democraciaAbierta

Um país, dois Brasis

Num momento decisivo para o futuro do Brasil, falámos com o um pai e um filho sobre o país do futuro e sobre a sobrevivência da democracia na região. Entrevista (Parte II)

Manuel Nunes Ramires Serrano Leonardo Lopes da Silva Paulo Calixto da Silva
26 October 2018
9103560328_9a9c367e3b_o.jpg

Sebástian Freire/Flickr. Alguns direitos reservados

“Somos todos estranhos uns em relação aos outros. Podemos usar as mesmas palavras, mas não falamos a mesma língua.”

― José Eduardo Agualusa

Às vezes o melhor é não escrever. Às vezes o melhor é ouvir. Este é um desses momentos. A democracia garante que, independentemente do quão fino se corte, sempre existirão dois (muitos) lados. E neste caso, respeitar a democracia supõe rejeitar a possibilidade de que cinquenta milhões de pessoas sejam fascistas, apesar das mesmas terem votado num candidato que parece fascista, e que fala como um fascista.

Quero acreditar que as milhões de pessoas que vivem no Rio de Janeiro, em São Paulo, em Fortaleza e no Recife votaram em Jair Bolsonaro porque estão desesperadas. E que apenas algumas votaram no candidato do PSL porque ele prometeu acabar com os criminosos e traficantes, acabar com os activismos e devolver o Brasil a um passado sombrio. Pessoalmente, não tenho dúvidas sobre quem Bolsonaro é: um populista que despreza os direitos humanos e a liberdade. Um apologista da tortura que foi crescendo em popularidade com o caos gerado pela corrupção, pela insegurança e pela instabilidade económica.

Apesar de tudo isto, Bolsonaro obteve 46% dos votos na primeira volta das eleições presidenciais brasileiras. Não me compete, portanto, voltar a escrever; chegou a hora de ouvir. 

A democracia garante que, independentemente do quão fino se corte, sempre existirão dois (muitos) lados. 

Manuel Serrano: O Brasil já foi descrito como o país do futuro. O que aconteceu?

Leonardo Lopes da Silva: O Brasil vive uma crise de identidade. E o Brasil que conheço está passando por uma crise institucional que surgiu a partir de uma crise económica, que por sua vez mostrou a forma errada como as administrações desde Sarney até o Temer tem gerido as finanças públicas, algumas políticas económicas e as prioridades sociais.

Nunca se acordou numa visão de estado e país que fosse protegida a todo custo, independentemente da posição política deste ou daquele partido político no poder. E a manutenção de um modelo patrimonialista e clientelista de governo para a realização de projectos de ambos PSDB e PT – sempre com o PMDB ligado parasitariamente a qualquer governo em qualquer circunstância – acabou por manchar permanentemente o processo político, com o inchaço de poder do Executivo, o atolamento do Legislativo em crises, e o activismo muitas vezes arriscado do Judiciário.

O pior de tudo isso é o isolamento e a miopia da classe política, afastada dos centros urbanos e do contacto com os cidadãos, numa cidade no meio do nada – Brasília -  onde todo o tipo de negociata pode ocorrer na calada da noite, com impunidade, sem a necessária pressão da população em cima dos seus representantes.

Criámos governantes que querem governar sem o povo, legisladores que criam leis que beneficiam interesses de grupos escusos e se beneficiam a si próprios, e juízes que julgam com uma formalidade e uma frieza técnica que os afastam da execução da justiça. Em suma, vivemos num país de castas políticas, e agora estas castas estão sendo postas à prova, atendendo a uma narrativa dominante do “nenhum deles presta”.

Criámos governantes que querem governar sem o povo, legisladores que criam leis que beneficiam interesses de grupos escusos e se beneficiam a si próprios.

Paulo Calixto da Silva: Tenho 63 anos, nos quais fui e sou testemunho das muitas fases que o Brasil passou ao longo de sua história recente, até o momento actual. O “Brasil, país do Futuro”, teve esse memorável título, pelo qual fora rotulado por muitos anos, principalmente pela excelente visão e obra do escritor judeu-austríaco Stefan Zweig na metade do século XX, onde descreve nosso país com suas riquezas naturais, culturais, orgânicas, potencialidades, a beleza e características seu povo, para ser grande perante o mundo.

Infelizmente o Brasil, apesar de toda sua pujança, descrita, conhecida e cobiçadas por muitos, tem desperdiçado esses valores, jogando no lixo da História um património valiosíssimo que será muito tarde se não tomarmos urgente medidas (talvez extremas), más necessárias para recuperar o mínimo que ainda resta de um país ou nação soberana. “O que deu errado? Ou o que tem dado errado?”

Eu diria: quase tudo que deveria ser o “certo” dentro de parâmetro de valores que deveriam ter sido aprendidos, criados e preservados. Isso compreendendo na cultura de parte de um povo que não foi preparado para herdar esse país como o Brasil. Aí está à base de tudo: o brasileiro não aprendeu a conhecer, amar e valorizar a sua pátria, deixando de cultivar a sua grandeza, dando lugar aos desmandos e acções de lideranças corruptas e políticas de governos sectários, ideologias casuísticas e modelos danosos.

O brasileiro não aprendeu a conhecer, amar e valorizar a sua pátria, deixando de cultivar a sua grandeza. 

Exemplo disso mesmo são os governos pós-ocupação militar de 1985 até os dias de hoje, tendo seu ponto máximo no governo de Fernando Henrique Cardoso, o mais maléfico e destrutivo de todos, continuando com Lula a Temer, todos eles dentro de projecto ideológico e fisiológico de uma esquerda corrupta e destruidora de valores fundamentais do ser humano. Chegámos a um momento de mudança, e essa mudança precisa de ser radical.

Manuel Serrano: Devemos culpar os políticos por esta situação? Confia neles?

Leonardo Lopes da Silva: Os políticos têm a sua parcela de culpa pela situação. Já seja o PT, que deu ao país uma narrativa de esperança, desenvolvimento e mobilidade que não existe mais, pela sua própria incompetência, inabilidade de analisar a conjuntura na qual o país se encontrava, e pela sua própria sede de querer se entronizar no poder a qualquer custo.

Seja pelo PSDB, que se enveredou numa trilha de total sabotagem da institucionalidade ao buscar a derrubada de Dilma com o PMDB e que quis impor ao país o aprofundamento de uma receita neoliberal reciclada da era Fernando Henrique Cardoso. Seja todos os partidos maiores e menores, imersos numa cultura de fisiologismo e da defesa dos interesses próprios.

Mas a política não se deve perder, deve se reajustar, deve morfar de forma que haja mais participação da população, que se vê como vítima e como ser passivo num processo onde ela perde a sua segurança, vê o seu custo de vida aumentar, os impostos aumentarem, e o seu salário, a sua saúde, a sua educação piorar.

Os cidadãos que agora acordam com um interesse em política devem assumir a responsabilidade pela criação de uma sociedade que conhece as suas leis e os seus legisladores, reivindica os seus direitos, dialoga pacificamente com os seus opositores, e acima de tudo, preza por valores éticos e morais que valorizem e não demonizem maiorias e minorias. Uma sociedade que fala menos sobre moralidade e ponha em práticas de diminuir a corrupção no seu próprio dia a dia, desde o pagar dos impostos até o respeito às leis do trânsito.

Vivemos num país de castas políticas, e agora estas castas estão sendo postas à prova, atendendo a uma narrativa dominante do nenhum deles presta.

Paulo Calixto da Silva: Em parte sim, mas também toda uma estrutura de um sistema caótico de impunidade e selectividade entranhado no cerne de uma justiça corrupta e leniente. De uma população carente de uma cultura de valores, direitos, deveres intrinsecamente fundamentados numa formação matricial de família e na educação.

Manuel Serrano: Posso perguntar em quem você votou? Você é de esquerda? É conservador? Petista? Bolsonarista? Votaria noutra pessoa se tivesse a oportunidade?

Leonardo Lopes da Silva: estou impossibilitado de votar por problemas burocráticos, mas teria votado no Ciro Gomes no primeiro turno, e votaria no Haddad no segundo, com todas as ressalvas possíveis e imagináveis.

Sou alguém que estava na extrema-esquerda na juventude, tendo militado num dos minúsculos partidos trotskistas que existem no Brasil, e que agora se alinha com os valores de uma esquerda reformista, que não deseja a revolução, mas a preservação da democracia, dos aspectos positivos do liberalismo, de uma visão onde o individuo, na busca pela afirmação das suas liberdades, não pode se esquecer da sociedade na qual está inserido, e vice-versa.

A política não se deve perder, deve morfar de forma que haja mais participação da população, que se vê como vítima e como ser passivo. 

Um mundo onde os poucos que detém quase tudo trabalham com os muitos que quase nada tem para que haja pelo menos desigualdades menores, disparidades menores., transformando o capitalismo predatório numa força sustentável, ética, humanitária, libertadora.

Como alguém deste lado do espectro, repudio todo e qualquer totalitarismo, toda e qualquer ditadura, e repudio a mim mesmo por ter abraçado uma causa totalitária, apesar de nunca ter causado mal a ninguém ou brigado com ninguém na defesa da mesma. Desejo buscar um diálogo inclusivo e não sectário na defesa de um número cada vez maior de pessoas que estão sendo excluídas das benesses de uma globalização que beneficia a poucos, governos e blocos económicos que não contemplam a classe trabalhadora e media, e a exploração sem limites dos recursos naturais do planeta a causar catástrofes cada vez maiores.

Repudio todo e qualquer totalitarismo, toda e qualquer ditadura, e repudio a mim mesmo por ter abraçado uma causa totalitária.

Paulo Calixto da Silva: Sim, votei no primeiro turno e votarei no segundo turno no candidato à Presidência do Brasil Jair Bolsonaro porque ele representa, não só para mim, más também para aproximadamente mais de 80 milhões de brasileiros, a única e última esperança de mudar e barrar o rumo obscuro que está a conduzir o Brasil para uma esquerda totalitária e extremista do abominável comunismo.

Jair Bolsonaro representa o desejo de mudança de uma gigantesca massa de brasileiros que com trabalho e dedicação sustentam a economia desse país e são as últimas reservas dos valores familiares, religiosos e patriotas que amam o Brasil.

Sou sim conservador dos valores pátrios, culturais, históricos, humanos e familiares. Não sou de esquerda, más fui um fervoroso defensor e sempre votei em todas as candidaturas de Fernando Henrique Cardoso, Lula e até Dilma Rousseff, mas felizmente tive a oportunidade de enxergar a razão, e mudei completamente minha visão da política e dos políticos. 

Ao ficar a conhecer a esquerda, o comunismo e tudo que representam de mal para o Brasil, para a sociedade e para o mundo, não tenho a menor dúvida que sou de direita. Não sou ligado a nenhum partido, nem pretendo me filiar a nenhum: o meu partido é o Brasil.

Continua neste link.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram