ourEconomy: Opinion

Chegou a hora de implementar a semana de trabalho de quatro dias

Experimento islandês confirma velhas suspeitas: horas de trabalho reduzidas melhoram nosso bem-estar e produtividade

Jack Kellam
17 Janeiro 2022, 12.00
O movimento vem ganhando força nos últimos anos
|
Ammentorp Photography / Alamy Stock Photo

Entre 2015 e 2021, a Islândia discretamente conduziu um grande experimento econômico. Mais de 2,5 mil funcionários públicos – mais ou menos 1% de toda a população ativa do país – reduziram sua jornada de trabalho de 40 horas semanais para 35 ou 36 horas, sem perda de remuneração.

Experimentos de semanas de trabalho mais curtas não são novos: nos últimos anos, vários estudos de “semana de trabalho de quatro dias” foram conduzidos em todo o mundo – desde o teste da Microsoft no Japão até o experimento da Unilever na Nova Zelândia. Mas os dois da Islândia, que envolveram funcionários do governo nacional e da Câmara Municipal de Reykjavík, são incomparáveis ​​em termos de escala e escopo. O progresso foi meticulosamente monitorado por pesquisadores, o que gerou uma quantidade incomparável de dados sobre o impacto de menos horas de trabalho. Em julho do ano passado, os principais resultados foram publicados em um relatório publicado conjuntamente pela Alda (Associação para a Democracia Sustentável) e Autonomy.

Apesar da variedade de locais de trabalho envolvidos, a redução do tempo de trabalho gerou uma série de benefícios em comum para os participantes: eles se sentiram mais saudáveis, tiveram mais tempo para se recuperar do trabalho e viram a atmosfera de seus locais de trabalho melhorar. Mesmo com apenas duas ou três horas cortadas na semana, as pessoas viram melhorias imediatas em sua vida familiar, seu relacionamento com seus colegas e seu próprio autocuidado. O experimento não apenas melhorou o bem-estar dos trabalhadores, mas também teve efeitos impressionantes, melhorando a produtividade “por hora” e a prestação de serviços.

Os resultados confirmam o que muitos já sabíamos ser verdade: uma semana de trabalho mais curta seria um divisor de águas para nosso próprio bem-estar e qualidade de vida em geral.

Get our free Daily Email

Get one whole story, direct to your inbox every weekday.

Crucialmente, o experimento criou uma mudança duradoura. Depois de concluídos os experimentos, negociações bem-sucedidas entre empregadores e sindicatos levaram mais de 86% de toda a população trabalhadora da Islândia a ter a opção de reduzir seu tempo de trabalho – sem perder uma única coroa islandesa de seus salários.

A experiência da Islândia mostra como o setor público é capaz de implementar uma semana de trabalho mais curta, estabelecendo um padrão ao qual o resto da economia pode responder. O custo financeiro não deve ser visto como uma barreira: mesmo quando novos funcionários precisarão ser contratados para compensar as horas de trabalho mais curtas – em funções como assistência, ensino e enfermagem – grande parte do dinheiro necessário para pagar os salários volta para o governo na forma de imposto de renda e contribuições para o seguro nacional, o que significa que o custo líquido é relativamente baixo.

Na Europa, poucos lugares se beneficiariam mais com essas mudanças do que o Reino Unido, onde as horas de trabalho estão entre as mais longas do continente. As evidências mostram que isso tem um efeito devastador na saúde pública e estatísticas de produtividade: em 2020, o excesso de trabalho foi citado como o motivo de um quarto das licença médica solicitadas no país. Os experimentos islandeses fornecem ainda mais evidências de que a redução do tempo de trabalho seria uma solução poderosa para ambos os problemas.

A pandemia de Covid-19 mostrou que nossas práticas de trabalho não são imutáveis ​​e podem ser transformadas em um curto espaço de tempo

Mas como implementar essa agenda? Já existem diversas campanhas que promovem a semana laboral de quatro dias que visam mobilizar apoio a essa política. A UK 4 Day Week Campaign lançou recentemente um esquema de credenciamento, que já conta com uma lista crescente de empresas. Assim como a campanha Living Wage, o esquema visa identificar e promover empresas pioneiras que implementam uma semana de trabalho mais curta.

Os sindicatos também têm um papel vital a desempenhar e muitos, como o CWU no Reino Unido, Forsa na Irlanda e IG Metall na Alemanha, já tomaram medidas para promover a redução do horário de trabalho. Outros, como a PCS Scotland, também mostraram interesse pelo assunto.

Os partidos políticos também estão despertando para o potencial transformador de uma semana de trabalho mais curta. Partidos tão diversos quanto o SNP na Escócia, Mas Pais na Espanha e o governo japonês se comprometeram recentemente com uma semana de quatro dias, o que ilustra o apelo da política em todo o mundo.

Muitas pessoas suspeitam há muito tempo que trabalhar menos beneficiaria nosso bem-estar, saúde e produtividade. A evidência do experimento da Islândia é simplesmente a mais recente de um crescente corpo de evidências que apoia essa ideia.

A pandemia de Covid-19 mostrou que nossas práticas de trabalho não são imutáveis ​​e podem ser transformadas em um curto espaço de tempo. À medida que países ao redor do mundo buscam se recuperar da pandemia, nunca houve uma oportunidade melhor para reequilibrar nossas vidas profissionais e adotar uma semana de trabalho mais curta.

A semana de trabalho de quatro dias já está aqui.

We've got a newsletter for everyone

Whatever you're interested in, there's a free openDemocracy newsletter for you.

Economics journalism that puts people and planet first. Get the ourEconomy newsletter Join the conversation: subscribe below

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData