Countering the Radical Right

QAnon passou de conspiração obscura a um culto completo

As tentativas de proibir e censurar o grupo só lhe deram mais poder e ajudaram a iniciar uma nova era da extrema-direita.

Julia deCook
21 Janeiro 2021, 12.00
A hashtag "QAnon" rabiscada em uma cabana no Lago Eib, na Baviera, Alemanha. 5 de setembro de 2020
|
Picture by Sachelle Babbar/Zuma Press/PA Images. All rights reserved

Em 12 de agosto, Donald Trump endossou uma candidato ao Congresso da Geórgia, a vencedora do segundo turno das primárias republicanas realizado no dia anterior. Assim como um número crescente de aspirantes ao Congresso e de políticos atuais, Marjorie Taylor Greene abraça a teoria da conspiração do QAnon. A vitória da candidata nas primárias sinaliza que o QAnon passou de ser uma conspiração obscura a uma plataforma política.

Alguns argumentam que o QAnon não é mais uma teoria da conspiração, mas um culto completo, e com seu crescente número de membros e o aumento de atos de violência, seria difícil descartar esta afirmação como sendo exagerada. Tentativas de deter grupos do QAnon, hashtags e relatos não tiveram sucesso em conter a disseminação da teoria da conspiração. O grupo vem desenvolvendo suas táticas não apenas para escapar da censura, mas também com a intenção de cooptar outros movimentos – como Save The Children – em resposta a estas proibições, bem como para ampliar sua rede de recrutamento. Há muito, as teorias da conspiração são ferramentas da extrema-direita (racista, misógina, anti-semita e islamofóbica), mas o QAnon teve sucesso onde outros não: tornou-se mainstream.

A evolução do QAnon foi nada menos do que notável. Com origem no infame imageboard 4chan, ele se espalhou para outras comunidades online, como o reddit e sua comunidade /r/PizzaGate, que foi proibida em 2016 por violar as regras do reddit sobre doxing e assédio. A conspiração até fez com que as pessoas se armassem e fossem à pizzaria no centro da conspiração, Comet Ping Pong (daí o "PizzaGate"), para "libertar" as crianças, supostamente vítimas de uma rede de pornografia falsamente ligada ao restaurante e à democratas.

Além do dinamismo, o que mantém muitas pessoas engajadas nestas comunidades é o grupo e o sentimento de pertencimento que se constrói ao seu redor

Saltando das periferias da internet para plataformas políticas, o movimento continua a evoluir, sempre usando sua história original para se sustentar. As teorias da conspiração dependem de que suas narrativas evoluam e as mais bem-sucedidas não apenas são reiteradas e difundidas, mas também desenvolvidas por seus participantes. Elas costuram diferentes aspectos de outras conspirações, mudam ou evoluem a história existente, e – não diferente da forma como as pessoas criam trabalhos de ficção – engajam-se na construção de um mundo que permita que a teoria da conspiração assuma vida própria. Em outras palavras, uma teoria da conspiração bem-sucedida e duradoura é aquela que fornece informações suficientes para dar sentido aos eventos, mas deixa espaço suficiente para os aderentes preencherem os espaços em branco através de sua própria "pesquisa" e através do engajamento – e construção – com outros.

As teorias da conspiração, particularmente online, são dinâmicas e estão em constante mudança. Além do dinamismo, o que mantém as pessoas engajadas nestas comunidades – onde estão ainda mais suscetíveis à doutrinação – é o grupo e o sentimento de pertencimento que se constrói ao seu redor. O conhecimento não é tanto uma atividade individual, mas uma atividade de grupo. O conhecimento é criado e sustentado em grupos não só para reivindicar o poder, mas também para mantê-lo.

O QAnon não é bem-sucedido apenas porque fornece informações para dar sentido ao mundo, mas também porque permite a seus aderentes moldar a narrativa para além da história inicial

Em vez de tentar analisar a disseminação da teoria da conspiração nas plataformas online, tentar prever como ela pode mudar com base em padrões anteriores pode revelar mais informações sobre o apelo da própria conspiração. Em essência, a conspiração do QAnon tem sucesso por causa de fatores conhecidos entre pesquisadores que estudam a persuasão:

  1. Fornece uma história de fácil processamento para explicar um evento ou uma faceta horrível da sociedade (tráfico de crianças);
  2. Sua capacidade de persuasão está impregnada de apelos emocionais/afetivos;
  3. A crença proporciona um senso de comunidade, de pertencimento a um grupo e de poder de ação.

O QAnon não é bem-sucedido apenas porque fornece informações para dar sentido ao mundo, mas também porque permite a seus aderentes moldar a narrativa para além da história inicial.

Isto significa que em uma nova era política com novas plataformas, a conspiração evoluiu de estar focada em Hillary Clinton para tentar implicar cantores como Justin Bieber. Ela expandiu da original história sobre a rede de pedofilia liderada pelos democratas através de uma pizzaria para incluir temores antigos sobre cultos satânicos (populares nas décadas de 1980 e 1990), canibalismo e até mesmo tráfico de órgãos. De alguma forma, a conspiração do QAnon não é atraente porque é uma narrativa coerente, mas porque é um amontoado de pânicos morais colocados no mesmo saco para criar uma conspiração-mor que contém multidões. Os aderentes podem então escolher com que partes da conspiração se alinham mais fortemente, as partes que escolhem espalhar e, mais importante ainda, o que vão adicionar. As comunidades da teoria da conspiração, em certa medida, sempre se permearam, mas a internet levou o fenômeno a um novo nível, dando espaço para que essas crenças se espalhem, mas também permitindo que as pessoas se envolvam em um nível de co-construção e co-evolução que é difícil de acompanhar.

As teorias da conspiração, e especialmente aquelas como o QAnon, refletem não apenas epistemologias alternativas, mas também uma forma de consciência e inteligência coletivas. É aqui que algo como o QAnon pode deixar de ser considerado uma teoria de conspiração e ser visto como um culto ou um novo movimento religioso. Desvendar o que torna a teoria da conspiração tão popular nos aponta para o conceito sociológico básico do funcionalismo: para os aderentes, ela lhes dá um sentido e um propósito à vida; ajuda a reforçar a estabilidade social; é um agente de controle social e comportamento; e os motiva a trabalhar pela mudança social. Dessa forma, os aderentes do QAnon acreditam que estão lutando por um mundo melhor vis-à-vis a eliminação do tráfico de crianças e exposição de pedófilos. O uso de crianças como peões políticos é uma tática antiga usada para promover agendas políticas e esta estratégia funciona bem para os aderentes do QAnon: tentar argumentar contra eles pode se voltar contra você, já que os aderentes então lhe acusam de apoiar o tráfico de crianças.

QAnon pode ser o único resultado lógico do crescimento do populismo de direita, redes afetivas de paranóia e a abordagem laissez-faire para moderação de conteúdo

Tentar desradicalizar um adepto do QAnon envolverá inevitavelmente confrontar esses argumentos circulares e, em algum nível, a atenção da mídia ao QAnon pode resultar em "amplificação do desvio" devido à visão negativa da sociedade sobre o movimento (ou seja, eles são "loucos") . Mas a preocupação em torno do alcance de QAnon não é injustificada: o FBI os classificou como uma ameaça, e seus aderentes são responsáveis por atos reais de violência. E o papel das plataformas na disseminação do culto do QAnon também não pode ser negligenciado. O algoritmo do Facebook recomendou grupos sobre QAnon a seus usuários, em que milhões de membros do grupo continuamente construíram e espalharam a conspiração. YouTube, Instagram, Twitter e agora o TikTok são focos de conteúdo QAnon, apesar das tentativas das plataformas de conter sua disseminação.

O culto se espalhou globalmente durante a crise da Covid-19 e abriu caminho na política dominante ao se alinhar com outros grupos, como grupos paramilitares antigovernamentais e de supremacia branca. De alguma forma, as tentativas de banir e censurar o grupo apenas lhe deram mais poder: o subreddit foi banido em 2016 e, desde então, só cresceu. Talvez devêssemos ter previsto isso: QAnon pode ser o único resultado lógico do crescimento do populismo de direita, redes afetivas de paranoia e a abordagem laissez-faire para moderação de conteúdo das principais plataformas, assim como sua falta de responsabilidade na disseminação do extremismo. QAnon não apenas demonstra o poder das teorias da conspiração, como também destaca os limites da eficácia da censura e proibições e está ajudando a inaugurar uma nova era de extrema-direita.

Had enough of ‘alternative facts’? openDemocracy is different Join the conversation: get our weekly email

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData