North Africa, West Asia: Opinion

O 'direito de se defender': um argumento com uma história colonial sangrenta

Somente aqueles que invadiram e institucionalizaram suas leis têm "o direito de se defender".

Ghassan Hage
1 Junho 2021, 12.00
Cavalaria ataca nativos australianos durante o massacre de Slaughterhouse Creek em 1838
|
Wikimedia Commons/Domínio Público

Durante a conquista espanhola das Américas, que começou em 1492, os povos indígenas foram despojados e massacrados aos milhões. Em algumas ocasiões, os indígenas resistiram e mataram alguns dos colonizadores espanhóis. Quando o fizeram, os espanhóis retaliaram com mais massacres.

“Eles estão nos atacando e temos o direito de nos defender”, disseram os colonizadores.

A maioria dos europeus brancos da época concordou. Eles agiram como se a diferença entre quantos foram mortos pelos indígenas e quantos pelos colonizadores não importasse. Agiram como se não importasse quem invadiu a casa de quem e quem subjugou quem. Para eles, o que importava era: “Eles estão nos atacando e temos o direito de nos defender”.

Que esta era uma forma bastante seletiva de descrever a verdade era evidente para todos, mesmo para aqueles que empregavam variações desta fórmula. Essas pessoas não a implantaram porque estavam em busca da verdade – o usaram como uma arma, uma espécie de grito de guerra. O objetivo era subjugar ainda mais os colonizados e reforçar o aparato colonizador europeu branco.

Isso foi algo que escapou aos que se opunham ao colonialismo, destacando a falsidade da afirmação. Eles invariavelmente fracassaram em reconhecer que estavam lidando com guerreiros coloniais brancos que precisavam ser derrotados, não buscadores da verdade que precisavam ser corrigidos empiricamente.

Os descendentes da cultura colonial europeia branca ainda exercem seu "direito de se defender" contra aqueles que colonizaram e escravizaram através de práticas legais de encarceramento em massa

Isso também aconteceu durante a conquista portuguesa do Brasil. Massacres coloniais, expropriação, subjugação. Alguma resistência indígena seguida de mais massacres. E para aqueles que perguntaram: "Por que mais massacres?" Os portugueses explicaram: “Eles estão nos atacando e temos o direito de nos defender.”

E, novamente, a maioria dos europeus brancos da época concordou com os portugueses. Eles agiram como se a diferença entre quantos foram mortos pelos indígenas e quantos pelos colonizadores não importasse. Agiram como se não importasse quem invadiu a casa de quem e quem subjugou quem. Para eles, o que importava era: “Eles estão nos atacando e temos o direito de nos defender”.

E, novamente, houve alguns que se opuseram a esta narrativa, mas não conseguiram enxergar o grito de guerra que era e passaram seu tempo tentando "corrigir" os colonizadores, como se eles fossem buscadores da verdade.

Durante a conquista europeia da América do Norte, a mesma coisa aconteceu com os nativos americanos. E a mesma coisa aconteceu com os britânicos na Ásia, os franceses no norte da África, os alemães no sul da África, os italianos na Líbia, os belgas no Congo, os holandeses na Indonésia e... e...

Todos eles conquistaram, massacraram, se apropriaram de terras e quando houve resistência disseram: “eles estão nos atacando e temos o direito de nos defender”. Pois aqueles que são invadidos e colonizados só podem se defender da "forma correta". Somente aqueles que invadiram e institucionalizaram suas leis podem ter "o direito de se defender".

Eu deixei de fora alguns exemplos, mas não vou deixar de fora o que aconteceu na Austrália, de onde estou escrevendo. Pois, adivinhe o que aconteceu aqui? Os britânicos vieram e conquistaram. E da mesma forma, realizaram massacres, expropriação e subjugação. O mesmo aconteceu com todo um aparato legal destinado a legalizar o roubo de terras e o direito dos ladrões. E, novamente, a resistência local foi seguida por mais massacres denominados "retaliação". E para aqueles que perguntaram: "Por que mais massacres", os colonizadores australianos explicaram que aqueles povos nativos eram um bando de assassinos. “Eles estão nos atacando e temos o direito de nos defender”.

E com certeza, a maioria dos europeus brancos concordou. Eles agiram como se a diferença entre quantos foram mortos pelos nativos e quantos pelos colonizadores australianos não importasse. Para eles, o que importava era o direito de "retaliar": “Eles estão nos atacando e temos o direito de nos defender”.

Aqui estamos hoje lidando com a invasão sionista e conquista da Palestina – e os argumentos de "colonialismo defensivo" estão por todos os lados

E, novamente, vale a pena repetir, houve alguns contrários a esta narrativa que não conseguiram ver nesta fórmula o grito de guerra que era e que gastaram seu tempo tentando "corrigir" os colonizadores como se eles fossem buscadores da verdade. E ainda hoje estão tentando corrigi-los.

Podemos falar de toda uma história de "colonialismo defensivo": um colonialismo imaginado pelos colonizadores como uma forma de defesa que se estende até a invasão mais recente do Iraque e do Afeganistão. Nos Estados Unidos, na Austrália e em outros lugares, os descendentes da cultura colonial europeia branca ainda exercem seu "direito de se defender" contra as pessoas que colonizaram e escravizaram por meio de práticas legais de encarceramento em massa.

E assim, aqui estamos hoje lidando com a invasão sionista e conquista da Palestina – e os argumentos defensivos estão por todos os lados. A implantação do discurso de "colonialismo defensivo" pelos sionistas aumentou de nível: eles até chamam seu exército colonizador de "Forças de Defesa de Israel". Portanto, não é de surpreender que estejamos inundados com afirmações sionistas de "eles estão nos atacando e temos o direito de nos defender".

E quem está agindo como se a diferença entre quantos foram mortos pelos locais e quantos pelos colonizadores não importasse? Quem está agindo como se quem invadiu a casa de quem não importasse e quem subjugou quem também não? E quem está agindo como se a única coisa que importa é: "Eles estão nos atacando e temos o direito de nos defender”? Curiosamente, todos aqueles beneficiários do mesmo colonialismo europeu branco que nos martelaram com “eles estão nos atacando e temos o direito de nos defender” durante séculos.

E infelizmente, apesar desta longa história, ainda há quem pense que o importante é mostrar aos colonizadores os "fatos" e demonstrar que o que dizem não está de acordo com a verdade, não vendo o grito de guerra contido nessa fórmula.

Had enough of ‘alternative facts’? openDemocracy is different Join the conversation: get our weekly email

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData