democraciaAbierta: Opinion

Movimentos sociais em tempos de Covid-19: outro mundo é necessário

Diante da óbvia necessidade de uma transformação radical e complexa do sistema, os movimentos sociais em tempos de crise agem de maneira diferente dos protestos que estamos acostumados. Español

Donatella della Porta
26 March 2020, 12.00am
"Faça os ricos pagarem pelo Covid-19" Graffiti visto em Londres, Reino Unido
|
Foto via Facebook/Jorge Martin

Os tempos de uma pandemia trazem grandes desafios para ativistas de movimentos sociais progressistas.

Não é hora de ativismo de rua ou política nas praças. Com as liberdades restritas pelo distanciamento social, a realização de formas típicas de protesto se tornam impossíveis. A mobilização não é apenas difícil em locais públicos, mas também em nossos locais de trabalho, dada a limitação muito estrita do direito de reunião e a reduzida oportunidade de reuniões presenciais.

A emergência contínua limita nossos espaços mentais, desafiando nossa criatividade. Recursos individuais e coletivos se concentram na sobrevivência diária. A esperança, estimulante da ação coletiva, é difícil de sustentar, enquanto o medo, que tanto a desencoraja, se espalha.

As crises podem desencadear decisões defensivas egoístas, tornando o outro um inimigo. Dependemos da eficiência do governo e da opinião de especialistas.

A emergência contínua limita nossos espaços mentais, desafiando nossa criatividade

No entanto, os movimentos sociais geralmente surgem em momentos de grandes emergências, calamidades (mais ou menos naturais) e forte repressão às liberdades individuais e coletivas. No passado, as guerras provocaram ondas de contestação social.

Não é apenas verdade que "os estados fazem guerras e as guerras fazem estados", mas também que tremendas respostas sociais acompanharam conflitos militares, antes, depois e às vezes até mesmo durante esses conflitos. Tais revoluções testemunham a força do compromisso das pessoas em tempos de profunda crise.

Os tempos de profunda crise podem (embora não automaticamente) gerar a criação de formas alternativas de protesto. A ampla difusão de novas tecnologias permite a realização de protestos online, incluindo, entre outras, as petições eletrônicas que se multiplicaram nesse período (desde a busca por eurobonds até a solicitação de suspensão de aluguéis por alunos).

Marchas de carros foram convocadas em Israel. Os trabalhadores pediram mais segurança através de flash-mobs com os participantes mantendo uma distância segura um do outro. Na Finlândia, motoristas de transporte público se recusaram a aceitar os bilhetes de passageiros. Na Itália e na Espanha, mensagens coletivas de protesto ou solidariedade são enviadas de varandas e janelas. Por meio dessas formas inovadoras, os protestos pressionam os governantes e controlam suas ações.

Os movimentos sociais podem explorar os espaços de inovação que se abrem em momentos de incerteza

Diante da necessidade óbvia de transformação radical e complexa, os movimentos sociais também agem de várias maneiras que diferem de simples protestos. Primeiro, os movimentos sociais criam e recriam vínculos: se baseiam em redes existentes, mas também, na ação, as conectam e multiplicam.

Diante das manifestas insuficiências do Estado e, mais ainda, do mercado, as organizações dos movimentos sociais são constituídas – como ocorre em todos os países afetados pela pandemia – em grupos de apoio mútuo, promovendo ações sociais diretas, ajudando os mais carentes. Assim, eles produzem resistência, respondendo à necessidade de solidariedade.

Os movimentos também atuam como canais para fazer propostas. Utilizam conhecimentos especializados alternativos, mas também agregam a isso o conhecimento prático que emerge das experiências diretas dos cidadãos.

Ao criar esferas públicas alternativas, as organizações de movimentos sociais nos ajudam a imaginar cenários futuros. A multiplicação do espaço público permite a troca, contrastando a superespecialização do conhecimento acadêmico e facilitando a conexão entre o conhecimento abstrato e as práticas concretas.

A partir dessa fertilização cruzada, também surge a capacidade de conectar as várias crises – trazer à luz a conexão entre a disseminação e a letalidade do coronavírus e as mudanças climáticas, guerras, violência contra as mulheres, expropriações de direitos (e antes de tudo, o direito à saúde).

Embora a vida cotidiana mude drasticamente, também há espaços para reflexão sobre um futuro que não pode ser pensado como continuação do passado

Dessa maneira, a reflexão nos movimentos sociais aumenta e nossa capacidade de entender as causas econômicas, sociais e políticas da pandemia, que não é um fenômeno natural nem um castigo divino.

Dessa forma, os movimentos sociais podem explorar os espaços de inovação que se abrem em momentos de incerteza. Da maneira mais dramática, a crise mostra que é necessária uma mudança, uma mudança radical que rompe com o passado e uma mudança complexa que vai da política à economia, da sociedade à cultura.

Se em tempos normais, os movimentos sociais crescem com oportunidades de transformação gradual, em tempos de profunda crise, os movimentos são propagados pela percepção de uma ameaça drástica e profunda, contribuindo para as aberturas cognitivas.

Embora a vida cotidiana mude drasticamente, também há espaços para reflexão sobre um futuro que não pode ser pensado como continuação do passado.

A crise também abre oportunidades de mudança, evidenciando a necessidade de responsabilidade pública e senso cívico, de regras e solidariedade. Se as crises têm o efeito imediato de concentrar o poder, até sua militarização, elas demonstram, no entanto, a incapacidade dos governos de agir simplesmente pela força.

A necessidade de compartilhamento e amplo apoio para lidar com a pandemia pode trazer reconhecimento da riqueza da mobilização da sociedade civil. A presença de movimentos sociais poderia, portanto, contrastar com os riscos envolvidos em uma resposta autoritária à crise.

Além disso, as crises mostram o valor dos bens públicos fundamentais e sua complexa gestão por meio de redes institucionais, mas também pela participação de cidadãos, trabalhadores e usuários. Demonstram que a administração dos bens comuns precisa de regulamentação e participação das bases.

Em qualquer mobilização durante uma pandemia, o valor de um sistema universal de saúde pública emerge não apenas como justo, mas também como vital. Se as demandas de saúde no local de trabalho e a proteção universal da saúde como bem público são tradicionalmente demandas dos sindicatos e da esquerda, a pandemia demonstra a necessidade de reafirmar esses direitos e expandi-los para incluir os menos protegidos.

Em sua dimensão global, a pandemia desencadeia uma reflexão sobre a necessidade de defender o direito à proteção da saúde globalmente, algo frequentemente feito por organizações da sociedade civil como Médicos sem Fronteiras ou Emergency.

As crises demonstram que a administração dos bens comuns precisa de regulamentação e participação das bases

Claro, nada disso acontece automaticamente. Essas crises também são a ocasião para a acumulação de lucros por saques, experimentação por governos autoritários, por anomia social. A emergência e os choques criam ocasiões suculentas para os especuladores.

Mas se as crises aumentam a competição por recursos escassos, elas também aumentam a percepção de um destino compartilhado. Aumentar as desigualdades, em vez de reduzi-las, também gera um profundo sentimento de injustiça. Traz consigo a indicação de responsabilidades políticas e sociais específicas.

Como nas guerras, a demanda por terríveis sacrifícios à população alimenta reivindicações de direitos e participação na tomada de decisões. À medida que a mobilização coletiva cresce, também surge a esperança de uma mudança, de que outro mundo ainda é possível e, hoje, ainda mais necessário do que nunca.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData