhecem, fazem questão de mostrar uma outra óptica distorcida da realidade e da pessoa do Jair Bolsonaro, certamente porque o candidato é um militar e tem suas posições de dizer a verdade sempre e abolir a velha máxima do “politicamente correcto”, o que afecta profundamente aqueles que estão acostumados a viver da mentira.

Eu vivi toda minha infância e juventude no período da ocupação militar que muitos erroneamente e propositalmente de “ditadura militar”. Jamais vivi, ou conheci alguém que tenha sido torturado ou molestado pelo estado nesse período. O que eu presenciei, e isso digo com veemência que razão me concede, foi exactamente o contrário: foi o período de maior e mais consistente crescimento, desenvolvimento económico industrial e cultural.

Havia segurança, educação, respeito e valores como base de sustentação da sociedade. Foram os melhores anos que já vivi. Eu era hippie e tinha plena liberdade para isso; só foi péssimo para bandidos e terroristas.

 Os comentaristas políticos não conhecem a realidade brasileira, e se a conhecem, fazem questão de mostrar uma óptica distorcida da realidade.

O Jair Bolsonaro tem um projecto de Brasil como nação soberana, que valoriza suas riquezas, a sua gente, a família, a cultura, o seu presente e futuro. Conheça mais esse homem para fazer seu justo juízo de valor. Bolsonaro não é um perigo para o Brasil nem para a América Latina nem para o mundo. Só que quem não vive no Brasil, ou é um esquerdista abominável, acredita, pensa e especula esse tipo de comentário.

Manuel Serrano: Como se sente em relação a Lula e ao PT? E em relação ao Haddad? São tão maus como o Bolsonaro, como afirmam muitas pessoas?

Leonardo Lopes da Silva: O Lula e o PT fizeram tudo o de bom e tudo o de mau para o país, no sentido de reduzir a pobreza e dinamizar a economia, aumentar a capilaridade do ensino público universitário, mas também ao quererem monopolizar o poder e a discussão, tentar controlar a imprensa, e caírem fundo na adesão ao sistema de governança corrupto que eles mesmos diziam ser contra.

Para mim, isso resultou numa imensa desilusão da população com a política, e nos levou a um retrocesso onde a esquerda carregará um estigma e uma maldição pelos próximos quinze ou vinte anos. Culpo o PT e a sua cúpula por macularem o ideário humanitário, desenvolvimentista e reformista que a esquerda mundial, em particular a esquerda europeia, tem, de humanizar o capitalismo e promover o progresso para todos e não para poucos.

O Lula e o PT fizeram tudo o de bom e tudo o de mau para o país.

A classe trabalhadora perdeu a confiança neste ideário por causa do PT. Mas pessoas são pessoas, e o fato da pessoa estar errada, não significa que as suas ideias e teses estejam erradas. Todos os que se consideram de esquerda em geral, e o PT principalmente, devem passar por um processo de autocrítica e de renovação para deixar de ver questões menores (apesar de importantes).

Estas devem incluir o direito de minorias, para voltar a abordar grandes questões, a maior desigualdade e concentração de renda a nível nacional e global, como reactivar a economia com padrões sustentáveis e inclusivos, como preparar a classe trabalhadora e média para um futuro com menos empregos na área primária e secundária, como lidar com o aquecimento global e promover energia sustentável, e acima de tudo, como gerir um Estado extremamente ineficiente com os impostos que cobra e os recursos que usa.

Paulo Calixto da Silva: O Lula, em quem eu acreditei durante mais de mais de 30 anos, traiu o Brasil, a democracia e os que depositaram a sua confiança nele. Tornou-se na maior e mais absoluta decepção para mim e para o Brasil. É um bandido, ladrão, destruidor dos valores morais e éticos da mais alta gravidade. Só espero que ele fique na cadeia por todo o resto de sua existência. O Haddad é uma síntese daquilo que o Lula foi e será, portanto é igual ao Lula.

Porque você acha que o Bolsonaro é mau? Você já pesquisou em fontes confiáveis sobre a vida de Bolsonaro. Ou tem uma ideia preconceituosa informada por alguém que faz questão de seguir o sistema?

O Lula, em quem eu acreditei durante mais de 30 anos, traiu o Brasil, a democracia e os que depositaram a sua confiança nele.

Bolsonaro não é mau, não é misógino, não é racista, não é homofóbico e outros tantos absurdos que os meios de comunicação brasileiros, alguns jornais e comentaristas convenientemente apresentam. Eu convido todos que assim o classificam, a pesquisar mais profundamente em fontes confiáveis para emitir qualquer conclusão.

Manuel Serrano: A insegurança é um dos problemas mais sérios no Brasil. Sente-se seguro quando anda na rua?

Leonardo Lopes da Silva: Quando vivia no Rio de Janeiro, sentia-me seguro como um refém se sente seguro nas mãos de um sequestrador. Foram precisos alguns anos de vida na Europa e na Rússia para me libertar da Síndrome de Estocolmo que tinha, de olhar para os lados, de manter o meu telemóvel dentro da bolsa no transporte público, de estar pronto a renunciar a qualquer posse material para manter a minha vida. Compreendo os medos e revoltas dos meus compatriotas e sofro com eles ao ouvir o rádio com a litania da violência diária todos os dias.

Paulo Calixto da Silva: Não, não me sinto seguro em lugar nenhum no Brasil, e é por isso que apoio o plano de segurança de governo Bolsonaro.

Manuel Serrano: Crê que o Bolsonaro irá ganhar? Se sim, irá apoiá-lo se ultrapassar os limites, e ameaçar a existência da democracia no Brasil?

Leonardo Lopes da Silva: Creio que irá ganhar, pois a narrativa o favorece. Cobrarei o que ele promete desde o primeiro dia do seu governo, pois ele afirma ser o diferente, quando sei que ele não é. Opor-me-ei a qualquer desmando ou ameaça à Constituição que ele afirma respeitar, e protestarei quando qualquer direito básico for posto em questão por acções suas ou dos seus aliados. Mas aplaudirei qualquer medida que trouxer maior harmonia, prosperidade para todos, e garantia do direito à oposição. Qualquer outra coisa será o regresso a um passado funéreo.

Cobrarei o que ele promete desde o primeiro dia do seu governo, pois ele afirma ser o diferente, quando sei que ele não é. 

Paulo Calixto da Silva: Sim, irá ganhar. Apoiarei sim, e se não corresponder com o que esperamos, estarei fazendo meu papel de cidadão tirando-o do poder. Acredito firmemente que ele não é, e não será uma ameaça para a democracia, para a sociedade e para o mundo.

Acredito firmemente que ele não é, e não será uma ameaça para a democracia, para a sociedade e para o mundo.

Manuel Serrano: Se pudesse descrever numa palavra como se sente sobre a possibilidade do Bolsonaro de se tornar presidente, qual seria essa palavra? E em relação a Haddad?

Leonardo Lopes da Silva: Para Bolsonaro, espanto. Para o Haddad, resignação.

Paulo Calixto da Silva: Em relação a Bolsonaro eu me sinto totalmente seguro, confiável e ansioso para viver sobre um governo que irá fazer as necessárias mudanças em meu país. Em relação a Haddad eu e milhares de Brasileiros rejeitamos totalmente essa possibilidade.

Não vejo nenhuma possibilidade de isso acontecer, mas se acontecer, temo que as instituições correram grave riscos; a democracia será seriamente abalada e com certeza haverá a possibilidade do caos ser instalado com serias consequências. Isso é um sentimento geral de muitos brasileiros que não desejam esse mal para o Brasil.

Em relação a Bolsonaro eu me sinto totalmente seguro, confiável e ansioso para viver sobre um governo que irá fazer as necessárias mudanças em meu país.

Manuel Serrano: Como descreveria o seu papel no processo eleitoral e político de promoção do seu candidato e das suas ideias?  Concorda com as tácticas utilizadas por ambos os lados?

Leonardo Lopes da Silva: Tenho me esforçado por tentar compreender o ponto de vista de todos e por procurar um discurso que se vale pela verdade, pela razoabilidade, pela civilidade, e pelos fatos. O ataque pessoal a um ou a outro já significa uma derrota de um argumento para mim.

O debate político hoje em dia não discute ideias, não discute soluções realistas ou balizadas, não discute a possibilidade do consenso; só alimenta o conflito e a propaganda de ideias falsas, pouco estudadas, ou completamente irresponsáveis. Nisso não tenho como concordar com nenhum dos lados. Estamos tribalizados e empobrecidos. Não sabemos mais agir como cidadãos. E políticos no sentido real da palavra.

O debate político hoje em dia não discute ideias, não discute soluções realistas. Só alimenta o conflito e a propaganda de ideias falsas. 

Paulo Calixto da Silva: Concordo com as tácticas e ideias do Bolsonaro e do seu vice Mourão. Discordo totalmente das tácticas maquiavélicas do candidato Haddad.

Manuel Serrano: Ainda tem razões para acreditar na democracia como modo de organização política do Brasil?  O que pensa da independência dos três poderes existentes no país? O que deve mudar para que o Brasil entre nos eixos? Existem soluções políticas, ou a política por si só já não é a melhor forma de solucionar os problemas do país?

Leonardo Lopes da Silva: Creio que a democracia é o bem maior que se deve preservar no Brasil. E que uma reforma política deve ser feita para dar maiores poderes ao cidadão que vota, e não concentrar mais poder nas mãos de poucos. Por isso acho que o Brasil deve adoptar o modelo parlamentarista português ou britânico, para que possamos por mais pressão no parlamentar e fazer com que o governo funcione à base de princípios éticos e políticos, e não do fisiologismo. E que o parlamentar se profissionalize, com um salário mais condizente à realidade do pais.

Creio que a democracia é o bem maior que se deve preservar no Brasil, e que uma reforma política deve ser feita para dar maiores poderes aos cidadãos.

Paulo Calixto da Silva: Sim, creio na democracia e nos bons e honestos políticos que se servem dela para fazer um país mais justo e soberano. Infelizmente no Brasil terá de haver um longo período para consolidação dos instrumentos que precisam se alinharem entre os poderes.

Jair Bolsonaro e a direita, há de ser essa a alavanca para elevar um novo projecto de crescimento e revigoração das instituições brasileiras. Eu amo o Brasil, e não vou abandonar o Brasil, morrerei se for preciso pela minha pátria, para ter um país mais justo para meus filhos e para as futuras gerações.

Eu amo o Brasil, e não vou abandonar o Brasil, morrerei se for preciso pela minha pátria, para ter um país mais justo para meus filhos e para as futuras gerações.

Manuel Serrano: Se todo o poder emana do povo, por é que se verifica essa crise de representatividade no processo eleitoral? Por que não se candidatam pessoas como você a cargos públicos? Pensa tornar-se mais activo politicamente de agora em diante?

Leonardo Lopes da Silva: penso em me tornar muito mais activo, em até a me envolver numa candidatura política. Pois se não estamos sendo representados, quem nos representará?

Paulo Calixto da Silva: O Brasil vai mudar, eu tenho certeza disso, eu acredito e quero crer que um dia meus filhos que estão fora do Brasil, haverão de retornar e se orgulhar dessa terra e dar o devido valor que perderam.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram