democraciaAbierta

Colombian Lives Matter: pela paz e justiça social na Colômbia

Em 2020, já ocorreram mais de 50 massacres e 200 vítimas mortais. O mundo não pode ficar em silêncio.

Toby Miller Joan Pedro-Carañana Ledy Armirola-Garcés Nencatacoa Fu Juan López Juan Ramos-Martín
16 December 2020, 12.00am
Estudantes fazem vigília em frente ao Hospital Universitário San Ignacio para protestar contra a morte do jovem Dilan Cruz, Bogotá, 26 de novembro de 2020
|
Juan Carlos Torres/NurPhoto/PA Images/All rights reserved

Dilan Cruz, Javier Ordóñez, Juliana Giraldo, Juan de Jesús Monroy Ayala, Luis Alexander Largo. Essas são algumas das pessoas recentemente assassinadas na Colômbia. Neste ano, já ocorreram mais de 50 massacres e 200 vítimas mortais. O mundo não pode ficar em silêncio.

Os protestos em massa continuam, mas, como costuma se dizer na Colômbia, tudo acontece e nada acontece. É precisamente isso que precisa mudar: a internacional internacional precisa somar-se às manifestações sociais para acabar com a violência e a injustiça.

O movimento Black Lives Matter nos Estados Unidos é um raio de esperança que pode certamente revitalizar as organizações de base nacional e internacionalmente. A Minga tem marchado por justiça contra as tendências derivadas do colonialismo e da escravidão que buscam criminalizar e estigmatizar o protesto social. Estas manifestações deixaram uma demonstração exemplar de força, vontade e solidariedade que, no entanto, era desconhecida pelo governo.

As conexões dos poderes do Estado com empresários, narcotraficantes, paramilitares e outros grupos alheios à lei, com o apoio ou silêncio de governos e empresas transnacionais, fazem da Colômbia um país onde abundam as violações dos direitos humanos, a desigualdade, a violência e, principalmente, o desconhecimento de sua grande diversidade cultural e ambiental, sua principal fonte de força.

Da perspectiva dos Estudos para a Paz, queremos destacar alguns aspectos da vida cotidiana na Colômbia, como violência direta, conflitos estruturais e agressividade comunicativa. Como esses são fenômenos inter-relacionados, os agentes da paz enfatizam a necessidade de reduzir a violência física em combinação com o desenvolvimento da justiça econômica e o reconhecimento da diversidade.

Violência armada

Os agentes da paz e os líderes sociais e ambientais têm sido as principais vítimas da violência. Em perspectiva histórica, vale lembrar o conhecido assassinato do candidato presidencial Jorge Gaitán, em 1948, que denunciou o inútil confronto entre a população em nome das elites nacionais. A partir de 1964, a violência armada aumentou com os confrontos entre o exército e a polícia das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército do Povo (FARC-EP) e do Exército de Libertação Nacional (ELN). Como de costume, as bases das forças de combate eram formadas por jovens humildes.

Não faltaram negociações de paz, embora elas quase sempre terminassem em fracasso. A maior referência histórica para o sucesso é o Acordo de Paz com a guerrilha Movimento 19 de Abril (M-19), em 1990, que, não sem dificuldades, levou à sua desmobilização, deposição de armas, reintegração social e conversão em partido político após 20 anos de atividade.

Mais recentemente, o escândalo dos "falsos positivos" trouxe à tona que, entre 2002 e 2010, membros do exército mataram 10 mil civis, fazendo-os passar por combatentes para melhorar as estatísticas a fim de obter ajuda militar americana, segundo pesquisa do coronel de polícia aposentado Omar Rojas, que foi relatada pelo The Guardian. Este número é três vezes maior do que o que as organizações de direitos humanos haviam calculado.

Nos dois primeiros meses de confinamento, 28 líderes sociais e comunitários foram assassinados. Em menos de duas semanas, em agosto, o país viveu sete massacres

O Acordo de Paz assinado com as FARC-EP em novembro de 2016 trouxe esperança a uma parte significativa da população. Entretanto, a violência continuou. Um relatório especial do Instituto de Estudos para a Paz e o Desenvolvimento (Indepaz) afirma que 971 líderes e defensores dos direitos humanos foram assassinados entre a assinatura do Acordo e julho de 2020. Os conflitos associados à terra, ao tráfico de drogas, à mineração e aos recursos naturais são responsáveis por 70% dessas mortes.

Grupos armados têm aproveitado as limitações de mobilidade impostas pela pandemia de Covid-19 para atacar ativistas sociais, como relatado pela BBC. Nos dois primeiros meses de confinamento, 28 líderes sociais e comunitários foram assassinados. Em menos de duas semanas, em agosto, o país viveu sete massacres.

Conflitos estruturais

Os colombianos vêm perdendo a confiança em suas instituições como resultado da corrupção e do clientelismo que esvaziaram os cofres do Estado. A isso se soma a incapacidade de dar respostas efetivas aos problemas sociais que o país está enfrentando e a cooptação do aparato estatal por grupos ilegais que operam nas diferentes regiões do país – a chamada parapolítica.

De acordo com o último relatório da Corporación Transparencia por Colombia, existem vários obstáculos para denunciar atos de corrupção no país, incluindo falta de conhecimento dos canais e procedimentos, falta de interesse nos assuntos públicos, falta de confiança e, especialmente, o medo de retaliação.

A corrupção, juntamente com a alta concentração de riqueza e recursos e um modelo econômico neoliberal baseado no extrativismo, fazem da Colômbia o país mais desigual da América Latina e o sétimo do mundo. A renda dos 10% mais ricos da população é quatro vezes maior do que a dos 40% mais pobres.

Comunicação

É comum que pessoas que se manifestam contra essas estruturas sejam estigmatizadas com o rótulo de vândalos, guerrilheiros, comunistas ou pró-venezuelanos, assim como os ataques ad hominem para desacreditá-las. Muitas vezes, as redes sociais são um instrumento de discurso do ódio e de divulgação de fake news.

Há muitos exemplos de violência simbólica que podem legitimar outras violências e criar um sentimento de impunidade. Por exemplo, Juan Carlos Vélez, o chefe da campanha pela campanha do "Não" no plebiscito sobre o Acordo de Paz, admitiu ter manipulado a opinião pública incentivando a raiva e evitando falar sobre seu conteúdo.

A igreja evangélica da Colômbia, com o apoio da igreja dos Estados Unidos, também desempenhou um papel importante na campanha contra o Acordo de Paz por ele favorecer a igualdade de gênero e a orientação sexual, segundo seus líderes. O presidente da Confederação Evangélica da Colômbia, Edgar Castaño, estima que 2 milhões de pessoas votaram contra o Acordo.

No ranking mundial da liberdade de imprensa realizado por Repórteres sem Fronteiras, a Colômbia ocupa a 130º posição entre 180 países

O papel da mídia nacional não pode ser esquecido. O Observatório da Propriedade da Mídia realizado por Repórteres Sem Fronteiras e Intervozes constatou que três grupos empresariais concentram 57% do conteúdo ao qual a sociedade tem acesso através do rádio, TV, imprensa e internet. Esses três grupos também possuem grandes empresas e bancos e estão entre os principais financiadores das campanhas eleitorais. O financiamento político não deve ser usado para "intervir na tomada de decisão dos eleitos", disse Andrés Hernández, diretor de Transparencia por Colombia.

Um perigo adicional ao exercício e ao respeito à liberdade de expressão e ao direito à informação são os recentes processos judiciais e de acusação iniciados pelo Ministério Público contra jornalistas que relataram censura na mídia pública. Estes processos estabelecem um sério precedente que une os exercícios de ameaça e violência sistêmica sofridos por jornalistas e comunicadores. No ranking mundial da liberdade de imprensa realizado por Repórteres sem Fronteiras, a Colômbia ocupa a 130º posição entre 180 países.

Em direção à paz e à justiça

Grupos sociais continuam a se mobilizar com o objetivo de reduzir substancialmente a violência estrutural, simbólica e direta. Os autores deste artigo acreditam que eles são o maior sinal de esperança para promover o reconhecimento da verdade e da diversidade e para avançar em direção a uma paz duradoura baseada na igualdade.

Sabemos que os obstáculos são enormes, mas, com o apoio internacional, os defensores dos direitos humanos na Colômbia poderiam muito bem iniciar um processo de justiça transicional que leve ao respeito pela dignidade de todas as pessoas e à reconciliação nacional.

Assine nossa newsletter Acesse análises de qualidade sobre democracia, direitos humanos e inovação política na América Latina através do nosso boletim semanal Inscreva-me na newsletter

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData