democraciaAbierta

Ambientalistas temem que Salles capte recursos com os EUA para implementar ‘polícia ambiental’

O ministro do Meio Ambiente teria intenção de montar uma espécie de Força Nacional de Segurança Ambiental para controlar ou substituir o Ibama

Maurício Ferro
23 Abril 2021, 12.00
O presidente dos EUA, Joe Biden, durante a sessão de abertura da Cúpula do Clima em 22 de abril de 2021
|
PA Images/Alamy Stock Photo

O governo federal brasileiro participa da Cúpula de Líderes sobre o Clima nestas quinta-feira (22) e sexta-feira (23) sob a desconfiança de ambientalistas de que o Ministério do Meio Ambiente tenta assegurar meios para a criação de uma "polícia ambiental". O evento, convocado pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, traz expectativa de anúncio de um aporte de recursos ao Brasil.

Ambientalistas temem que o ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) consiga recursos para montar uma espécie de FNSA (Força Nacional de Segurança Ambiental), que controlasse ou substituísse o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis).

"Dependendo do volume da grana que vier, ele [Ricardo Salles] consegue dinheiro suficiente para, por exemplo, pagar a diária de policiais militares dos estados e montar essa força armada a serviço dele. Então, o medo era esse: que o dinheiro viesse de qualquer forma", disse ao openDemocracy o secretário-executivo do Observatório do Clima, Marcio Astrini.

A FNSA que estaria sendo pensada por Salles seria um braço da FSN (Força de Segurança Nacional), comandada atualmente pelo coronel da PM (Polícia Militar), Aginaldo de Oliveira, que é casado com a deputada federal bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP).

A congressista foi eleita em março presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara. Zambelli já responsabilizou ONGs (organizações não governamentais), sem provas, pelas queimadas na Amazônia.

Ambientalistas afirmam que a mudança legislativa beneficia os infratores, porque a polícia não tem preparo técnico para lidar com assuntos ambientais

Ao assumir a presidência da comissão, a deputada federal deu celeridade a um PL (projeto de lei) – nº 6.289/2019, de autoria do deputado federal Coronel Tadeu (PSL-SP) – cujo teor é semelhante à hipótese mencionada por Astrini.

O texto trata da inclusão de policiais militares dos 26 estados brasileiros e do Distrito Federal no Sisnama (Sistema Nacional do Meio Ambiente) e disciplina as atividades de policiamento ambiental.

Ambientalistas afirmam que a mudança legislativa beneficia os infratores. Isso porque a polícia não tem preparo técnico para lidar com assuntos ambientais. Na própria divisão da segurança pública, é a Polícia Civil que investiga os crimes. A Polícia Militar é voltada para a ostensividade.

Servidores do Ministério do Meio Ambiente acreditam que, se for para a polícia exercer um patrulhamento ambiental, que seja dentro de um papel ostensivo, numa segurança aos agentes do Ibama – e não para fazer o trabalho do próprio Ibama –, que produz laudo técnico, análise multi-temporal de imagens de satélite, registro fotográfico, entre outros.

Além disso, a implementação do PL (num caso de ser eventualmente aprovado e sancionado) exigiria investimento na formação técnica de policiais, retirando-os de sua função primordial, que é a segurança, para que executassem fiscalizações ambientais. Portanto, gera eventual custo e ainda pode excluir servidores já especializados.

Assine nossa newsletter Acesse análises de qualidade sobre democracia, direitos humanos e inovação política na América Latina através do nosso boletim semanal Inscreva-me na newsletter

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData