democraciaAbierta: Opinion

Quem está mais de acordo com os valores cristãos: Bolsonaro ou Lula?

A crença religiosa deveria ser deixada de fora do debate eleitoral. Mas uma vez presente, fica claro quem defende os valores cristãos e quem não

Jean Wyllys
2 Outubro 2022, 12.00
O bolsonarismo utiliza o cristianismo como propaganda política
|

dpa picture alliance / Alamy Stock Photo

Como nos casos do nazismo e do fascismo históricos, o bolsonarismo — a versão brasileira atualizada de ambos — é um movimento de extrema direita que apenas utiliza o cristianismo como propaganda política, mas que, na verdade, não tem qualquer identificação com os valores cristãos.

A imprensa brasileira tem gastado muito tempo debatendo o chamado “voto evangélico”, ou seja, prognosticando para qual dos candidatos à presidência — Lula ou Bolsonaro — irão os votos dos cristãos evangélicos, para quem iria esse voto e discutir e discutindo e reafirmando a tendência de estes votaremde acordo com os dogmas e a moral de sua religião, e não com as melhores propostas de governo apresentadas por seus candidatos.

Ora, sendo o Brasil um Estado laico, essa tendência eleitoral do cristão evangélicos deveria ser tratada no mínimo com assombro, e não normalizada (e até mesmo explorada) por parte de uma imprensa que se pense como democrática. Um Estado laico não tem paixão religiosa nem pode ser chantageado por esta; ele não tem religião nem defende nenhuma religião em particular, mas garante a todos os seus cidadãos e cidadãs o direito de professar a sua fé, qualquer; garante a todas e todos o exercício do direito de crer e de não crer.

O respeito à laicidade do Estado implicaria que, num processo eleitoral, os valores religiosos não deveriam estar em pauta, seja em campanhas é propaganda, seja na cobertura da principalmente.

Mas uma vez que estão em em pauta, a imprensa e os candidatos teriam a obrigação de informar aos cristãos evangélicos que eles nem sempre gozaram da liberdade de crença. Quando o Estado brasileiro tinha religião oficial – a Católica – os evangélicos eram discriminados e até perseguidos. Quem assegurou a liberdade de crença na Constituição de 1946 — mantida na Constituição de 1986 — foi um deputado ateu e comunista: o escritor baiano Jorge Amado.

A última coisa que um evangélico poderia fazer num processo eleitoral era definir seu voto com base em intolerância e racismo religiosos

Este dispositivo constitucional que garantiu o livre exercício das crenças no Brasil beneficiou as religiões de matriz africanas, mas, sobretudo, as igrejas evangélicoshistóricas e as neopentecostais.

Sendo assim, a última coisa que um evangélico poderia fazer num processo eleitoral era definir seu voto com base em intolerância e racismo religiosos.

Se pensarmos na etimologia da palavra evangélicos, concluiremos que estes são aqueles cristãos que crêem nos quatro evangelhos canônicos – os de Mateus, Lucas, Marcos e João – como textos inspirados por Deus. Ora, não só estes quatro textos bem como as cartas do apóstolo Paulo estão cheias estão cheias de referênciascontra a ganância e a favor dos pobres.

Bem, Bolsonaro fez um governo que beneficiou os ricos e muito ricos; fez com que estes ficassem mais ricos; fez um governo que acabou com as leis trabalhistas e que precarizou o trabalho em geral. Além disto, este governomanejou criminosamente a pandemia de Covid-19 de forma a matar os mais pobres, os já doentes, os indígenas e os idosos. Foram mais de 700 mil pessoasmortas por causa dessa necropolítica.

O governo Bolsonaro ensejou indireta ou diretamente a morte de indígenas pobres, isolados ou não, por meio do estímulo ao garimpo ilegal e ao tráfico de madeira na Amazônia.

Bolsonaro também enriqueceu pessoalmente e de maneira ilícita ao longo desses quatro anos igual que sus cuatro hijos.

Bolsonaro também enriqueceu pessoalmente e de maneira ilícita ao longo desses quatro anos, assim como seus quatro filhos.

Em resumo, Bolsonaro e o bolsonarismo, assim como o fascismo e o nazismo históricos, não tem qualquer identificação verdadeira com o que diz Jesus nos evangelhos ou Paulo em suas cartas.

Já o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que nasceu na pobreza, assim como Jesus, em seus oito anos de governo, tirou o Brasil do mapa da fome e praticamente erradicou a miséria no país — miséria que retornou graças a Bolsonaro. Lula fez um governo que priorizouprincipalmente os mais pobres e os trabalhadores, as mulheres em especial. Lula semeia o amor e não usa a mentira como arma de destruição.

Ou seja, se comparamos Bolsonaro e Lula, podemos concluir que Lula está muito mais de acordo com os valores cristãos. Quem está, digamos, atendendo a todas as exortações dos evangelhos é Lula: a defesa dos humilhados, da justiça e da igualdade.

Senso assim, qual é mesmo a dúvida dos cristãos que querem votar de acordo com os seus valores?

A religião dos candidatos não deveria estar em pauta num Estado laico, mas já que está, uma imprensa honesta deveria dizer aos evangélicos a verdade: Lula é um verdadeiro cristão

Já Bolsonaro e bolsonarismo não passam daquilo que diz o evangelista Mateus dos fariseus: por fora, branco e parecendo impoluto por dentro, cheio de podridão e ossos.

We've got a newsletter for everyone

Whatever you're interested in, there's a free openDemocracy newsletter for you.

Assine nossa newsletter Acesse análises de qualidade sobre democracia, direitos humanos e inovação política na América Latina através do nosso boletim semanal Inscreva-me na newsletter

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData