democraciaAbierta

O coronavírus pode salvar o planeta?

A crise do coronavírus significa uma civilização que está morrendo. Mas também mostra um "pluriverso" de outros mundos em ascensão. Español

Alberto Acosta Arturo Escobar Ashish Kothari Ariel Salleh Federico Demaria
27 March 2020, 12.00am
Brotes verdes en el Amazonas colombiano. en Marzo 2020
|
Foto: Francesc Badia i Dalmases

O Covid-19 está cobrando seu preço a todos nós, mas principalmente aos menos capazes de se limitar a suas casas até que o pior já tenha passado.

Além das medidas sanitárias e humanitárias que são urgentemente necessárias para os afetados, o Covid-19 também oferece a oportunidade de corrigir erros históricos: o abuso de nossa habitação terrestre (o planeta) e de sociedades marginalizadas, onde habitam as pessoas que mais sofrerão com esta pandemia.

Esse surto viral é um sinal de que, ao irmos longe demais na exploração da natureza, a cultura globalizante hegemônica suprimiu a capacidade do planeta de sustentar vidas e meios de subsistência.

A liberação de microrganismos de seus hospedeiros animais implica que eles devem se apegar a outros corpos para sua própria sobrevivência. Os seres humanos fazem parte da natureza e tudo está conectado a todo o resto.

A pandemia atual é apenas um aspecto da crise planetária causada pelo homem, conhecida como Antropoceno; mudança climática descontrolada e perda de biodiversidade são outros dois aspectos, e todos estão conectados. O Covid-19 nos confronta com uma crise da civilização tão imediata e séria que a única estratégia real será a de alcançar e curar a rede que forma a vida.

O filósofo nigeriano Bayo Akomolafe comenta que a complexidade de nossa situação humana hoje quase desafia a capacidade de pensar e colocar as coisas em contexto. Essa crise retira toda a confiança nas ideias enganosas do mundo moderno sobre história, progresso, humanidade, conhecimento, tempo, secularismo e nossa tendência de ver a vida como algo garantido.

Também deve nos alertar contra respostas que comprometam a democracia e os direitos humanos, como em nome do combate ao vírus em muitos países, pois essas respostas apenas reduzem ainda mais a capacidade dos cidadãos de lidar com essas crises.

A questão principal é como refazer nossa economia e política de uma maneira que respeite os limites ecológicos e funcione para toda a humanidade

A crise do coronavírus simboliza uma civilização que está morrendo, mas também destaca um "pluriverso" de "outros mundos" em ascensão. Toda crise é uma oportunidade. A questão principal é como refazer nossa economia e política de uma maneira que respeite os limites ecológicos e funcione para toda a humanidade.

A resposta deve ir além das soluções executivas e tecnológicas superficiais, para alcançar profundas transformações sistêmicas que podem abalar as injustiças estruturais, a insustentabilidade e a lacuna em que vivemos. Precisamos de uma mudança dramática em direção à democracia genuína; uma que confia no gênio testado pelo tempo das comunidades e grupos locais.

Desafiamos o velho modo de vida eurocêntrico baseado na separação dos seres humanos de outras entidades naturais – nós contra eles, mente contra corpo, secular contra espiritual. Ao negar a interdependência essencial de tudo na Terra, essa maneira dualista de pensar e ser serve simplesmente para consolidar o domínio do poder masculino sobre o cuidado feminino da vida.

A pandemia está nos ensinando novas lições. A globalização econômica não trouxe prosperidade universal, mas devastação ecológica, convulsão social e desigualdade

Abriu, também, o caminho para a economia mais objetivadora e prejudicial que a humanidade já viu, hoje consagrada em uma (des)ordem capitalista global fortemente militarizada e neoliberal.

A pandemia está nos ensinando novas lições. A globalização econômica não trouxe prosperidade universal, mas devastação ecológica, convulsão social e desigualdade.

Então, agora, em todos os continentes, vemos pensadores e ativistas que decidiram substituir o regime capitalista pela re-comunalização, lutando pela auto-suficiência, até acolhendo refugiados e outros necessitados, como aconteceu na Grécia em alguns casos.

Ao contrário dos termos ditados pela OMC e pelas empresas multinacionais, essa mudança para a produção em escala humana permite que as pessoas projetem seus próprios meios de subsistência de maneira a proteger o habitat.

A realocação pode até reverter o fluxo desesperado da migração rural para as cidades, onde a densidade populacional espalha doenças como o coronavírus com tanta facilidade.

Isso é apenas uma quimera? Não. Se olharmos ao redor do mundo, vemos milhares de iniciativas culturalmente diversas para alimentos, energia, água e outras formas de soberania comunitária. Estas soluções localizadas devolvem significado, identidade, dignidade e suficiência às pessoas que foram alienadas por um século de suposto progresso, sob o poder centralizado de corporações e estados.

A pandemia de coronavírus põe fim a um universo de falsas promessas. O "pluriverso" anuncia uma nova esperança para a democracia radical que inclui toda a vida: "um mundo onde cabem muitos mundos"

A revolução popular marca uma mudança da economia precária dos mercados de derivativos e ações para uma economia real de fabricação de bens necessários, oferecendo e compartilhando "serviços".

Se refere a uma visão de regiões bioculturais autônomas, definidas por relações sociais e ecológicas tangíveis, e deixando claro o argumento de que a ajuda mútua e a proteção dos ecossistemas locais são mais eficazes para lidar com crises e até pandemias, do que medidas estatais centralizadas.

Diante da privatização neoliberal, a proposta é que a terra e a água, ideias e conhecimentos, sejam reconhecidos como bens comuns. Esse futuro implica o decrescimento, o respeito aos limites, a redução e a justa redistribuição de materiais e energia no planeta.

Hoje, um renascimento da democracia radical está ocorrendo em todo o mundo, frequentemente liderado por mulheres ou jovens, cujas energias "para a vida" são combinadas com movimentos sociais para a libertação de espécies, gêneros, castas e agrupamentos de classes oprimidas.

Nosso livro "Pluriverso": um dicionário pós-desenvolvimento, reúne uma infinidade desses tipos de alternativas de transformação. Existem demandas indígenas pela harmonia com a Terra através do buen vivir (viver bem) e do ubuntu; novas noções que emergem de contextos industriais fraturados, como ecofeminismo e decrescimento; redes agroecológicas práticas e software livre; e dezenas de outros.

O livro faz um forte contraste entre essas profundas mudanças estruturais e as "soluções reformistas" que assume um mundo globalizado precodificado pelos valores ocidentais e mobilizado pela lógica fútil do crescimento.

O que surge é uma linguagem viva para a riqueza e diversidade do conhecimento e das práticas das pessoas em sintonia com o bem-estar planetário. Este léxico está construindo uma tapeçaria mundial de alternativas; oferece um espaço colaborativo para ativistas que tecem iniciativas transformadoras em todo o mundo; torna-se um novo horizonte para ser e fazer.

A pandemia de coronavírus encerra um universo de falsas promessas. O pluriverso anuncia uma nova esperança para a democracia radical que inclui toda a vida: "um mundo onde cabem muitos mundos".

How is the British police crackdown bill a threat to democracy?

The Police, Crime, Sentencing and Courts Bill creates new stop-and-search powers, allows the police to put more conditions on protests, and threatens Gypsy and Traveller rights to roam.

It's been met with mass protests from Bristol to Belfast. Is this bill a threat to our human rights – and is there any stopping it now?

Join us for this free live discussion at 5pm UK time, Thursday 22 April

Hear from:

Gracie Bradley Director of Liberty
Moya Lothian-Mclean Politics editor at gal-dem
Luke Smith Founder of GRT [Gypsy, Roma and Traveller] Socialists
Zarah Sultana Labour MP
Chair: Nandini Archer Global commissioning editor, openDemocracy

Assine nossa newsletter Acesse análises de qualidade sobre democracia, direitos humanos e inovação política na América Latina através do nosso boletim semanal Inscreva-me na newsletter

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData