democraciaAbierta

Apesar de ações pela paz, Colômbia bate recordes de assassinatos de lideranças

Cerca de 200 líderes sociais morreram em 2022, 61 desde que o líder de esquerda, Gustavo Petro, assumiu a presidência

Alejandra Rodríguez
3 Janeiro 2023, 12.01
Representantes do ELN e do governo colombiano retomaram diálogos em Caracas, na Venezuela, em dezembro de 2022
|

Jesus Vargas/dpa/Alamy Live News

Os assassinatos de lideranças sociais na Colômbia atingiram seu ponto mais alto nos últimos seis anos, sugerindo que a violência em algumas regiões do país não foram afetadas pelos planos de paz do atual governo.

No início de dezembro, a Ouvidoria informou por meio de um comunicado de imprensa que 199 líderes sociais foram assassinados até agora em 2022, o maior número desde a assinatura do Acordo de Paz em 2016. Os assassinatos se concentraram nos departamentos de Antioquia, Nariño , Putumayo, Cauca e Arauca.

Além disso, organizações como a OCHA Colombia registraram um aumento em outros indicadores, como deslocamento em massa e confinamento, que mostram que a violência está aumentando nas principais áreas de conflito do país.

Relacionado

2K4XY8N
Gustavo Petro retoma esforços que começaram em Quito, em 2017. Mas estão longe de se tornarem negociações

Após a complexa temporada eleitoral e apesar da mudança de governo em agosto, confrontos entre grupos armados e ataques contra a população civil e lideranças sociais continuam ocorrendo. Segundo o Indepaz, 61 líderes sociais e signatários do Acordo de Paz foram assassinados até agora no governo do presidente Gustavo Petro, ou seja, de 7 de agosto deste ano até o fim do ano.

Como consequência, esse aumento da violência manteve o número de confinamentos e deslocamentos forçados em alta nos departamentos mais afetados: Cauca, Nariño, Putumayo e Antioquia.

Os ataques contra as forças públicas em Cauca são os últimos acontecimentos que indicam uma escalada geral da violência na Colômbia, mesmo para os padrões do país, em um momento em que o governo se empenha em alcançar a Paz Total, projeto carro-chefe do presidente com o qual busca negociações ou procedimentos legais com cerca de 20 grupos criminosos.

Análise

A violência contínua contra líderes e membros comunitários na Colômbia levanta questões sobre o preparo do governo colombiano em relação à sua política de segurança durante o período de negociações com grupos armados.

Os departamentos mais afetados pelo conflito na Colômbia enfrentam altos níveis de violência desde o início de 2022 e coincidem com os departamentos com mais assassinatos de líderes sociais e onde o conflito entre grupos não permitiu a possibilidade de um cessar-fogo.

Departamentos como Nariño e Cauca são áreas conhecidas de atuação de vários grupos armados, onde atividades ilícitas como cultivo de coca, tráfico de cocaína e confrontos entre gangues armadas para seu controle são rotineiramente denunciadas.

Relacionado

2HN8G7B.jpg
Com o novo governo, a Colômbia tem a oportunidade de sair de seu eterno impasse entre paz e guerra

Nariño, o departamento que faz fronteira com o Equador, registra o maior número de assassinatos de líderes sociais do país (33) e enfrenta uma crise humanitária devido aos deslocamentos maciços causados pelos confrontos entre grupos armados, que disputam território para controlar as rotas do tráfico de drogas.

Cauca registrou um triplo homicídio no qual morreu um líder comunitário do município de Cajibío e, dias depois, seis pessoas foram assassinadas no município de Santander de Quilichao. Este departamento registra 25 assassinatos de líderes sociais.

Antioquia relata 20 lideranças sociais assassinadas em 2022 e a população civil denuncia combates entre dissidências das extintas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, ou ex-mafia FARC, e os Urabeños ou Clã do Golfo, também chamados de Autodefesas Gaitanistas da Colômbia, confirmados pelo Exército Colombiano.

O Putumayo registrou 20 líderes assassinados neste departamento onde também ocorrem ameaças e atos violentos contra a população civil e comunidades indígenas.

Em Arauca, 12 líderes sociais foram assassinados. Em 20 de novembro, quatro jovens foram assassinados durante um massacre em uma estrada rural.

Ángela Olaya, co-fundadora da Conflict Responses Foundation (CORE), considera que as razões pelas quais a violência na Colômbia não cessa dependem de cada região. “O que está acontecendo em Cauca não é o mesmo que está acontecendo em Antioquia, porque a violência que está ocorrendo envolve diferentes conflitos e atores criminosos em cada região”.

A eleição do esquerdista Petro veio com a esperança de uma nova situação de segurança pública no país, junto com seu plano de Paz Total. No entanto, esses assassinatos parecem ilustrar a falta de uma política clara para proteger civis e líderes sociais em muitos dos departamentos historicamente mais violentos do país enquanto o governo negocia com grupos armados. Como nas recentes eleições na Colômbia, momentos de sensibilidade nacional são frequentemente usados ​​por atores armados na esperança de forçar sua influência. Por outro lado, alguns grupos podem estar tentando tirar vantagem das negociações para se firmar em certas economias criminosas.

Olaya destaca que os assassinatos de lideranças sociais e o aumento da violência contra a população civil na Colômbia podem ser explicados pela falta de uma política de segurança do governo Petro. “Apesar de o novo governo trabalhar para alcançar a Paz Total, esta não é uma política de segurança eficaz. É uma negociação. O necessário é uma estratégia definida para proteger os líderes sociais em todo o país”.

Recentemente, o jornal colombiano Semana noticiou a tentativa do governo de estabelecer um pacto de não agressão com o ELN e um acordo para que os militares não operem nas regiões de Bajo Calima, Valle del Cauca e Medio San Juan, no Chocó.


Este artigo foi originalmente publicado no InSightCrime

We've got a newsletter for everyone

Whatever you're interested in, there's a free openDemocracy newsletter for you.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscribirme al boletín.
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData