democraciaAbierta: Investigation

Venezuela: 3,7 bilhões de petrodólares à deriva

US$ 3,7 bilhões de ativos públicos se perderam entre 2005 e 2017 devido a uma série de operações anômalas da frota petrolífera da estatal Petróleos de Venezuela S.A (PDVSA).

Alianza Rebelde Investiga
30 December 2020, 12.00am
A PDVSA navega em um mar de irregularidades
|
runrun.es

A Alianza Rebelde Investiga (ARI), composta por Runrun.es, El Pitazo e Tal Cual, juntamente com a Connectas, uma plataforma jornalística para as Américas, se aliaram por um ano para empreender uma investigação sobre o vazamento de cerca de 350 documentos de auditoria interna da Petróleos de Venezuela S.A (PDVSA) sobre a construção e frete de petroleiros que revelam uma série de irregularidades na gestão da frota da companhia petrolífera estatal.

Esta é uma investigação que revela a má gestão da frota de petroleiros pela PDVSA entre 2005 e 2017, durante os governos de Hugo Chávez e Nicolás Maduro, período em que pelo menos US$ 3,7 bilhões se perderam em pagamentos por navios que não foram construídos, superfaturamento, desordem administrativa e embarcações encalhadas, entre outras irregularidades, de acordo com a auditoria interna da companhia petrolífera estatal e os resultados obtidos nesta investigação jornalística.

Os relatórios destacam a participação de figuras como Rafael Ramírez, ex-ministro do petróleo e ex-presidente da PDVSA há mais de uma década, que liderou o fracassado plano Siembra Petrolera (Semeadura de petróleo); Asdrubal Chavez, primo do falecido presidente e a mais alta autoridade da companhia petrolífera estatal atualmente, um engenheiro que entre 2007 e 2013 gerenciou a frota PDVSA como vice-presidência de Comércio e Abastecimento; e Wilmer Ruperti, um empresário que ajudou o governo com petroleiros durante a greve petrolífera de 2002-2003 e que agora está tentando ajudar Maduro a superar as sanções dos EUA contra a PDVSA.

Dentre as descobertas deste especial, se encontram:

  • O ex-presidente Hugo Chávez ordenou a construção de 18 petroleiros na Argentina, Brasil, Portugal e Irã por um total de US$ 1,2 bilhões. A PDVSA pagou adiantado mais de US$ 500 milhões e recebeu apenas um navio e com atraso. Dois navios-tanque na Argentina e um no Brasil permanecem encalhados.
  • A PDVSA pagou US$ 177 milhões em frete a dois navios-tanque comprados com 95% de dinheiro venezuelano. Este negócio de fretamento ocorreu no âmbito de uma joint venture entre Cuba e Venezuela.
  • No início de 2020, em meio às sanções, 46 embarcações estavam apoiando o transporte marítimo e fluvial da PDVSA, embora apenas três fossem de propriedade do Estado venezuelano.

Veja o especial "PDVSA navega em um mar de irregularidades" aqui.


Este artigo foi originalmente publicado em runrun.es

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData