democraciaAbierta

'Dia e noite perdemos a esperança da vida', Óscar Montero, líder social colombiano

Não tenho mais lágrimas para chorar. Que o sangue derramado seja suficiente para buscar dignidade na Colômbia. Ou nós acordamos ou continuarão nos matando! Que estas lágrimas sejam rios de força para a vida.

Óscar Montero de la Rosa
27 Agosto 2020, 12.01
Indígenas Nasa massacrados em Valle del Cauca, 2019
|
Foto: Óscar Montero

Dia e noite perdemos a esperança da vida, mas estamos convencidos de que nossas lutas, demandas e resistências devem continuar por aqueles que foram tomados pela pior morte, por aqueles que estão sobrevivendo e por aqueles que viram, como semente de vida e força, para continuar o legado.

A Colômbia, nos últimos meses e em meio à pandemia, vivenciou na época da "implementação do Acordo de Paz " sua situação mais crítica em termos humanitários. Diariamente vivenciamos massacres, deslocamentos, ataques e uma vontade de ferro de justificar a violência por parte do governo. O estigma é o mesmo de sempre: "foi por alguma razão", "eles quebraram a quarentena", "ajuste de contas", e até mesmo os mais ousados dizem: "eram jovens guerrilheiros". Mesmo na morte, nosso nome e dignidade não são respeitados.

Tem havido tanta violência no país que infelizmente perdemos nossa empatia, solidariedade e humanidade com os outros; parece que até que seja a nossa vez, não deixaremos de naturalizar o massacre em que estamos imersos.

Neste momento, 25 de agosto de 2020, tarde da noite, ao escrever apelos para que o mundo nos escute e nos ajude, tomamos conhecimento de um novo massacre, um em Catatumbo. Na fronteira com a Venezuela nos departamentos de Santander e Norte de Santander, três jovens foram assassinados. Mais três para a longa lista de pessoas MASSACRADAS no país; e sim: MASSACRADAS, porque não são "homicídios coletivos" como o governo do presidente Iván Duque Márquez tentou justificar.

É evidente que a pandemia de violência no país se repete em um longo espiral de padrões de extermínio, eliminação, despojo, estupro e fim. Esta expressão ficou evidente no último mês na Colômbia, onde massacres diários parecem uma prática esportiva, cujo único propósito é gerar medo e pavor. Apenas em agosto, já houve 10 massacres perpetrados principalmente contra crianças, jovens, estudantes, indígenas, camponeses e negros; ou seja, pessoas do campo, da Colômbia mais profunda, da Colômbia esquecida. O tipo de pessoas que muitos julgam que matar, massacrar ou deslocar não importa. Mas eles estão errados porque NOSSA VIDA TAMBÉM IMPORTA.

Não são 'homicídios coletivos' como o governo do presidente Iván Duque Márquez tentou justificar

Quem e onde

Em 2 de agosto, na zona rural de La Gabarra no Norte de Santander, seis camponeses foram assassinados; em 12 de agosto, no bairro Llano Verde, na cidade de Cali, cinco crianças negras foram assassinadas; em 13 de agosto, dois indígenas, um guarda e um comunicador, libertadores da Mãe Terra em Corinto, Cauca; em 15 de agosto, em Samaniego, Nariño, oito estudantes foram assassinados; Em 18 de agosto, na comunidade indígena Resguardo de Pialapí, Pueblo Viejo, na comunidade de El Aguacate, município de Ricaurte em Nariño, três indígenas Awá foram assassinados; em El Tambo, departamento de Cauca, em 21 de agosto, seis camponeses foram assassinados; na mesma data, 21 de agosto, mas em Caracol, Arauca, seis camponeses também foram assassinados e em 22 de agosto, na zona rural de La Guayacana, em Llorente, município de Tumaco, seis camponeses e indígenas foram assassinados. Mas o governo age como se nada tivesse acontecido; nem mesmo fez um pronunciamento ou um chamado por televisão para cuidar ou salvaguardar a vida, mesmo sendo este um dos pilares do Estado Social de Direito de nosso país.

Hoje parece que somos uma estatística. Com o passar do tempo, em vez de subtrair, somam-se mortes, e pior ainda, multiplicam-se. E embora gostaríamos que isso tivesse fim, a verdade é que não há garantias reais de que isso aconteça. Já são 43 massacres e 181 vítimas documentadas por organizações como CODHES e INDEPAZ. A violência na Colômbia é tão complexa que líderes sociais, como eu, têm medo, medo e preocupação em sair de casa, não por causa do vírus da Covid-19, mas por causa do vírus da violência.

Permitam-nos VIVER. Permitam que tempos de alegria e esperança cheguem à Colômbia; permitam que tempos de uma paz completa com justiça social cheguem e que possamos eliminar a pobreza e a desigualdade no país.

Finalmente, não tenho palavras para expressar que estas vidas que nos foram tiradas devem nos dar a força para seguir de pé, com garra e dignidade em nossa luta e resistência incansável para a defesa da vida e do território. Eles não se foram, porque aqueles que morrem em nome da vida não podem ser chamados de mortos. Que nossos gritos nos ajudem a empreender a marcha e que nossas vozes atravessem oceanos, mares, rios e montanhas pela Paz da Colômbia, que o mundo descubra e não seja cúmplice da barbárie que estamos vivendo.

#NoNosMasacren (Não nos massacrem)

Sim à vida. Sem mais assassinatos na Colômbia.

Este é um relato de alguém que sofreu violência em primeira mão e que, assim como as famílias destes massacres, teve que buscar seu pai torturado e assassinado em uma passagem fronteiriça em um país que, muito provavelmente, o teria transformado em um falso positivo caso seu corpo não tivesse sido encontrado rapidamente.

We've got a newsletter for everyone

Whatever you're interested in, there's a free openDemocracy newsletter for you.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscribirme al boletín.
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData