Home

Zika: quando vão aprender a lição?

Comparemos os milhares de bebés afetados nas Américas com a falta de opções para aqueles que ouvem que às mulheres do norte lhes é recomendado não viajar para lá. Español English

Regina Rabinovich
1 March 2016
22863306823_97446c79a4_o_1.jpg

Aedes aegypti. Flickr. Some rights reserved.

O Zika tem estado constantemente nos meus pensamentos. Falei com um amigo na Venezuela recentemente. Este é um terrível exemplo do início de conflitos sociais e económicos despoletados por motivos políticos. A sua vida diária resume-se a filas para obter produtos básico tais como papel higiénico; não há tylenol disponível para nada. Um grande aumento em casos de malaria já se produziu no ano passado!

Adicionemos o Zika. No seu bairro, ha aproximadamente doze casos ativos de Zika (clinicamente falando, uma vez que não há diagnósticos), estando duas das afetadas grávidas. E adicionemos também a síndrome de Guillain-Barré, para o qual as autoridades não dispõem de nenhum tratamento, mais além de cuidados sanitários quando os mesmos se encontram disponíveis. Esta situação não foi denunciada perante a Organização Mundial da Saúde. Os milhares de bebes afetados nas Américas contrastam com a falta de opções apara aqueles que ouvem dizer que se lhes está a recomendar as mulheres grávidas do Norte não viajar ao seu país. Isto está a suceder em todo o continente americano, ali onde o mosquito Aedes está presente. Pese a que o primeiro caso documentado de transmissão por via sexual através deste vírus foi publicado há 5 anos, agora, nova documentação originada no Texas no contexto duma importante epidemia coloca novas preguntas. Supõe a transmissão sexual uma forma importante de propagação da infecção?

Cada noite, ir dormir com medo. Ou não dormir de todo.

Tantas coisas por entender. Investigações para estabelecer uma relação causal entre o Zika e uma serie de patologias que afetam o sistema nervoso central (microcefalia, Guillain-Barre, Sintomas Retinais) estão a ser realizadas na Colômbia e no brasil. Os efeitos biológicos do Zika sobre o sistema nervoso ainda se desconhecem. Muitos aspetos desta infecção viral ainda estão por ser explicados. Por exemplo, quanto dura o risco que supõe os efeitos do vírus sobre o sistema nervoso central? Qual é natureza da imunidade?

O vírus Zika, contrariamente à recente devastação que supôs o Ébola a nível clinico, não passa duma infecção leve, mas as consequências neurológicas parecem ter lugar posteriormente à infecção. Esta epidemia adiciona o Zika à clássica definição de infecções (TORCH) que fomos treinados para reconhecer: toxoplasmose congênita, outras, rubéola, CMV e Herpes. O Zika é agora um ator a ter em conta dentro da categoria de “outras”.

Então pergunto-me. Chegou o dinheiro destinado a financiar a resposta à emergência do Ébola que foi prometido a nível global à Organização Mundial da Saúde? Ou a algum lugar em particular? O Zika como tal não se esperava que viesse a ser a próxima grande epidemia. Contudo, continuarão a suceder-se surtos e pandemias, disso não há dúvidas. Basta com analisar o histórico: o H1N1, a reaparição o H5, o MERS, o Ébola, o Zika…

Como diz a letra: quando vão aprender?

Stop the secrecy: Publish the NHS COVID data deals


To: Matt Hancock, Secretary of State for Health and Social Care

We’re calling on you to immediately release details of the secret NHS data deals struck with private companies, to deliver the NHS COVID-19 datastore.

We, the public, deserve to know exactly how our personal information has been traded in this ‘unprecedented’ deal with US tech giants like Google, and firms linked to Donald Trump (Palantir) and Vote Leave (Faculty AI).

The COVID-19 datastore will hold private, personal information about every single one of us who relies on the NHS. We don’t want our personal data falling into the wrong hands.

And we don’t want private companies – many with poor reputations for protecting privacy – using it for their own commercial purposes, or to undermine the NHS.

The datastore could be an important tool in tackling the pandemic. But for it to be a success, the public has to be able to trust it.

Today, we urgently call on you to publish all the data-sharing agreements, data-impact assessments, and details of how the private companies stand to profit from their involvement.

The NHS is a precious public institution. Any involvement from private companies should be open to public scrutiny and debate. We need more transparency during this pandemic – not less.


By adding my name to this campaign, I authorise openDemocracy and Foxglove to keep me updated about their important work.

Had enough of ‘alternative facts’? openDemocracy is different Join the conversation: get our weekly email

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData