ourEconomy: Opinion

A crise dos sistemas alimentares tem o agronegócio em seu centro

Pequenos produtores alimentam 70% do mundo. Então por que o financiamento vai para a produção intensiva?

Lorena Cotza Ouafa Haddioui
25 Janeiro 2022, 12.00
Fundos públicos estão sendo usados para expandir a produção pecuária industrial, um setor que aumenta drasticamente as emissões de metano, desmatamento e poluição
|
Andrew Linscott / Alamy Stock Photo

Em 2017, o povo de Zagora, no Marrocos, foi às ruas no que ficou conhecido como a “revolução da sede” para pedir água potável e o fim do uso excessivo de água pelas grandes empresas agrícolas. Em uma área já árida, com secas e ondas de calor frequentes devido às mudanças climáticas, grande parte do abastecimento de água disponível é usado para cultivar melancias para exportação para a Europa, resultando em um suprimento insuficiente, não confiável e não potável para a população local. Durante as manifestações, 23 pessoas foram detidas.

No Marrocos, irrigação para a agricultura consome quase 90% da água disponível anualmente. Essa extração intensa remonta ao período colonial, quando as autoridades francesas substituíram o khettara – um sistema de irrigação tradicional desenvolvido e administrado pelas comunidades locais – por estruturas de uso intensivo de água que permitem que a produção atenda à demanda dos mercados europeus.

A agricultura agora constitui quase 15% do PIB de Marrocos. A indústria recebe apoio substancial de bancos públicos de desenvolvimento, como o Banco Africano de Desenvolvimento e o Banco Mundial. Ambos os bancos apoiaram o Plano Marrocos Verde de 2008, que visava “explorar plenamente o potencial agrícola do país”. O plano favoreceu cultivos orientados para a exportação com altas necessidades de água, como melancia, tomate e frutas cítricas.

A crise hídrica do Marrocos não é um caso isolado. Em todo o mundo, a escassez de água e as crises alimentares estão sendo causadas por desastres causados ​​pelo homem como as mudanças climáticas, o colonialismo e um modelo econômico extrativista – impulsionado por governos, empresas privadas e instituições financeiras de desenvolvimento – que aumenta a produtividade a qualquer custo e desconsidera os direitos das comunidades locais.

Get our free Daily Email

Get one whole story, direct to your inbox every weekday.

Agravada pela pandemia e pela subsequente crise econômica global, a escassez de água e alimentos atingiu níveis sem precedentes em dezenas de países, com produtores de pequena escala – especialmente mulheres – desproporcionalmente afetados. A situação é particularmente preocupante em países afetados por conflitos, como a República Democrática do Congo, Iêmen, Sudão do Sul, Afeganistão e Síria.

Em novembro de 2021, o diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos (PMA), David Beasley, alertou que “conflitos, mudanças climáticas e a Covid-19 [estão] aumentando o número de pessoas com fome aguda, e os dados mais recentes mostram que agora existem mais de 45 milhões de pessoas à beira da fome”.

É necessária uma ação urgente. No entanto, governos e bancos públicos de desenvolvimento (BPDs) continuam a permitir que grandes multinacionais estabeleçam a mesma agenda fracassada.

Bancos públicos de desenvolvimento

Os bancos públicos de desenvolvimento são atores-chave nos sistemas alimentares. De acordo com o Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola, os BPDs investem cerca de US$ 1,4 trilhão por ano no setor agrícola e alimentar.

O Banco Interamericano de Desenvolvimento, por exemplo, está considerando um empréstimo de US$ 43 milhões para a Marfrig Global Foods, a segunda maior empresa de carne bovina do mundo. A Marfrig e seus fornecedores estão ligados ao desmatamento ilegal na Amazônia brasileira, corrupção e abusos de direitos humanos.

Se o projeto for aprovado, os recursos públicos serão usados ​​para expandir ainda mais a pecuária industrial – um setor que aumenta drasticamente as emissões de metano, o desmatamento e outras formas de poluição do ar e da água. De acordo com a campanha Divest Factory Farming, a agropecuária industrial é responsável por 14,5% das emissões de gases de efeito estufa. Apoiar a indústria de carne industrial mina o Acordo Climático de Paris e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU sobre ação climática e produção responsável.

Muitos bancos públicos de desenvolvimento também prestam consultoria e moldam as legislações estaduais. Em 2020, a Índia aprovou três projetos de lei agrícolas controversos seguindo as recomendações do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial. Em uma manobra surpreendente em novembro de 2021, o parlamento indiano votou para revogar essas leis, após mais de um ano de protestos em massa, nos quais centenas de milhares de pequenos agricultores realizaram comícios de tratores, bloquearam rodovias e acamparam na capital, Delhi. De acordo com organizações de agricultores locais, essas políticas teriam acabado com os mercados de proteção e forçado os agricultores locais a negociar preços com grandes corporações do agronegócio, como o Grupo Adani.

Manifestantes com bandeiras vermelhas

Agricultores participam de bloqueio de estrada nos arredores de Nova Délhi, na Índia

|
REUTERS / Alamy Stock Photo

Cúpulas internacionais que tratam da fome no mundo também são ditadas por bancos públicos de desenvolvimento e interesses corporativos.

Em outubro de 2021, representantes de 500 BPDs se reuniram na segunda Cúpula de Finanças em Comum para “fortalecer o compromisso [dos bancos] com a recuperação pós-pandemia, o desenvolvimento sustentável e a agricultura”. Apesar dos bancos divulgarem seu foco em inclusão e sustentabilidade, povos indígenas, agricultores, pescadores, pastores, mulheres e outros membros das comunidades locais – que são os verdadeiros especialistas nessas questões – foram amplamente excluídos do evento.

Após outro fórum internacional de alto nível no ano passado, a Cúpula dos Sistemas Alimentares da ONU, centenas de organizações da sociedade civil, grupos de base, acadêmicos e especialistas da ONU criticaram a reunião por permitir que grandes nomes do agronegócio e corporações estabelecessem a agenda. Michael Fakhri, relator especial da ONU para o direito à alimentação, tuitou que a cúpula “deu as costas para aqueles mais impactados por sistemas alimentares falidos”. A cúpula, que incluiu o setor privado, representado pelo Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável, cujos membros incluem Nestlé, Bayer e Tyson Foods, não tratou de problemas urgentes como o uso excessivo de pesticidas, concentração de terras ou abusos ambientais e trabalhistas por parte das empresas..

Precisamos de soberania alimentar

Soluções sustentáveis ​​para a crise alimentar já existem, mas precisam de mais apoio. De acordo com um relatório do Grupo de Ação sobre Erosão, Tecnologia e Concentração (ETC), "Quem nos alimentará?", pequenos produtores fornecem alimentos para 70% do mundo, enquanto usam apenas 25% dos recursos.

Em vez de exacerbar a crise alimentar atendendo aos interesses das corporações do agronegócio, governos e bancos públicos de desenvolvimento deveriam apoiar projetos baseados no modelo agroecológico. De acordo com uma rede de grupos de base que se mobilizaram em torno da Cúpula dos Sistemas Alimentares, a agroecologia “incentiva a diversidade – de culturas, pessoas, métodos agrícolas e conhecimentos – para permitir sistemas alimentares adaptados localmente que respondam às condições ambientais e às necessidades da comunidade”. Isso inclui práticas como permacultura, agrofloresta, agricultura orgânica e agricultura biodinâmica.

Agricultores em toda a Ásia, muitos dos quais estão sofrendo alguns dos piores impactos das mudanças climáticas, oferecem um modelo para métodos agroecológicos que minimizam as emissões de gases de efeito estufa e são mais resistentes a desastres climáticos. Esses métodos incluem o uso de sementes tradicionais e mais resistentes, biofertilizantes e biopesticidas menos poluentes, sistemas de irrigação mais eficientes, fontes de energia mais limpas e evitar plantações de monoculturas.

Não podemos mais nos dar ao luxo de despejar bilhões em dinheiro público em projetos que exacerbam a dívida, as desigualdades, a pobreza e as mudanças climáticas. Aqueles que têm o poder e os recursos para moldar os sistemas alimentares e enfrentar as crises alimentares devem ouvir e aprender com as comunidades locais e os produtores de alimentos de pequena escala que têm as soluções para alimentar o mundo de forma sustentável.

Economics journalism that puts people and planet first. Get the ourEconomy newsletter Join the conversation: subscribe below

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData